Deixe um comentário

Brasil fica estagnado em ranking de liberdade de imprensa: 103ª posição

País melhorou apenas uma colocação de 2016 para 2017

Está inerte há 6 anos, afirma Repórteres sem Fronteiras

Mapa de liberdade de imprensa elaborado pela ONG

O Brasil é o 103º país no ranking de liberdade de imprensa da ONG Repórteres Sem Fronteiras. O resultado anunciado nesta 4ª feira (26.abr.2017) é praticamente o mesmo de 2016: no ano passado, o país ocupava a 104ª colocação e tinha pontuação 0,96 ponto melhor.

Leia quais são os melhores colocados, os posicionados próximos ao Brasil e aqueles que ocupam os últimos postos. Ao lado, estão as notas de cada país. Quanto mais baixa, melhor.

1 – Noruega (7,60)

2 – Suécia (8,27)

3 – Finlândia (8,92)

4 – Dinamarca (10,36)

5 – Países Baixos (11,28)

100 – Nepal (33,02)

101 – Guiné (33,15)

102 – Ucrânia (33,19)

103 – Brasil (33,58)

104 – Kuwait (33,61)

105 – Equador (33,64)

176 – China (77,66)

177 – Síria (81,49)

178 – Turcomenistão (84,19)

179 – Eritreia (84,24)

180 – Coreia do Norte (84,98)

“Pelo sexto ano consecutivo, o Brasil permanece estagnado na parte inferior do Ranking da RSF, uma classificação que não é digna da maior democracia do continente sul americano”, afirmou a ONG.

A organização dá destaque a casos de agressões a jornalistas na cobertura de manifestações de rua e à instabilidade política do país, “ilustrada pela deposição da ex-presidente Dilma Rousseff”. Em 2016, foram 72 casos de agressão, sendo a maioria perpetrada por policiais, de acordo com a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo).

Foram registradas 3 assassinatos de jornalistas motivados pela atividade profissional da vítima no ano passado. Em 5 anos, foram 21 comunicadores mortos nessas condições. “O país segue sem um mecanismo de proteção voltado para os comunicadores em situação de risco”, afirma a Repórteres Sem Fronteiras. Entre os latino-americanos, apenas o México registrou resultado pior –10 assassinatos só em 2016.

Além da violência, a má colocação também “reflete a existência de um conjunto mais amplo de problemas, que vão da recorrência de ações judiciais abusivas à deficiência no acesso à informação, passando por um cenário midiático pouco democrático, todos fatores que entravam o pleno exercício da liberdade de imprensa no país.” A afirmação é do diretor regional da ONG para a América Latina, Emmanuel Colombié.

A Repórteres Sem Fronteiras também cita como pontos negativos a exoneração do ex-presidente da EBC (Empresa Brasil de Comunicação) Ricardo Melo e da dissolução do conselho curador da organização. Por fim, afirma faltar uma regulamentação clara contra monopólios e oligopólios de mídia. De acordo com a ONG, isso afeta o pluralismo e causa conflitos de interesse.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: