Ex-ministro do PT faz campanha internacional contra o Brasil e futuro ministro reage

Ex-ministro do PT faz campanha internacional contra o Brasil e futuro ministro reageBajulador de governos, inclusive militares, Amorim agora mente contra o Brasil

Celso Amorim em entrevista à TV CNN

Em atitude contrária às funções que já exerceu em defesa de seu país nos governos petistas, o ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa, Celso Amorim, resolveu fazer propaganda internacional contra o Brasil, esculhambando a nação em entrevista à rede de TV americana CNN. O futuro ministro da Defesa escolhido pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), general Augusto Heleno Pereira, reagiu acusando Amorim de ser o primeiro ex-chanceler a reunir diplomatas em campanha, no exterior, contra seu próprio país, “mentindo sobre a prisão do Lula, em atitude impatriótica, vergonhosa e injustificável”.

Celso Amorim demonstrou que ignora a democracia brasileira e desrespeita a vontade da maioria da população, ao sugerir nas entrelinhas a necessidade de intervenção internacional no País, sob a justificativa de que está preocupado com a possibilidade de o Brasil estar próximo de um novo regime autoritário, a partir de sua interpretação das ideias e projetos do presidente da República eleito, Jair Bolsonaro.

“[Celso Amorim] fez barbaridades para colocar o Brasil no Conselho de Segurança da ONU, como membro permanente, com direito a veto. Não deu certo. Conseguiu, no entanto, acesso à História, pela porta dos fundos. É o primeiro ex-chanceler a usar vários diplomatas a ele ligados, em uma campanha, no exterior, contra seu próprio país, mentindo sobre a prisão do Lula [condenado por corrupção e lavagem de dinheiro]. Atitude impatriótica, vergonhosa e injustificável”, escreveu no fim da noite de ontem (2) o general Heleno, no Facebook.

Diplomatas estão indignados com as declarações de Celso Amorim, e um dos embaixadores brasileiros sugere que alguém vá à CNN rebater as declarações com a verdade sobre as “canalhices do PT”. Principalmente porque o ex-ministro aproveita a citação de Lula da repórter Christiane Amanpour, da CNN, para apontar “contradição” na prisão de Lula, afirmando serem “frágeis” as acusações.

Outras notícias
Justiça manda Haddad apagar vídeo em que acusa Edir Macedo de ‘fome de dinheiro’
Bolsonaro diz que fará diferente de antecessores, para resgatar confiança no Brasil
Malan diz que é erro achar que há ‘salvador da pátria’ contra problemas do Brasil
Na entrevista, Celso Amorim não citou o atentado à faca sofrido pelo presidente eleito durante a campanha, nem relembrou à entrevistadora de seu serviço prestado à ditadura militar como diretor-geral da Embrafilme, entre 1979 e 1982. Mas disse se preocupar com direitos humanos e liberdade de expressão, antes de denunciar “negligência ao meio ambiente, indígenas, afrodescendentes e homossexuais”, antes mesmo de Bolsonaro assumir.

“Nunca tivemos algo semelhante no Brasil. Nem mesmo na ditadura militar, na qual a tortura era praticada mas não elogiada e nem admitida publicamente. Bolsonaro não só a admite como diz que, além de torturar, a ditadura militar deveria ter matado mais pessoas”, disse Amorim.

Além disso, o ex-ministro de Lula e Dilma Rousseff profetiza que a proposta de alterar a política de desarmamento do novo governo pode provocar tiroteio em massa no Brasil, como os que ocorrem nos Estados Unidos.

“Não sabemos o que vai acontecer. Ele [Bolsonaro] tem pregado a violência, insiste em distribuir armas. Vamos ter algo similar ao que acontece nos Estados Unidos, que é algo que nunca tivemos. Temos outro tipo de violência, mas não do tipo de tiroteio em massa, o que podemos vir a ter. Mas não sabemos ainda; é cedo demais. Se formos basear a nossa opinião no que ele disse na campanha e em toda a sua vida, temos muitos motivos para nos preocupar”, disse o ex-ministro.

Celso Amorim mora no mais caro endereço do Rio de Janeiro: o Edifício Chopin, vizinho ao hotel Copacabana Palace. E tem como vizinhos milionários, com acesso à piscina e demais dependências do hotel mais requintado da antiga capital do Brasil.

Fonte: Diario do Poder

Deixe uma resposta