Bolsonaro disputa ‘paternidade’ de investimento bilionário e Doria diz que ele deveria ‘tuitar menos

Novo atrito entre os potenciais adversários na disputa de 2022

Matheus Lara
Estadão

O presidente Jair Bolsonaro demonstrou insatisfação com o fato de não ter sido citado nas notícias de um investimento de R$ 1 bilhão da montadora Toyota em sua fábrica de Sorocaba, em São Paulo, anunciado nesta quinta-feira, dia 19. O governador do Estado, João Doria, está no Japão, onde acompanhou o anúncio e, em resposta ao presidente, nesta sexta-feira, disse que Bolsonaro confunde projetos e sugeriu ao presidente trabalhar mais e tuitar menos.

“Recomendo que o presidente trabalhe mais e tuíte menos”, disse Doria, como mostrou o site ‘BR Político’. “Não quero entrar dentro da polêmica e nem estimular a polêmica. O que fazemos é trabalhar. É o que temos feito”, disse. É mais um capítulo dos atritos públicos entre os virtuais candidatos ao Planalto em 2022.

RECLAMAÇÃO – Em live na quinta, Bolsonaro reclamou do anúncio sobre o investimento japonês. “Para variar, a notícia não tem meu nome”. Depois, foi ao Facebook dizer que a decisão da Toyota foi “graças ao programa de valorização dos biocombustíveis do governo federal, o Renovabio”. “Em São Paulo serão produzidos os veículos híbrido-flex (etanol/eletricidade)”, completou.

Doria disse que Bolsonaro confunde os projetos e afirma que o investimento de R$1 bilhão não teve nenhuma participação de Bolsonaro e sua equipe de ministros. “Continuo respeitando o presidente e entendendo que não é hora de eleição nem de confusão. É hora de união e de trazer bons resultados para o Brasil. Foi o que fizemos ao vir para o Japão dando sequência ao entendimento iniciado em abril com a Toyota para o anúncio de um novo investimento e um novo veículo, que nada tem a ver com o lançamento do Corolla híbrido-flex a que se referiu o presidente e que já foi lançado no Brasil”, afirmou.

OUTRA GESTÃO – O programa citado por Bolsonaro, Renovabio, foi lançado em 2018 ainda no governo de Michel Temer. De acordo com o governador de São Paulo, o lançamento do híbrido-flex teve participação do governo federal através do programa, mas a medida anunciada na quinta, não.

“Ele misturou os canais. O canal utilizado para lançar o híbrido-flex de fato teve participação do governo federal, mas estamos falando de um novo investimento. É uma decisão estratégica da Toyota feito com o governo de São Paulo, nenhum envolvimento do governo federal. No anúncio feito pelo governo de São Paulo, na quinta, o modelo híbrido do Corolla é citado em referência a uma visita do presidente da Toyota no Brasil, Rafael Chang, em abril ao Palácio dos Bandeirantes.

“Em abril, Rafael Chang, presidente da Toyota no Brasil, visitou o Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, e afirmou que a companhia investirá R$ 1,6 bilhão na planta de Indaiatuba, para a fabricação a versão híbrida do Corolla, com motor elétrico e tecnologia flexfuel, considerado o mais limpo do mundo”, diz o informe.

Atos organizados pela UNE, CUT e PT contra Bolsonaro tiveram baixa frequência  

Milhares de pessoas marcham em Nova York, Estados Unidos, em greve global pelo clima nesta sexta (20). â?? Foto: @SHINEYVEGNYC via REUTERS

Milhares de pessoas se manifestaram em Nova York

Deu na Folha

A greve global pelo clima – que ocorreu nesta sexta-feira (20) em 150 países, no Brasil foi transformada em protesto organizado por centrais sindicais e movimento estudantil contra a política educacional do governo Jair Bolsonaro (PSL) e cortes na área reuniu milhares de pessoas em diversas cidades do país, no fim da tarde desta terça-feira (13),. Houve manifestações em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre e Recife, entre outras cidades.

Segundo a União Nacional dos Estudantes (UNE), houve atos em 204 cidades, em praças, campus universitários e nas ruas. A entidade estima que os protestos tenham reunido cerca de 900 mil pessoas pelo país. No protesto do dia 15 de maio, a UNE havia identificado atos em cerca de 220 cidades.

FUTURE-SE – As manifestações foram marcadas por críticas ao programa Future-se, que estimula captação de verba privada por universidades federais. Em ato em São Paulo, uma faixa dizia: “Exterminador do futuro ou enganador do Future-se”. Esta é a terceira onda de atos contra a política de educação de Bolsonaro a tomar várias cidades.

Em São Paulo, o ato, um tanto esvaziado numa tarde fria e chuvosa, foi contrário também à reforma da Previdência e outras bandeiras governistas. A manifestação não poupou o presidente de xingamentos como “idiota”. Políticos de oposição o acusaram de tentativa de “implantar uma ditadura” no Brasil.

Com os tradicionais balões das centrais sindicais, incluindo um com presidente com uma faixa laranja (referência ao suposto esquema de candidaturas laranjas do partido de Bolsonaro) no peito, a manifestação ocupava cerca de dois quarteirões da avenida Paulista por volta das 17h30.

ESTUDANTES – O protesto ganhou mais corpo com a chegada de estudantes secundaristas no início da noite. No entanto, o público não chegou perto de grandes protestos contra cortes do governo nas universidades, como ocorrido em maio deste ano.

Os manifestantes desceram pela rua da Consolação rumo à praça da República, onde o ato se encerrou sem incidentes por volta das 20h20.

O ex-ministro do Trabalho Luiz Marinho (PT), no alto do carro de som, chegou a dizer que “inventaram até uma facada para colocar ele no Palácio do Planalto”. “Estamos enfrentando não simplesmente um governo que pensa diferente de nós, mas um governo que quer implantar uma ditadura”, afirmou.

DESMONTE – A deputada estadual Beth Sahão, também do PT, definiu os cortes como “um desmonte”. “As políticas educacionais e públicas neste país estão desidratando”.

Presidente da Apeoesp (sindicato dos professores da rede estadual), a deputada estadual Professora Bebel (PT) falou que “Bolsonaro não tem condições de ser presidente do Brasil”. “O nosso presidente seria o Lula, mas o golpe, através das fake news, colocou no poder esse idiota que não pensa no que fala.”

CUT (Central Única dos Trabalhadores) e sindicatos filiados e ela estiveram na manifestação em apoio a estudantes e professores. Também se posicionaram contra a reforma da Previdência.

PREVIDÊNCIA – Segundo Sérgio Nobre, secretário geral da CUT, as mudanças nas aposentadorias são danosas aos trabalhadores. “O país está sendo desmontado. A manifestação de hoje é também contra a Previdência, que impede que trabalhadores se aposentem”, disse ele.

Para o CTB (Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), há uma expectativa que o Senado faça mudanças na proposta da reforma, enviada pela Câmara dos Deputados na última quinta-feira (8). “Vamos continuar nos mobilizando para que a reforma não tire dinheiro de quem precisa. Somos a favor de uma reforma que corrija as distorções da Previdência”, afirmou Onofre Gonçalves de Jesus, dirigente nacional do CTB.

RIO DE JANEIRO – No Rio, manifestantes se reuniram em frente à Igreja da Candelária, no centro. Grupos de estudantes da rede pública entoaram gritos como “Sou estudante, não abro mão da Previdência e da educação” e “Trabalhador, tô do seu lado, nosso futuro não será privatizado”.

Os manifestantes caminharam da Candelária até o prédio da Petrobras, a cerca de 1 km, onde defenderam a valorização da estatal. Por volta das 19h, a chuva acompanhada de fortes rajadas de vento contribuiu para que o ato dispersasse.

As professoras de sociologia Maria da Conceição, 71, e Ruth Vilhena, 73, afirmam que a luta pela educação as levou ao protesto. “Quem estudou e trabalhou em escola pública vê essa destruição. Tenho esperança que o país acorde, não pode viver nesse retrocesso”, diz Ruth.

REPRESENTAÇÃO – Maria da Conceição afirma que foi ao ato para demonstrar que não concorda com o projeto (“ou com a falta de projeto”) do governo Bolsonaro. Ela diz que gostaria que existissem mais canais de participação popular, porque entende que a população não se sente inteiramente representada pelos políticos. “Em 2013 deixamos isso claro. Aliás, em 1968 já dissemos isso.”

Em Brasília, as pautas eram as mesmas: contra cortes na educação, o projeto Future-se e a reforma da Previdência.

Os organizadores da passeata estimaram a participação de 10 mil pessoas. Dentre os quais, dois mil indígenas que estão acampados na cidade. Já a PM contou 4.000 participantes.

A passeata começou por volta das 10h30. Todas as pistas do eixo monumental foram ocupadas pelos manifestantes, que seguiram em direção ao Congresso Nacional. Eles se uniram com a Marcha das Mulheres Indígenas.

NAS CAPITAIS – Houve protestos também em outras capitais do país. Em Curitiba, um grupo segurava uma faixa com a inscrição #Morocriminoso no ato pela educação em frente à UFPR (Universidade Federal do Paraná), tradicional ponto de manifestações.

O ato em Belo Horizonte teve um foco diferente dos anteriores, tendo como pauta principal o protesto contra o programa Future-se, do ministério da Educação. Uma das críticas é de que não houve debate com as universidades antes do lançamento.

Milhares de manifestantes, boa parte estudantes da UFMG e do Cefet, caminharam pela capital no fim da tarde desta terça. A Polícia Militar de Minas Gerais não divulga estimativa de público. ?Houve ainda manifestações contrárias à reforma da Previdência. Parte dos cartazes e camisetas faziam referência à campanha “Lula livre”, pedindo a liberdade do ex-presidente preso desde o ano passado, em Curitiba.

PORTO ALEGRE – Na capital gaúcha, o ato se iniciou às 18h, na Esquina Democrática, ponto tradicional de protestos desde a ditadura militar. Milhares de estudantes e sindicalistas saíram em marcha pelo centro de Porto Alegre até a faculdade de educação da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

Em uma performance artística, estudantes maquiados e segurando cartazes representavam o SUS, a educação, a reforma da Previdência e o meio ambiente. Entre eles, um “leiloeiro” questionava: “quem dá mais?”.

Em cartazes, era possível ler “Nossa arma é a educação”, uma crítica à política armamentista do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Sou estudante, não abro mão de Previdência e mais educação”, era um dos cânticos entoados pelos manifestantes.

TRIOS ELÉTRICOS – No Recife, a manifestação contra o bloqueio de verbas nas universidades federais reuniu estudantes, professores e integrantes de movimentos sociais no centro da cidade. A caminhada, com palavras de ordem contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL), teve início às 16h.

Trios elétricos participaram do protesto. Os manifestantes também criticaram a reforma da Previdência, que está em tramitação no Senado Federal. As principais vias do centro ficaram engarrafadas. A Polícia Militar não informou a quantidade de manifestantes no ato.

Com sua arte, Fernanda Montenegro interpretou, iluminou e traduziu as contradições humanas

Resultado de imagem para fernanda montenegro

Nas entrevistas, Fernanda critica Bolsonaro e a reeleição

Pedro do Coutto

A grande atriz Fernanda Montenegro, com suas inúmeras personagens em 70 anos de teatro, cinema e televisão, interpretou, iluminou e traduziu não apenas os personagens, mas também as quatro contradições humanas, a meu ver: existência e eternidade; matéria e espírito; capital e trabalho; um sinal de mais contra um sinal de menos.

São sete décadas de arte e 90 anos de idade, mantendo a cabeça jovem, superando descontentamentos e, a cada dia, renovando a verde esperança que impulsiona sua mente e seu coração.

DESTAQUE TOTAL – Os quatro grandes jornais do país destacaram sua vida e suas marcantes atuações vivendo e abrindo sua própria personalidade, dando voz as personagens nos palcos do tempo.

Me chamou atenção o texto de Danilo Thomaz, edição do Valor de sexta-feira. Representou um reencontro da atriz que também atuou com sua própria realidade combatendo nos limites do possível a ditadura político-militar que dominou o país durante 21 longos anos.

Creio que se possa aplicar a Fernanda Montenegro a frase clássica do Belo Brumel ao Lorde Byron: “Uma das melhores coisas da vida, Byron, é sua presença nela”.

FACES E EMOÇÕES – Estendo a ela a imagem plena do reconhecimento da atriz cuja trajetória está plena de faces e emoções. Tenho a impressão que viajava com as personagens, dando-lhes voz e vida. Ela e suas personagens formam um belo elenco. No final das peças e filmes e também das novelas da televisão, ela resguardou no museu de sua alma, mas nunca deixou de ser a si mesma.

A emoção na sua figura humana me vem à lembrança quando recentemente dirigiu no “Fantástico” uma série de peças de Nelson Rodrigues, seu amigo, e que era mais um gênio que travou no teatro e na literatura uma luta contra contestações  de parte dos que se julgando moralistas, tentaram se opor as suas obras.

ARTE E VIDA – Não se pode separar arte da vida. Ninguém escreveu nada que não tenha acontecido. O jogo das situações e formas são outra coisa. Mas esta é outra questão. Fernanda Montenegro continua firme no palco do tempo. Pensamento jovem mantém sua presença nas peças, nos filmes e na televisão. Seu coração, esse órgão propulsor, como no verso de Noel Rosa, dá as mãos ao seu pensamento, incorporando as personagens à sua história.

Mas falei nas contradições humanas: existência e realidade que buscam saída na religião; matéria e espírito que nos unem a Deus, entretanto os apelos a Deus não são dirigidos ao universo divino, mas sim à superação de problemas humanos, e Deus deve receber mais de um bilhão de pedido a cada dia; Capital e trabalho que não conseguem traçar uma linha de integração social. No caso brasileiro, a corrupção.

Finalmente algo que pode sintetizar tudo. Um sinal de mais contra um sinal de menos, inclusive na arte que tem em Fernanda Montenegro uma de suas grandes e eternas intérpretes.

PF descobre milhões de reais em contas ligadas a hacker, diz revista

A investigação aponta que pessoas próximas a ‘Chiclete’, preso nesta sexta-feira (20) na segunda fase da Operação Spoofing, movimentou cerca de R$ 3 milhões

Operação Spoofing identifica movimentações de 3 milhões de reais em contas de pessoas próximas a “Chiclete”

A Polícia Federal descobriu, após a quebra de sigilo bancário do programador Thiago Eliezer Santos, conhecido como Chiclete, que pessoas próximas a ele movimentaram cerca de R$ 3 milhões. É o que revela reportagem publicada nesta sexta-feira (20) pela revista Crusoé.

De acordo com as investigações, Chiclete seria o mentor de Walter Delgati Netto, o Vermelho, preso na primeira fase da Operação Spoofing, deflagrada para a investigação dos hackers que teriam invadido celulares de autoridades.

Chiclete foi preso na segunda fase da operação nesta quinta-feira (19) e prestou depoimento por cerca de três horas. Além de Chiclete, a PF também prendeu temporariamente o estudante de direito Luiz Molição, que, segundo os investigadores, é suspeito de ser o responsável por guardar parte das mensagens roubadas.

Os valores encontrados pela investigação corroboram a impressão de que amigos de Chiclete vinham tendo. Segundo eles, o padrão de vida do programador cresceu exponencialmente nos últimos meses. De acordo com a PF, Chiclete era um respeitado hacker na deepweb, onde costumam acontecer operações criminosas.

A investigação também apontou que uma das transações recentes de Chiclete, uma suposta venda de um veículo da marca Land Rover para Vermelho, seria uma forma de lavar o dinheiro que o hacker obtinha por meio de compra e venda de moedas virtuais. O carro foi apreendido nesta quinta.

A PF chegou até Molição, também preso na segunda fase da operação, após encontrarem um áudio em que ele aparece conversando com um interlocutor estrangeiro, que os investigadores suspeitam ser o jornalista Glenn Greenwald, responsável pelo site The Intercept, que começou a divulgar as mensagens  hackeadas atribuídas a autoridades, entre elas, o ministro Sergio Moro e o coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol.

VÍDEO: Ao sancionar MP da liberdade Econômica, Bolsonaro volta a gritar “IHUUUU”

Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou hoje (20), a medida provisória da Liberdade Econômica. A nova lei procura diminuir a burocracia nas atividades econômicas. Segundo o governo a ação irá facilitar a abertura e o funcionamento de empresas.

O texto sancionado por Bolsonaro teve quatro vetos. Segundo o Palácio do Planalto, um desses trechos permitiria uso de “cobaias humanas sem qualquer protocolo de proteção”, e outro “aprovação automática para licenças ambientais”.

No final do discurso Bolsonaro soltou um grito de ” IHUUUU” tirando gargalhadas da platéia; veja aos 2:04 do vídeo.

Major Olímpio:“Congresso montou sórdida estratégia para desgastar Bolsonaro

Foto: reprodução

O senador Major Olímpio (PSL-SP) voltou a criticar a atuação dos parlamentares e afirmou que “boa parte do Congresso montou uma sórdida estratégia para desgastar o presidente Jair Bolsonaro”. Ele publicou um vídeo no Twitter com o relato.

“[Eles] votam projetos absurdos e depois jogam no colo do presidente a questão de vetar ou não esses dispositivos. Se o presidente veta e fica com a população, dá motivo para o Congresso emparedá-lo. Se ele não veta, ele que fica mal com a população”, disse.

“A PRESSÃO DA POPULAÇÃO TEM QUE SER SOBRE O CONGRESSO. O BRASIL TEM QUE MUDAR!”

Em resposta a Felipe Neto, deputada distribui 10 mil livros que condenam ‘ideologia de gênero’

Em resposta a Felipe Neto, deputada distribui 10 mil livros que condenam ‘ideologia de gênero’

A deputada estadual de Pernambuco, Clarissa Tércio (PSC-PE), resolveu promover uma ação de resposta ao youtuber Felipe Neto, que distribuiu 14 mil livros com conteúdo LGBT na Bienal do Livro do Rio de Janeiro.

A parlamentar comprou 10 mil exemplares da obra “Macho Nasce Macho, Fêmea Nasce Fêmea – Desmascarando a Falácia da Ideologia de Gênero”, do filósofo Isaac Silva, e pretende distribuir os livros gratuitamente pelo estado de Pernambuco.

“Já que Felipe Neto distribuiu 10 mil exemplares com livros em que se exalta essa temática, a ideologia de gênero, o relacionamento homossexual para enganar as nossas crianças, nós também vamos fazer algo aqui em Pernambuco. Vamos distribuir 10 mil livros”, afirmou a deputada ao site Gospel Prime.

A obra, publicada em 2018, tem como objetivo refutar os discursos e debates em torno do tema da suposta ideologia, e foi resultado de cerca de cinco anos de pesquisa do autor, junto a especialistas do comportamento humano, e pretende ser um grito de alerta quanto ao perigo que a ideologia de gênero representa para a humanidade.

Felipe Neto receberá a Medalha de Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados

Felipe Neto receberá a Medalha de Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados

Felipe Neto foi indicado para receber a Medalha de Mérito Legislativo da Câmara dos Deputados por sua ação na Bienal do Livro do Rio no início deste mês. Após o prefeito Marcelo Crivella entender que um stand de gibis estava violando as regras dispostas no Estatuto da Criança e do Adolescente por estar comercializado um produtos com conteúdo impróprio fora de uma embalagem lacrada, Felipe Neto resolveu afrontar a legislação e comprou 14 mil livros com temática LGBT para distribuir às milhares de crianças e adolescentes que compareceram na Bienal.

De acordo com o deputado federal Mário Heringer (PDT-MG), autor da indicação, a atitude afrontosa de Felipe Neto foi uma “ação de coragem e posição de liderança num cenário conturbado e marcado por tentativa de calar a diversidade com base em censura deve ser reconhecida e aplaudida”.

Conheça a indígena que irá à Assembleia Geral da ONU

Ysani Kalapalo foi convidada pelo próprio governo Bolsonaro

Ysani Kalapalo é youtuber e fala sobre vida dos indígenas do Xingu Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro embarca para os Estados Unidos nesta segunda-feira (23), junto com sua esposa, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, e comitiva.

Eles irão para Nova Iorque para a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Junto com a comitiva está a indígena Ysani Kalapalo, convidada pelo próprio presidente para participar do evento.

Ysani é youtuber e influenciadora digital. Ela faz vídeos sobre a vida em sua aldeia no Xingu e costuma comentar os rumos da política. Ysani é apoiadora do governo atual, de direita, e crítica da grande mídia.

A indígena afirmou, inclusive, que as queimadas na Amazônia não tem a ver com decisões de Bolsonaro e configuravam fake news para prejudicar o governo.

Ela sentará ao lado dos ministros Ricardo Salles, do Meio Ambiente, e Ernesto Araújo, de Relações Exteriores, durante o discurso do presidente.

PALESTRA VAI QUESTIONAR CONCEITOS HISTÓRICOS TRADICIONAIS

O historiador e acadêmico José Nivaldo Junior é o conferencista do 420o Seminário de Tropicologia, o mais importante fórum de debates sobre os problemas regionais, fundado por GIlberto Freyre em 1967.

A sessão acontece nesta terça-feira, 24 de setembro, no Campus Casa Forte da Fundação Joaquim Nabuco.

O tema da palestra é instigante:”O berço do açúcar. A montagem em Pernambuco do mais avançado núcleo produtivo do mundo no século XVI.”

Resultado de imagem para o berço da cana de açucar

Segundo antecipou ao blog com exclusividade o palestrante pretende questionar alguns conceitos consagrados na historiografia tradicional e desafiar o que identifica como preconceitos remanescentes que ainda encontram eco nas escolas e em grande parte da sociedade.

“Pretendo demonstrar, sem margem para nenhuma dúvida, que no século XVI os portugueses eram o povo mais preparado para comandar a colonização tropical. Nenhum outro povo tinha nada a acrescentar dos pontos de vista da técnica, do modelo e da organização social”, disse como aperitivo dos temas polêmicos que pretende abordar.

O acesso é franqueado ao público, notadamente a professores e estudantes, aos quais serão conferidas declarações de presença.

A palestra, prevista para começar logo após as 14h30 será transmitida ao vivo através do Facebook do palestrante.

Resultado de imagem para o berço da cana de açucar