Deixe um comentário

Ratos se comunicam por meio de chip no cérebro

 

Ratos se comunicam por meio de chip no cérebro

Pares de ratos podem se comunicar por meio de chips cerebrais e colaborar entre si para executar uma tarefa, relatam pesquisadores na revista Scientific Reports. A atividade cerebral registrada em um rato foi traduzida para um padrão de impulsos elétricos, que foram, em seguida, transmitidos para outro rato que tinha sido treinado para pressionar uma alavanca específica em resposta a um de dois padrões de estimulação cerebral elétrica. Os ratos também trabalharam juntos, dizem os pesquisadores. Se o segundo rato escolhesse a alavanca errada, o primeiro rato mudaria a sua função cerebral e comportamento no próximo experimento, de modo que o outro roedor passava a ter uma probabilidade maior de acertar a alavanca, afirmam os cientistas.

A pesquisa foi liderada por Miguel Nicolelis, neurocientista do Centro Médico da Universidade Duke, que já descreveu uma interface cérebro-computador por meio da qual um macaco podia controlar um robô que andava e outro dispositivo no qual uma sensação virtual de toque era incorporada no cérebro de um macaco por meio de uma matriz elétrica estimulante. Alguns laboratórios têm feito progressos impressionantes na leitura e escrita de informações para o cérebro nos últimos anos, com o objetivo de ajudar pessoas paralisadas a recuperar a mobilidade por meio da robótica controlada pelo pensamento. No ano passado, duas equipes de pesquisa informaram que pacientes tetraplégicos tinham conseguido usar implantes cerebrais para controlar membros robotizados.

O objetivo desse estudo, no entanto, diz Nicolelis, não era melhorar a tecnologia de interface cérebro-computador para os pacientes, mas sim explorar novas fronteiras. “Nós observamos o surgimento de propriedades fisiológicas que não pudemos prever antes de realizar o estudo”, diz ele, chamando atenção para o que ele apresenta como a colaboração entre os cérebros de dois animais.

No experimento, Nicolelis e sua equipe treinaram um rato para escolher entre pressionar uma alavanca do lado direito e outra do lado esquerdo dependendo de qual de dois LEDs se iluminava. Se o rato pressionasse a alavanca correta, recebia um gole de água como gratificação. Os pesquisadores registraram a atividade elétrica do córtex motor do rato, a região do cérebro que controla os movimentos, e traduziram a atividade envolvida no acionamento da alavanca do lado direito em grande número de pulsos, e o acionamento da alavanca do lado esquerdo em um pequeno número de pulsos. Esses pulsos eram então enviados até um implante colocado no cérebro de outro rato, numa câmara separada, que tinha sido treinado para responder a padrões de pulso de forma semelhante – um maior número de pulsos significava que ele devia pressionar a alavanca do lado direito.

Sem receber nenhuma orientação dos LEDs presentes em sua gaiola, o segundo rato conseguiu escolher a alavanca correta 64 por cento do tempo, momento em que ambos os ratos recebiam a água como recompensa (o rato que enviava as informações era recompensado com uma quantidade duas vezes maior do que a dada ao rato que apenas recebia as informações). Quando o segundo rato não compreendia a informação, o primeiro rato percebia, diz Nicolelis, pois ele não recebia uma segunda recompensa. Assim, no próximo experimento, o primeiro rato respondia mais rapidamente à orientação do LED e produzia uma maior quantidade de tarefas relacionadas à queima de neurônios em relação ao ruído de fundo do cérebro, diz ele, o que fez o segundo rato se tornar mais propenso a escolher a alavanca correta. Isso é o que Nicolelis chama de colaboração.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: