Grupo Penguin compra 45% da Companhia das Letras

Anúncio foi feito na manhã de segunda pelo presidente da editora brasileira

Coletiva da editora Companhia das Letras com a presença do presidente da Penguin, John Makinson, na foto ao lado de Luiz Schwarcz / Michel Filho Foto: Michel Filho / Agência O Globo
Coletiva da editora Companhia das Letras com a presença do presidente da Penguin, John Makinson, na foto ao lado de Luiz Schwarcz / Michel Filho Foto: Michel Filho / Agência O Globo

Por Gilberto Scofield

– Com o negócio, temos uma excelente oportunidade para crescer ainda mais no Brasil, o único país dos BRICS onde não tínhamos operações – disse John Makinson, presidente do grupo Penguin e responsável pelas operações internacionais da editora.

– Esta associação com o maior e melhor grupo editorial do mundo não mudará no dia-a-dia da Companhia das Letras em termos de decisões editoriais, mas a parceria nos ajuda em duas áreas que entendemos como estratégicas para o futuro da editora: a área educacional e a conversão para o mundo digital – diz Schwarcz.

Hoje, as vendas de livros digitais representam uma fatia pequena no faturamento da editora, ainda que o formato esteja em pleno crescimento. Segundo Matinas Suzuki, executivo da Companhia, as vendas de “As esganadas”, novo livro de Jô Soares e segundo livro mais vendido pela editora, chegaram a 4% em formato digital, quando a média histórica é algo como 1%. Mas as vendas do atual best-seller da empresa, a biografia de Steve Jobs, alcançam 40% em formato digital.

– Entendemos que a Companhia das Letras alcançou o seu objetivo de ser uma editora brasileira de qualidade em todos os sentidos ao completar seus 25 anos. – diz Fernando Moreira Sallles, sócio da editora. – Mas nós vislumbramos grandes oportunidades de crescimento tanto na área de educação quanto na área digital que ganham um enorme reforço com a entrada da Penguin.

O grupo Penguin USA, o braço da empresa nos EUA, é hoje considerada a maior e mais ativa editora de livros no formato digital do mundo, equanto a Pearson é o maior conglomerado editorial especializado em livros educacionais do planeta.

As conversas para a compra da Companhia das Letras pela Penguin começaram ano passado por iniciativa do próprio John Makinson, contou Schwarcz. As duas empresas havia formalizado uma associação em setembro de 2009 e, em 2010,  as editoras anunciaram uma parceria para o lançamento dos livros da Penguin no Brasil, além de clássicos da literatura brasileira adaptados ao modelo da multinacional de origem inglesa.

Deixe uma resposta