Recuperação do comércio e da receita de impostos depende do nível de emprego

Resultado de imagem para consumo charges

Charge do Allan Sieber (Arquivo Google)

Pedro do Coutto

Finalmente surge uma voz do IBGE para colocar a verdade no mercado brasileiro. A voz é de Isabela Nunes, gerente da Pesquisa Mensal sobre o comércio, que iluminou a verdadeira base do consumo condicionado pelo nível de emprego. No caso brasileiro pode-se acrescentar a correlação a partir da queda do desemprego que ainda não se verificou. Desemprego alto significa, consequentemente, renda baixa e receita tributária que perde para a taxa de inflação.

Em reportagem de Tais Carrança e Bruno Villas Bôas, no jornal Valor, a especialista Isabela Nunes focalizou a essência do problema. Revelou que as vendas no comércio cresceram 0,4% em fevereiro, lembrando que no mês de janeiro registrou-se um recuo de 0,8%. Também importante, ela frisou, foi a retração da produção industrial na mesma percentagem dos resultados do bimestre.

FALTA COMPARAR – Na minha opinião, seria fundamental a comparação entre os índices de janeiro e fevereiro de 2018 com os de janeiro e fevereiro de 2019. Isso porque é preciso considerar os seguintes aspectos. Primeiro ponto, como ficou a produção física dos produtos?; segundo ponto, confrontar os preços desses dois períodos; terceiro ponto, comparar o  se o avanço decorreu dos preços ou a disposição de compra. Isso porque tem que se considerar a taxa inflacionária nos períodos cotejados.

A inflação de 2018 foi de 4%. Assim se o volume de vendas alcançou 0,4% fica nítido que o desembolso com a aquisição dos produtos recuou e não avançou como se constata. Ao contrário, a movimentação comercial não acompanhou o índice inflacionário e esta situação refletiu-se na cobrança dos impostos, principalmente do ICMS, que é estadual mas que representa a fonte explicativa do nível de consumo. O nível de consumo, como se sabe, depende diretamente da capacidade de compra da população brasileira de modo geral.

O mesmo sistema deve ser aplicado também em comparação a Previdência Social. O INSS arrecada sobre a folha de salário. Então desemprego alto arrecadação baixa.

INFLAÇÃO –  Matéria de Gabriel Vasconcelos, também na edição de ontem do Valor, analisa um estudo do IPEA voltado para medir tanto a inflação geral quanto o índice inflacionário por classes sociais. Diz que no primeiro bimestre do ano a inflação atingiu de forma mais forte os salários de renda mais elevada.

A afirmação, para mim parece impressionista. Além disso, deve-se lavar em conta que as pesquisas do IBGE baseiam-se nos preços mínimos e não nos preços médios. Desse jeito, desfoca-se o plano mais sensível da pesquisa.

Deixe uma resposta