“Foro de São Paulo escolhe Venezuela para falar de democracia. É piada!” Por Alexandre Garcia

Por Alexandre Garcia (foto)

Enquanto o presidente Bolsonaro voava para Manaus começava em Caracas mais uma reunião anual do Foro de São Paulo. Eu imagino que esse Foro seja algo supranacional para defender regimes de esquerda, socialistas, marxistas, leninistas, essas coisas.

O encontro é na Venezuela, justamente no local que é a prova de que esse sistema não dá certo. Na semana passada mais 130 soldados do Exército brasileiro, do Rio Grande do Sul, foram para Roraima para reforçar a Operação Acolhida porque cada vez mais refugiados da Venezuela estão fugindo da sua pátria-mãe para procurar abrigo no Brasil e principalmente na Colômbia.

A Amazônia é nossa

O avião de Bolsonaro estava sendo escoltado por caças F5 da Força Aérea Brasileira, quando ele percebeu e gravou uma mensagem dizendo “A Amazônia é nossa”. Eu lembro de Plácido de Castro dizendo isso aos bolivianos quando estava no Acre.

Bolsonaro reafirmou isso, o que já havia mencionado a jornalistas estrangeiros que querem dar palpite sobre a Amazônia, esquecendo-se não só de que eles destruíram as florestas nativas dos países deles, mas também de que a Amazônia é do Brasil. A Amazônia brasileira é dos brasileiros. A Amazônia peruana é dos peruanos. Isso é bom a gente repetir.

É caso de Lei de Segurança Nacional

Enquanto isso, tem gente ouvindo e vendo as nossas mensagens telefônicas. Dizem que esses hackers que estão presos invadiram mil telefones. Inclusive o dos presidentes do Superior Tribunal de Justiça, da Câmara, do Senado e da República.

Isso se enquadra na Lei de Segurança Nacional. Dê uma lidinha na Lei de Segurança Nacional no artigo 13 para entender essa história de fornecer dados sigilosos e que são de interesse nacional para organização estrangeira, que é o caso do The Intercept.

A polícia achou na maleta de um deles R$ 100 mil em notas novinhas de R$ 50 e R$ 100. Na conta de outro dos suspeitos foi encontrada movimentações bancárias de mais de R$ 600 mil. Ele não tem salário para isso. Alguém está pagando.

Isso não é só formação de quadrilha, é conspiração que não deu certo. Caiu por terra. Deixando de cara no chão aqueles que se aproveitaram do produto do crime e divulgaram o produto do crime em busca de audiência.

O argumento deles é de que os diálogos eram de fonte confiável. Esse quatro que foram condenados – e alguns até presos –  por roubo, falsidade ideológica e estelionato? Tudo boa gente.

Essa foi uma conspiração que não deu certo e que deixou mal, inclusive, os senadores que estão querendo fazer a CPI de Sergio Moro.

Geração de emprego

Nos últimos cinco anos nunca houve abertura de tantas vagas de emprego como no primeiro semestre do atual governo. O saldo entre demissões e admissões foi de 408 mil vagas. Nos últimos cinco anos nunca houve um desempenho assim.

O mais interessante é que quem mais criou vaga foi a área de serviços e em segundo lugar foi a agropecuária. A indústria também está admitindo gente. Quem não criou vaga foi o comércio.

A má notícia é que a dívida pública continua a crescer. Por isso estão brigando pela reforma da Previdência, porque enquanto há déficit nas contas públicas o governo é obrigado a emitir papéis ou acumular juros desses papéis. A nossa dívida pública está perto de R$ 4 trilhões.

Gazeta do Povo

Deixe uma resposta