Deixe um comentário

Planeta dos macacos, por Téta Barbosa

Téta Barbosa

Cada um no seu quadrado é a filosofia de vida que poderia, muito bem, ter sido escrita por Nietzsche. Cada qual no seu lugar! Logo se vê que quando um sai do canto, dá confusão.

Vejamos um exemplo clássico: as carpas. As carpas viviam felizes na Ásia, onde nadavam e comiam plantinhas, mas no que importaram os peixes da China e levaram para os lagos americanos, a coisa desandou.

Chegaram ao novo ambiente, sem predadores naturais, e se espalharam geral. Cresceram sem controle e comeram toda vegetação da área prejudicando os outros peixes da região.

Recentemente, aqui por Pernambuco, outro bicho, que está na região errada, anda causando problema para a fauna local e dando dor de cabeça aos biólogos: os macacos invasores!

Os bichos são da raça saimiris e só chegaram aqui, vindos da Amazônia, por conta de apreensões de contrabando feitas pelo Ibama. Isso lá pelos idos dos anos 80 mas, como até hoje os macacos não foram devolvidos, se reproduziram e os 20 inofensivos micos fofos se transformaram em 300 terroristas da reserva de Saltinho, em Tamandaré, litoral sul de Pernambuco.

 

 

Lá, sem seus predadores naturais, eles tocam o terror e devoram ovos de aves, entre elas duas ameaçadas de extinção e predam filhotes de outros animais, inclusive os simpáticos saguis. Tudo isso porque os saimiris estão no bioma, leia-se quadrado, errado.

O que me faz pensar nos americanos no Afeganistão! Claramente os gringos estão no quadrado errado, por tempo demais, destruindo a fauna e a flora democrática mundial.

A gente, das bandas de cá, já se acostumou com os ianques invadindo os quadrados alheios de tal forma que nem achamos mais estranho. O fato é que já deveriam ter voltado para casa, lá no hemisfério norte da nossa querida América, para lutarem com seus predadores naturais: o hambúrguer e o bacon, deixando os afegãos se virarem sozinhos.

Eles já mataram Bin Laden, já destruíram lares, casas, explodiram prédios, mataram inocentes e continuam reproduzindo descontroladamente o terror e o ódio porque,Yes, They Can.

Cada um no seu quadrado não foi, mas poderia ter sido a base da teoria democrática universal. Ia evitar tanta coisa!

 

Téta Barbosa é jornalista, publicitária, mora no Recife e vive antenada com tudo o que se passa ali e fora dali. Escreve  sempre sobre modismos, modernidades e curiosidades. Ela também tem um blog – Batida Salve Todos

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: