Lula volta à propaganda de Dilma e Aécio exalta Marina

 No horário eleitoral da noite desta segunda-feira (13), dois importantes cabos eleitorais apareceram pela primeira vez na propaganda de seus aliados neste segundo turno: o ex-presidente Lula voltou a aparecer no comercial de Dilma Rousseff (PT), e Aécio Neves (PSDB) mostrou o recente apoio de Marina Silva (PSB) à sua candidatura.

As imagens usadas na propaganda petista não são novas, mas recicladas de peças do primeiro turno. Lula afirma que seu segundo mandato como presidente foi melhor que o primeiro e defende que o mesmo acontecerá em uma reeleição de Dilma.

Aécio mostrou trechos do discurso de adesão de Marina Silva e, em outra cena, agradeceu o apoio da ex-senadora. O tucano também reprisou imagens do discurso de Renata Campos, mulher do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), lido por um dos filhos do casal, em que ela declara apoio a Aécio.

Dentre as propostas, a propaganda de Dilma apresentou a ‘Casa da Mulher Brasileira’, que reúne serviços de assistência jurídica, delegacia, apoio psicológico e social e orientação profissional para a população feminina.

O destaque na propaganda tucana foi o programa ‘Nordeste Forte’, que inclui agilizar obras de infraestrutura em andamento com o aprimoramento de programas sociais que não são exclusivos da região, como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida.

BANCOS PÚBLICOS

A propaganda petista também foi dedicada, em boa medida, a criticar mais uma vez Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central e anunciado Ministro da Fazenda em um eventual governo Aécio.

Dessa vez, o mote foram os bancos públicos. A peça exibe o áudio de uma entrevista de Fraga de 2013 em que ele fala em restringir o papel dos bancos públicos.

‘Não sei bem o que sobrar no final da linha, talvez não muito’, diz o ex-presidente do BC.

‘Você ouviu: no final das contas ele não sabe o que vai sobrar do BNDES, da Caixa e do Banco do Brasil. Mas a gente sabe que coisa boa não é’, comenta um apresentador do comercial petista. (Da Folha de S.Paulo)

Deixe uma resposta