Um passeio pelo Vale do Silício

Imagem relacionada
Resultado de imagem para cora ronai    Por Cora Rónai

Hoje escrevo de Palo Alto, uma pequena cidade a cerca de meia hora de São Francisco, na Califórnia. Cheguei no domingo à tarde, fiz check-in no hotel e abri o Google Maps para me localizar. Já estive algumas vezes aqui, mas há bastante tempo, nos áureos tempos da primeira bolha da tecnologia, nos anos 90, quando o Vale do Silício fervia; era uma cidade pequena, sossegada e bonitinha, com casinhas de classe média simpáticas que me despertavam uma vaga nostalgia de gramados e quintais.

Palo Alto continua pequena, continua sossegada e continua bonitinha; mas hoje é um ninho de milionários. A classe média mora longe daqui. As casinhas continuam mais ou menos as mesmas, mas seu preço médio disparou e está em torno de US$ 2,5 milhões. Com menos de quatro ou cinco milhões não se compra uma com tamanho razoável para uma família e mais de um banheiro. O custo de vida é estratosférico.

A cidade é uma das mais importantes do Vale e dezenas de empresas de tecnologia nasceram aqui, entre elas Google, Facebook, o próprio Waze, Pinterest, Tesla, Skype, PayPal, Logitech. Há centenas de empresinhas menores e de start-ups na área. É possível que agora mesmo, enquanto escrevo, alguém esteja tendo uma ideia brilhante que vai mudar o mundo.

A cinco quarteirões do hotel, seguindo pela Emerson, chega-se a uma rua chamada Addison; virando à esquerda e andando mais dois quarteirões, encontra-se o número 367. É uma área residencial bem arborizada, com lindos jardins e, nessa época do ano, muitas folhas secas no chão.

Aparentemente, o número 367 não tem nada demais. É uma casa parecida com todas as outras da rua; o terreno é pequeno, e ela ocupa quase toda a sua largura. É de madeira, tem colunas verdes e janelas envidraçadas, uma sebe florida. Não há nada que chame a atenção na sua construção – mas, em frente, uma placa alerta aos passantes (que não são muitos) que ali nasceu o Vale do Silício.

Foi na garagem dessa casa, um singelo galpão de madeira, pequeno pelos padrões atuais, que os jovens William Hewlett e David Packard, recém-saídos da vizinha Universidade de Stanford, começaram a trabalhar num equipamento de áudio. Eles formalizaram a parceria em 1939, jogando uma moeda no ar para saber se a companhia que estavam fundando se chamaria Hewlett-Packard ou Packard-Hewlett. Alguns anos depois, a HP entrou no ramo dos semicondutores, e o resto, como dizem por aí, é história.

O termo “Vale do Silício” foi usado pela primeira vez em 1971. A expressão vai além de uma simples definição geográfica, e hoje é praticamente sinônimo da poderosa indústria de tecnologia dos Estados Unidos.

É impossível andar pelas ruas de Palo Alto sem pensar em toda a revolução que brotou a partir dessa região. Também é impossível para mim não pensar em como o Brasil está distante do front da tecnologia, e em como essa distância tende a aumentar num país que dá tão pouco valor ao ensino.

Deveríamos estar todos na rua brigando, não por candidatos, mas por uma política de educação real, que resgate o nosso futuro.

O Globo

Deixe uma resposta