Deixe um comentário

Ainda quer: Aécio não desistiu. Voltará em 2018

Da Folha de S.Paulo – Daniela Lima

 O senador Aécio Neves (PSDB-MG) termina o ano em que disputou a Presidência da República com um patrimônio de 51 milhões de votos e o desafio de se manter como principal opção de seu partido para a próxima corrida ao Planalto, em 2018.

Não será tarefa fácil, especialmente num cenário em que, desde já, outros tucanos despontam como potenciais “presidenciáveis” na sigla.

A votação que o mineiro obteve –o melhor desempenho da oposição ao PT desde 2002 — não impediu que, já no dia de sua derrota, colegas de partido e analistas políticos listassem o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, como potencial adversário interno de Aécio e forte candidato a representar o PSDB em 2018.

Alckmin foi reeleito em São Paulo no primeiro turno, com 57% dos votos, garantindo aos tucanos o poder no Estado por 24 anos consecutivos. A expressiva votação e o peso que integrantes da ala paulista têm no partido fizeram do governador um concorrente óbvio à Presidência. Ele trata o assunto com cautela.

Alckmin concorreu ao Planalto em 2006, contra o ex-presidente Lula. Desde então, dedicou-se a remontar suas forças em São Paulo. Tentou se eleger prefeito da capital em 2008 e perdeu. Voltou em 2010 elegendo-se governador no primeiro turno.

Seus aliados dizem que tudo o que o governador não precisa neste momento é colocar “todos os holofotes em São Paulo”, o que ampliaria acertos, mas também possíveis erros da administração.

O cuidado do paulista abre, portanto, espaço para que Aécio tenha, ao menos pelos próximos dois anos, condições de se manter competitivo dentro da sigla. Ainda assim, o mineiro terá que vencer muitos obstáculos, admitem seus principais estrategistas e aliados.

O primeiro deles será permanecer com o comando nacional do PSDB — a nova diretoria será escolhida no ano que vem. Aécio preside a sigla desde 2013 e não deverá enfrentar oposição de São Paulo para ficar no posto. “Poderia parecer retaliação pela derrota da eleição”, observa um aliado de Alckmin.

ESTRATÉGIA

A permanência na chefia da legenda é vital para o senador dar outros passos. O primeiro: manter uma agenda intensa de viagens pelo país, especialmente no Nordeste, onde o PSDB teve seu pior desempenho na eleição.

A ideia é que Aécio possa manter viva a militância que o apoiou nesses locais e tenha tempo para divulgar suas propostas e se tornar mais conhecido na região.

Em outro lance vital, a presidência da sigla também dará ao mineiro a possibilidade de intervir diretamente na escolha das alianças e candidaturas para as próximas eleições municipais, em 2016.

A prioridade, neste caso, é retomar o controle de regiões importantes de Minas Gerais, o berço eleitoral de Aécio. Governador por duas vezes e senador eleito pelo Estado, ele perdeu a preferência dos mineiros para a presidente Dilma Rousseff nos dois turnos.Aliados defendem que Aécio lance mão de “pesos-pesados” do partido para conquistar cidades importantes.

Eleito senador este ano, Antonio Anastasia, braço direito do tucano em Minas, é apontado como melhor opção para a Prefeitura de Belo Horizonte. O deputado Marcus Pestana (PSDB-MG) seria o nome para Juiz de Fora.

Por fim, os tucanos dizem que Aécio terá ainda que atuar com maior protagonismo no Congresso. Seus primeiros anos no Senado foram marcados por uma atuação “tímida” nos ataques ao governo, só intensificados com a proximidade da eleição.

O desafio de atuar de maneira incisiva ocorrerá no momento em que a bancada do PSDB no Senado ganha nomes de peso. José Serra (SP), que travou por anos disputa interna com Aécio, assumirá sua cadeira no ano que vem.

Há ainda Álvaro Dias (PR), que se reelegeu com a maior votação que um senador teve no país. “O PSDB precisa parar de analisar seus quadros apenas entre São Paulo e Minas”, disse Dias. Soou como um recado claro para Aécio.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: