Embaixadora dos EUA na ONU renuncia

Nikki Haley assumiu o cargo em 2016 e foi muito atuante como embaixadora dos Estados Unidos na ONU. Motivo da renúncia ainda não foi divulgado

Embaixadora dos EUA na ONU renuncia
Haley permanece no cargo somente até o final deste ano (Foto: Wikimedia)
A embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), a republicana Nikki Haley, renunciou ao cargo na entidade nesta terça-feira, 9. Ainda não se sabe o motivo que levou a ex-governadora da Carolina do Sul a deixar a função. Haley permanece no cargo somente até o final deste ano.

Pelas redes sociais, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, já havia informado que faria um anúncio junto com sua “amiga embaixadora Nikki Haley” no salão oval da Casa Branca. A republicana ocupava o posto na ONU desde 2016, pouco tempo depois que Trump assumiu a presidência.

“Foi uma bênção ir às Nações Unidas com coletes à prova de balas todos os dias e defender os Estados Unidos. […] Eu nunca vou realmente deixar de lutar pelo nosso país. Mas vou lhe dizer que acho que é hora [de sair]”, afirmou Haley, segundo noticiou o New York Times.

Apesar de integrar o Partido Republicano, Nikki Haley era crítica ao governo Trump, e manchetes de jornais americanos já apontaram desavenças pontuais dela com o presidente. Alguns analistas viram a entrada de Nikki Haley na ONU como uma plataforma política para uma possível tentativa de chegar à Casa Branca futuramente, mas isso nunca foi confirmado.

Trump revelou que Haley já havia o informado, há cerca de seis meses, que gostaria de dar uma pausa nas atividades depois que completasse dois anos na função. De acordo com o presidente, um sucessor para a embaixadora será anunciado nas próximas semanas, e Haley pode voltar ao governo americano em outras funções futuramente. “Ela fez um trabalho fantástico e fizemos um trabalho fantástico juntos. […] Estamos todos felizes por você de uma maneira, mas odiamos perder você”, destacou Trump.

Atuação recente

No mês passado, em resposta a um artigo anônimo publicado no New York Times, que apontava uma racha no governo americano, Nikky Haley escreveu um texto para o Washington Post. Crítica da administração Trump, a republicana afirmou que sempre que tem alguma desavença com o presidente, ela “pega o telefone e liga para ele, ou encontra pessoalmente”.

Já na ONU, em junho passado, Haley ganhou às manchetes mundiais ao retirar os Estados Unidos do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Na ocasião, a embaixadora americana chamou o órgão de “hipócrita”, mas destacou que a saída do país da entidade não representava um retrocesso no campo dos direitos humanos.

Haley foi muito atuante como embaixadora dos Estados Unidos na ONU. Em abril deste ano, durante uma reunião do Conselho de Segurança da entidade, ela trocou duras acusações e ameaças com o seu homólogo russo, Vassily Nebenzia, em relação aos ataques químicos ocorridos em Douma, na Síria.

Em dezembro do ano passado, durante a polêmica da transferência da embaixada dos Estados Unidos para Jerusalém, Haley reduziu o poder da ONU sobre a decisão americana. Segundo ela, a votação contra o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel seria lembrada “como o dia em que seu país foi atacado pelo ato de exercer o direito enquanto nação soberana”.

Fontes: The New York Times-Nikki Haley Resigns as U.S. Ambassador to the United Nations
The Washington Post-Nikki Haley resigns as Trump’s U.N. ambassador

Deixe uma resposta