Clarice Lispector é reconhecida como patrona da literatura de Pernambuco

A escritora faleceu aos 56 anos. (Foto: Instituto Moreira Salles/Divulgação)
A escritora faleceu aos 56 anos. (Foto: Instituto Moreira Salles/Divulgação)
A escritora Clarice Lispector recebeu o título de patrona da literatura de Pernambuco. O reconhecimento foi oficializado, nesta segunda-feira (11), por meio de uma lei de autoria do deputado estadual Professor Paulo Dutra (PSB) publicada no Diário Oficial. Uma das escritoras mais importantes da literatura brasileira, se estivesse viva completaria 100 anos no mês de dezembro. Após chegar no Brasil vinda da Ucrânia ainda bebê, a autora de A Hora da Estrela Laços de Família viveu no Recife até os 14 anos de idade.
Nascida em plena Guerra Civil, Clarice Lispector veio aos dois anos para Brasil fugindo com a família do antissemitismo. Chegou primeiro em Maceió, onde passou um curto período de tempo, logo depois veio ao Recife. Se mudou da cidade apenas aos 14 anos para morar no Rio de Janeiro, onde estudou Direito na Universidade Federal e fixou residência. Clarice faleceu aos 56 anos por conta de um câncer de ovário.
A autora sempre mostrou um carinho por Recife, onde teve sua primeira formação intelectual e, portanto, se declarava pernambucana. “Sabemos da riqueza da nossa literatura. São vários os escritores que poderiam receber este título. Mas a escolha de Clarice se dá por toda a representatividade que ela tem para com nosso Estado e a visibilidade mundial que ganhou por meio de sua obra. Foi aqui, mais precisamente no Ginásio Pernambucano, que ela decidiu se tornar escritora. Por onde ela passava, mostrava seu carinho enorme pelo Recife. Além disso, foi uma mulher que rompeu as barreiras do seu tempo desafiando todas as dificuldades impostas pela época e que neste ano de 2020 completaria 100 anos de idade”, justifica o professor Paulo Dutra, responsável pela proposta.
O casarão onde Clarice viveu se localiza no bairro da Boa Vista. ( Foto: Debora Rosa/Esp.DP/D.A.Press)
O casarão onde Clarice viveu se localiza no bairro da Boa Vista. ( Foto: Debora Rosa/Esp.DP/D.A.Press)
Junto com o título, o deputado solicitou também uma reforma reforma emergencial no casarão onde Clarice Lispector viveu entre 1925 e 1934. O imóvel localizado na Praça Maciel Pinheiro, bairro da Boa Vista, está abandonado há vários anos e com um processo de tombamento aberto desde 2017. O pedido foi encaminhado ao Governo do Estado, à FUNDARPE e à Santa Casa de Misericórdia, que é proprietária do sobrado. No requerimento, o parlamentar pede ainda que o local seja utilizado como um museu vivo da obra de Clarice e espaço de interação com as artes.
Fonte:DIARIO DE PERNAMBUCO/CADERNO VIVER

Senado pede que STF anule buscas em apartamento funcional de Serra e entrega de celular

ISSO É UMA VERGONHA

O corporativismo da classe política e o povo sem ninguém,abandonado

Pano de fundo envolve desdobramento da restrição do foro privilegiado

Fernanda Vivas e Márcio Falcão
G1 / TV Globo

O Senado acionou o Supremo Tribunal Federal, nesta terça-feira, dia 11, para anular as buscas realizadas pela Polícia Federal no apartamento funcional do senador José Serra (PSDB-SP) e a ordem da Justiça para a entrega do aparelho celular do tucano.

Serra é investigado em duas frentes: uma sobre caixa dois na campanha e outra sobre suposta lavagem de dinheiro em obras do Rodoanel Sul, em São Paulo, quando ele era governador. Nos dois casos, o senador foi alvo operações da Polícia Federal, que fez buscas e apreensões. O senador nega as duas acusações.

MANDADOS DE BUSCA – Em uma dessas operações, o Senado foi ao STF e conseguiu barrar os mandados de busca e apreensão no gabinete parlamentar de José Serra. A decisão foi tomada pelo presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, que ficou a cargo dos processos durante o recesso parlamentar.

No novo pedido, o Senado afirma que a apreensão do celular e as buscas no apartamento funcional abriram margem para uma varredura completa na atividade parlamentar do senador e usurparam a competência do Supremo, uma vez que Serra tem foro privilegiado na Corte.

RESTRIÇÃO DO FORO – O pano de fundo dessa discussão envolve o desdobramento da restrição do foro privilegiado, que deixou no Supremo apenas casos que envolvam supostos crimes cometidos no mandato ou em função do cargo. O Senado e a Câmara defendem que só o Supremo pode autorizar busca e apreensão nos gabinetes. Portanto, não caberia a juízes de primeira instância determinar esses mandados.

Ministros do STF, no entanto, ainda não chegaram a um consenso sobre a necessidade desse aval da Corte para o cumprimento dessas medidas. Agora, o Senado pede que o Supremo fixe que cabe ao próprio STF determinar medidas de busca e apreensão em bens integrantes do Complexo Arquiteto?nico do Senado Federal, incluindo gabinetes parlamentares e apartamentos funcionais, quando afetem direta ou indiretamente o desempenho da func?a?o legislativa do parlamentar investigado.

O Senado afirma que de modo algum se pode admitir a estrate?gia de “jogar a rede” em busca de provas para incriminar parlamentares. Para a Advocacia da Casa Legislativa, “os apartamentos funcionais dos parlamentares, longe de se tratar de mera reside?ncia, sa?o locais de atividade poli?tico-legislativa – portanto, sa?o bens pu?blicos afetados ao interesse do mandato eletivo”.

INSTRUMENTO INSTITUCIONAL – A Advocacia afirma que o aparelho celular disponibilizado a cada senador e? instrumento institucional diretamente ligado à func?a?o parlamentar e que durante a pandemia virou uma das principais ferramentas dos parlamentares, uma vez que viabilizam discussões e votações.

“O amplo acesso a comunicac?o?es e a dados armazenados em celular institucional expo?e a atividade funcional dos representantes poli?ticos, inclusive informac?o?es protegidas por sigilo, com se?rios riscos a? independe?ncia do mandata?rio e do Poder Legislativo, minando a autonomia no desempenho da func?a?o parlamentar, notadamente em face de agentes do Poder Executivo”, diz o texto.

As duas investigações estão travadas por decisão do presidente do STF, Dias Toffoli, que atendeu a um pedido da defesa do senador que apontou usurpação de competência da Corte. A Procuradoria Geral da República recorreu. A decisão vale até que o relator, ministro Gilmar Mendes, avalie o caso.

Doria testa positivo para Covid-19

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou, hoje, que testou positivo para a Covid-19. Ele é o 11º governador a testar positivo para a doença no país. Doria, de 62 anos, e, portanto, do grupo de risco para a doença, disse que não tem sintomas e se sente bem.
Ontem, o estado de São Paulo registrou o segundo maior número de mortes por coronavírus desde o inicio da pandemia. Com 298 novas mortes por coronavírus em 24 horas nesta quarta, o total de mortos no estado chegou a 25.869 desde março.
“Hoje, quarta-feira, acabei de receber o meu sexto teste da Covid-19 e este, infelizmente, foi positivo. Eu estou com coronavírus. Absolutamente, assintomático, me sinto bem, vou para a minha casa, vou seguir o protocolo médico, com a orientação do doutor David Uip, infectologista e integrante do comitê de saúde do estado de São Paulo. De lá, manterei a minha relação com todos os setores do governo de São Paulo, pelo Zoom, pelo celular, por vídeo conferência e vou seguir o protocolo da saúde”, disse o governador em vídeo postado em sua conta no Twitter.
“Durante os próximos dez dias, eu estarei cumprindo este protocolo. Aproveito para pedir a você que está na sua casa, se proteja, siga também os protocolos da saúde. Tudo isso vai passar, a vacina vai chegar e o brasil terá um novo momento livre do coronavírus. Até lá, temos que fazer este enfrentamento, seguir o protocolo e obedecer a saúde”, completou.

Lavando a nossa alma

Por Zuenir Ventura

Mesmo sendo eu um ultrapassado “analógico”, que é assim que Alice, de 10 anos, classifica os avós, como se fôssemos portadores de uma grave deficiência, reconheço que foi o mundo digital que ofereceu os espetáculos musicais que mais me fizeram bem nessa triste fase de quarentena: as lives de dois jovens comemorando seus 78 anos.

Primeiro, foi Gilberto Gil, à frente de 50 dos melhores artistas do país, cantando e dançando ao mesmo tempo, cada um em sua casa. Eu nunca tinha visto show igual. “Andar com fé”, a música que os animava, era a possível explicação para o milagre. E, assim, eu seria apresentado a esse fenômeno da tecnologia de comunicação que veio para minimizar os impactos da praga do coronavírus no ramo do entretenimento, que só nos meses de março e abril causara o cancelamento de cerca de oito mil eventos artísticos.

Como alternativa, apenas em junho, pôde-se assistir a 72 lives, com a adesão de artistas consagrados como Milton Nascimento, Martinho da Vila, Lulu Santos, Ivete Sangalo, Fafá de Belém, Luan Santana, Nando Reis, entre muitos outros.

Faltava Caetano Veloso, meio-irmão de Gil, que resistia à pressão de sua mulher, Paula Lavigne, cuja insistência valeu a pena. A live dele com seus filhos, Moreno, Tom e Zeca, acabou vindo num momento muito especial, quando o país se aproximava de100 mil perdas para a Covid-19.

Ela funcionou não como compensação, mas como consolo. Acho que nunca uma apresentação dele teve tanta repercussão. Nestes tempos sem graça e sem glória, que Camões classificaria de “apagada e vil tristeza”, houve uma comoção.

Caetano foi tema de conversas e de artigos. Falou-se dele na imprensa, nas redes, nas cartas dos leitores como “sopro de esperança”, “hipótese de Brasil que todos gostaríamos que fosse a verdadeira”, “durante hora e meia um outro Brasil, aquele que é uma nação”, e assim por diante.

Já que não há mais espaço, cito o que me parece ser a melhor síntese do que vimos: “Caetano lavou a nossa alma”.

Fonte: O Globo

Vinho & Guerra

     Um bom vinho fica ainda melhor com uma boa leitura.

Para quem gosta de vinho e história, a dica de hoje é o livro “Vinho & Guerra”, que narra as aventuras de famílias das regiões vinícolas francesas, durante a II Guerra Mundial, que arriscaram suas próprias vidas para não só proteger a economia do país, como preservar um dos seus prazeres autênticos. Eles falam sobre a “astúcia dos produtores de vinho, que chegaram a usar teias de aranha para envelhecer paredes falsas que camuflavam suas melhores garrafas, empurrando as piores safras para os alemães”, dentre outros comportamentos.

Não é dinheiro, estúpido. Por Nizan Guanaes

Por Nizan Guanaes

   Sou, com frequencia, chamado a fazer palestras para turmas de formandos. Orgulha-me poder orientar jovens em seus primeiros passos profissionais.
Há uma palestra que alguns podem conhecer já pela web, mas queria compartilhar seus fundamentos com os leitores da coluna.
Sempre digo que a atitude quente é muito mais importante do que o conhecimento frio.
Acumular conhecimento é nobre e necessário, mas sem atitude, sem personalidade, você, no fundo, não será muito diferente daquele personagem de Charles Chaplin apertando parafusos numa planta industrial do século passado.

É preciso, antes de tudo, se envolver com o trabalho, amar o seu ofício com todo o coração.
Não paute sua vida nem sua carreira pelo dinheiro. Seja fascinado pelo realizar, que o dinheiro virá como consequência.
Quem pensa só em dinheiro não consegue sequer ser um grande bandido ou um grande canalha. Napoleão não conquistou a Europa por dinheiro. Michelangelo não passou 16 anos pintando a Capela Sistina por dinheiro.
E, geralmente, os que só pensam nele não o ganham. Porque são incapazes de sonhar. Tudo o que fica pronto na vida foi antes construído na alma.
A propósito, lembro-me de um diálogo extraordinário entre uma freira americana cuidando de leprosos no Pacífico e um milionário texano. O milionário, vendo-a tratar dos leprosos, diz: “Freira, eu não faria isso por dinheiro nenhum no mundo”. E ela responde: “Eu também não, meu filho”.
Não estou fazendo com isso nenhuma apologia à pobreza, muito pelo contrário. Digo apenas que pensar e realizar têm trazido mais fortuna do que pensar em fortuna.
Meu segundo conselho: pense no seu país. Porque, principalmente hoje, pensar em todos é a melhor maneira de pensar em si.
Era muito difícil viver numa nação onde a maioria morria de fome e a minoria morria de medo. Hoje o país oferece oportunidades a todos.
A estabilidade econômica e a democracia mostraram o óbvio: que ricos e pobres vão enriquecer juntos no Brasil. A inclusão é nosso único caminho. Meu terceiro conselho vem diretamente da Bíblia: seja quente ou seja frio, não seja morno que eu vomito. É exatamente isso que está escrito na carta de Laodiceia.
É preferível o erro à omissão; o fracasso ao tédio; o escândalo ao vazio. Porque já li livros e vi filmes sobre a tristeza, a tragédia, o fracasso. Mas ninguém narra o ócio, a acomodação, o não fazer, o remanso (ou narra e fica muito chato!).
Colabore com seu biógrafo: faça, erre, tente, falhe, lute. Mas, por favor, não jogue fora, se acomodando, a extraordinária oportunidade de ter vivido.
Tenho consciência de que cada homem foi feito para fazer história.
Que todo homem é um milagre e traz em si uma evolução. Que é mais do que sexo ou dinheiro. Você foi criado para construir pirâmides e versos, descobrir continentes e mundos, caminhando sempre com um saco de interrogações numa mão e uma caixa de possibilidades na outra. Não dê férias para os seus pés.
Não se sente e passe a ser analista da vida alheia, espectador do mundo, comentarista do cotidiano, dessas pessoas que vivem a dizer: “Eu não disse? Eu sabia!”.
Toda família tem um tio batalhador e bem de vida que, durante o almoço de domingo, tem de aguentar aquele outro tio muito inteligente e fracassado contar tudo o que faria, apenas se fizesse alguma coisa.
Chega dos poetas não publicados, de empresários de mesa de bar, de pessoas que fazem coisas fantásticas toda sexta à noite, todo sábado e todo domingo, mas que na segunda-feira não sabem concretizar o que falam. Porque não sabem ansiar, não sabem perder a pose, não sabem recomeçar. Porque não sabem trabalhar.
Só o trabalho lhe leva a conhecer pessoas e mundos que os acomodados não conhecerão. E isso se chama “sucesso”.
Seja sempre você mesmo, mas não seja sempre o mesmo.
Tão importante quanto inventar-se é reinventar-se. Eu era gordo, fiquei magro. Era criativo, virei empreendedor. Era baiano, virei também carioca, paulista, nova-iorquino, global.
Mas o mundo só vai querer ouvir você se você falar alguma coisa para ele. O que você tem a dizer para o mundo?

* Artigo publicado originalmente na Folha de S.Paulo

Doria surge em 1° lugar em ranking de mortes por covid-19

O Palácio do Planalto elaborou um documento nesta segunda-feira (10), com os dados do último sábado (8), enfatizando os nomes de governadores e prefeitos das regiões com maior número de casos e óbitos por Covid-19.

Esses dados são referentes ao dia em que o Brasil atingiu a marca de 100 mil mortes confirmadas pelo novo coronavírus. O documento, foi elaborado pela Secretaria de Governo da Presidência da República e distribuído a parlamentares da base aliada.

O relatório traz os cinco estados que mais registraram casos e óbitos pela doença no sábado. O governador João Doria aparece no topo da lista  com 13.352 novos casos registrados no estado de São Paulo.

Documento do Palácio do Planalto classifica número de casos de Covid-19 por nome de governadores dos estados — Foto: Reprodução

Documento do Palácio do Planalto classifica número de casos de Covid-19 por nome de governadores dos estados — Foto: Reprodução

O estado, que é o mais populoso do país, também toma a frente do ranking de novos óbitos.

 Em nota, o governador de SP reagiu à divulgação do documento, acusando Bolsonaro de “desprezar a vida e politizar a guerra contra o vírus”.

“Justamente quando o Brasil atinge a triste marca de 100 mil mortos, vítimas do coronavírus, o Governo Federal dá mais uma demonstração de desprezo pela vida e politiza a guerra contra o vírus. A falta de compaixão do Governo Bolsonaro entristece o País”, rebateu o político.

Logo abaixo de São Paulo, aparecem no ranking de novos casos Rio Grande do Sul, Bahia, Minas Gerais e Santa Catarina, também com destaque para os governadores – respectivamente, Eduardo Leite (PSDB), Rui Costa (PT), Romeu Zema (Novo) e Comandante Moisés (PSL). No caso deste último, apenas a palavra “comandante” aparece no documento.

Agora quando visto no ranking de óbitos, os estados que ganham destaques são: Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, do governador Ronaldo Caiado (DEM), e Bahia, todos com a indicação dos governadores.

TOP 5

Outro destaque visto no relatório é o “top 5” dos municípios com total de casos confirmados. Chefiado pelo prefeito Bruno Covas, oO município de São Paulo assume a liderança no topo da lista, sendo seguido por Brasilia, Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza.

O documento traz os nomes dos prefeitos locais em todos os municípios – exceto no caso de Brasília. Sem prefeito, a cidade é regida pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), que tem se alinhado a Bolsonaro em declarações recentes.

A segunda vinda. Por Luis Fernando Verissimo

Entre as pessoas que cercavam o padre Alonso, metade não tinha dúvidas de que a profecia bíblica se cumpria, mesmo numa cidadezinha de nada como a delas.

Luis Fernando Verissimo, O Estado de S.Paulo

O padre Alonso saiu quase correndo de dentro da igreja. Agitadíssimo. Dizendo:

– Ele vem aí! Ele vem aí!

Juntou gente em volta do padre na praça em frente à única igreja da cidadezinha onde Alonso era o único padre. Tentaram acalmá-lo. O padre tinha quase 90 anos. Não podia se agitar daquela maneira.

– Quem é que vem aí, padre?

– Jesus Cristo.

As pessoas se entreolharam. Jesus Cristo?!

– Está na Bíblia – disse o padre, ainda ofegante. – A segunda vinda de Cristo.

– Mas Cristo vai voltar logo pra aqui?

– Chega na sexta-feira. Estive conversando com o pai dele, que me pediu para recebê-lo.

– O pai dele é…

– Deus. Me disse que Jesus é uma pessoa muito simples e não quer nenhuma festa. Mas vamos ter que decorar a igreja. Pelo menos botar umas flores…

– Jesus vai chegar na nossa igrejinha? Nesta nossa cidadezinha de nada? Tinha que ser recebido pelo papa, no Vaticano!

– Foi o que eu disse pro pai dele, mas parece que Jesus quer, inclusive, evitar aglomerações, por causa do vírus. E quer distância do Vaticano, que considera um desperdício para pura ostentação de riqueza.

Entre as pessoas que cercavam o padre Alonso, metade não tinha dúvidas de que a profecia bíblica se cumpria, mesmo numa cidadezinha de nada como a delas, que entraria para a História, e metade não tinha dúvidas de que o padre Alonso estava delirando. Mas todas, por via das dúvidas, passaram a planejar a segunda visita de Jesus.

Algum tipo de solenidade teria que haver, mesmo contra a vontade de Jesus. Deveriam avisar o prefeito e demais autoridades municipais que a cidade recebia aquele visitante ilustre ou evitar a politização do fato? Jesus aceitaria fazer uma sessão de autógrafos? Detalhes práticos precisavam ser decididos. Por exemplo: o que comeria Jesus? A sopa de capelete da Nonna Sofia como preâmbulo a massas e galetos infindáveis, famosos em toda a região, agradariam a Jesus ou ele insistiria na sua dieta de pão ázimo e peixe salgado?

E o maior problema de todos: o alojamento. Onde colocariam Jesus para dormir, já que a cidadezinha não tinha hotel? Alguém lembrou o motel “Happy Hour” que ficava na entrada da cidade, mas todos acharam que não ficava bem. E o próprio Jesus pediu para não se preocuparem, ele se sentiria à vontade em qualquer manjedoura.

E tudo se resolveu quando o padre Alonso contou que Deus fizera contato com ele para dizer que a segunda vinda do Cristo fora cancelada. Tinham concluído que não era a hora.

Senado desengaveta PEC que muda regras para escolha de ministros do STF

Brasília(DF), 25/08/2016 – Lasier Martins. Primeiro dia do julgamento do impeachment da presidente Dilma Roussef no Senado Federal. Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Sonia Racy – Estadão

Com a proximidade da aposentadoria, em 1º de novembro, de Celso de Mello, foi desengavetada a PEC que muda as regras para escolha de ministros do STF. Ao que apurou a coluna, há chances de a proposta “passar” ante a ira de parlamentares contra, dizem, “super poderes” do Supremo. Se aprovada este ano só valerá, porém, em 2023.

Pela proposta, o mandato passaria a ser de 10 anos (e não mais vitalício) e o presidente da República teria que escolher dentro de uma lista tríplice – com nomes indicados pelo STF, PGR e OAB.

Governos do PT foram os que mais indicaram ministros – Lula, com oito, e Dilma, quatro. Celso de Mello foi indicado por… Sarney. E Marco Aurélio Mello, que se aposenta em 12 de julho de 2021, por… Collor.

Musica e cine

Em parceria com o irmão Pedro Paulo Rocha, a cantora Ava Rocha faz performance inédita, a Lunaar, no YouTube da Biblioteca Mário de Andrade, dia 17.

Sem volta

Heni Ozier Cukier conseguiu a liberação de R$ 800 mil do Estado para programa da Fundação Casa. É a primeira vez que a instituição consegue verba por meio de emenda parlamentar.

A Fundação investirá em programas de melhoria nos números de reincidência dos internos. Por meio do mecanismo, o dinheiro só é liberado caso a taxa de adolescentes que voltam para a entidade diminua.

DIA DA TELEVISÃO

Desde que chegou ao País, há 70 anos, a televisão conquistou o público, ganhou espaço e hoje, em tempos de pandemia e isolamento social, virou uma janela segura para o mundo.

Texto: Charlise Morais / Foto: Acervo Alesp

O Dia da Televisão é comemorado em 11 de agosto desde 1958. A data é uma homenagem a Santa Clara de Assis, declarada padroeira deste meio de comunicação pelo Papa Pio XII. Em 2001, uma mudança no calendário instituiu o Dia Nacional da Televisão em 18 de setembro, data da primeira transmissão televisiva no País. Por esse motivo, temos duas datas para comemorar.


O surgimento da televisão

Desde a metade do século 19, cientistas do mundo todo tentavam descobrir uma maneira de transmitir uma imagem de uma lugar para outro. Várias tecnologias que permitiam essa ‘mágica’ foram desenvolvidas em diversas partes do mundo.

Em 6 de janeiro de 1926, o engenheiro escocês John Logie Baird fez uma apresentação para 50 colegas cientistas na Royal Institution, em Londres, Inglaterra, na primeira transmissão de uma imagem em movimento com seu modelo mecânico de televisão.

Os experimentos continuaram em todo o mundo e rapidamente a televisão começou a surgir: Alemanha e França (1935); Rússia (1938) e Estados Unidos (1939). Mas, o grande boom da TV aconteceria somente após o fim da Segunda Guerra Mundial.

No dia 12 de julho de 1962, o satélite americano Telstar transmitiu as primeiras imagens televisionadas ao vivo entre Estados Unidos e França, primeiro passo para a era da comunicação global.


A chegada da televisão no Brasil

No Brasil, a nova tecnologia desembarcou somente em 1950, mais precisamente no dia 18 de setembro, ocasião em que a TV Tupi foi inaugurada em caráter definitivo em São Paulo, como PRF-3 TV Tupi-Difusora, Canal 3.

Domingo Luís Gallon (esquerda) em ação nos primeiros anos da TV Tupi.MARCIA ALVES/AE

Por iniciativa de Assis Chateaubriand, que comandava o império jornalístico Diários e Emissoras Associados, e com o empenho de um grupo de empresários, artistas e técnicos que acreditaram no sonho de fazer televisão no Brasil, foi criada a primeira emissora de televisão brasileira e a pioneira também na América Latina.


Inauguração da TV Tupi

A inauguração da TV Tupi foi uma noite histórica, cheia de nervosismo e improvisação. Estava tudo pronto quando uma das câmeras falhou. O diretor Cassiano Gabus Mendes decidiu que o programa tinha que ir ao ar “do jeito que desse”.

O programa de estreia, um show de variedades protagonizado por artistas como Wilma Bentivegna, Walter Foster, Lia de Aguiar, Lima Duarte, Romeu Feres, Lolita Rodrigues, entre outros, começou com uma hora de atraso. Com uma das três câmeras pifada, tudo teve de ser reformulado às pressas.

O diretor Cassiano Gabus Mendes.ACERVO ALESP

A noite de estreia da programação foi assistida apenas por uma seleta plateia que jantava no Jockey Clube de São Paulo, por alguns dos proprietários dos 200 aparelhos contrabandeados e distribuídos pelo próprio Chateaubriand e por curiosos que se aproximaram dos 22 receptores distribuídos em vitrines de 17 lojas no centro de São Paulo.

Um dos primeiros aparelhos de TV Invictus fabricados no Brasil na década de 1950.ACERVO ALESP

O alcance da transmissão era de cerca de cem quilômetros, abrangendo cidades como Campinas e Santos. Um ano e alguns meses depois, no final de 1951, estimava-se que existiam no Brasil cerca de sete mil aparelhos de televisão, a maioria em São Paulo e o restante no Rio.


A estreia foi cercada de anedotas

Público acompanha transmissão do primeiro programa de TV, no vídeo, Lolita Rodrigues canta o ‘Hino da Televisão’.ACERVO ALESP

Conta-se que após o discurso inaugural, ao estourar uma garrafa de champagne para brindar a ocasião, Assis Chateaubriand teria quebrado uma das câmeras com a rolha ou, em outra versão, com a garrafa propriamente dita, como se faz nos cascos de navios para inaugurá-los.

Lolita Rodrigues cantou no dia da inauguração o ‘Hino da Televisão’, com uma enorme bandeira paulista ao fundo, substituindo a cantora Hebe Camargo, que tinha um compromisso sentimental que não quis adiar.

Somente no meio das projeções da primeira noite, alguém se deu conta de que não havia programação planejada para o dia seguinte.

A primeira dessas anedotas foi desmentida posteriormente.

Sonia Maria Dorce na época em que, vestida de índio, símbolo da TV Tupi, foi o primeiro rosto a aparecer na telinha dizendo “Bom dia, está no ar a televisão brasileira”.MARCIA ALVES/AE