Deixe um comentário

ASSALTO DOS GOVERNANTES EM CIMA DO POVO

A necessidade de meter a mão nos cofres públicos – em última análise no bolso do contribuinte – para satisfazer a incompetência na gestão e os gastos perdulários com os cortesãos, não angustia apenas governantes de uma determinada sigla, mas quase todos os abutres seres ungidos pelos votos populares ou simplesmente entronizados no trono por força dos bons ventos da sorte ou da violência. O diálogo a seguir, replicado ad nauseam na Internet, serve como uma luva para o confisco  indecente que se pratica com a carga tributária.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Ao assaltar o bolso do contribuinte com sua dimensão fiscal oceânica, é o que se assiste  na história recente do País. O assalto ao povo pagador, resulta num exercício de imensa paciência , pois se não fosse o Brsail uma República de bananas, já tería-se o grito,não o grito :”Diga ao povo que fico”;mas o que se diria com a força do voto,aos governantes: MAIS TRIBUTOS NÃO.

Leiam o diálogo:

Diálogo entre Colbert e Mazarino durante o reinado de Luís XIV, na peça teatral Le Diable Rouge, de Antoine Rault:
Colbert: – Para arranjar dinheiro, há um momento em que enganar o contribuinte já não é possível. Eu gostaria, Senhor Superintendente, que me explicasse como é possível continuar a gastar quando já se está endividado até o pescoço.
Mazarino: – Um simples mortal, claro, quando está coberto de dívidas, vai parar à prisão. Mas o Estado é diferente!!! Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, ele continua a endividar-se. Todos os Estados o fazem!
Colbert: – Ah, sim? Mas como faremos isso, se já criamos todos os impostos imagináveis?
Mazarino: – Criando outros.
Colbert: – Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres.
Mazarino: – Sim, é impossível.
Colbert: – E sobre os ricos?
Mazarino: – Os ricos também não. Eles parariam de gastar. E um rico que gasta faz viver centenas de pobres.
Colbert: – Então, como faremos?

Mazarino: – Colbert! Tu pensas como um queijo, um penico de doente! Há uma quantidade enorme de pessoas entre os ricos e os pobres: as que trabalham sonhando enriquecer e temendo empobrecer. É sobre essas que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais! Quanto mais lhes tirarmos, mais elas trabalharão para compensar o que lhes tiramos. Formam um reservatório inesgotável. É a classe média!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: