Fundão Eleitoral de R$ 5,7 bilhões, o maior do mundo, é um atentado à democracia

Charge do Nani (nanihumor.com)

J.R.Guzzo
Estadão

A democracia brasileira, por conta do que estão fazendo com ela no mundo das coisas reais, em que os fatos vão na direção exatamente contrária ao mundo de fantasias pregado dia e noite pelos discursos, manifestos e orações das classes esclarecidas, não está valendo quase mais nada hoje em dia.

O “quase” está aí unicamente porque, bem ou mal, o sujeito ainda não pode ser trancado na cadeia pelo guarda da esquina, o fiscal da prefeitura não tem o direito de expropriar o imóvel onde ele mora e outras graças deste tipo; no resto, e principalmente na política, foi tudo para o diabo.

VIVEMOS EXAGEROS – Sempre que se diz algo parecido, sempre mesmo, a primeira reação é: “Exagero… Vivemos problemas normais dos regimes democráticos… A democracia tem o seu preço…” e etc. etc. etc. Sempre que se escuta essa conversa toda tenha certeza de estão batendo a sua carteira.

Almas boas podem até acreditar que a democracia é mesmo sujeita a dificuldades aqui e ali, que só podem ser combatidas com “mais democracia” e outros feitos virtuosos.

Mas os vigaristas, que sempre estão em maioria absoluta nessas coisas, sabem muito bem que não é exagero nenhum. Na verdade, dão graças a Deus pela delicadeza com que são tratadas hoje em dia as safadezas praticadas por eles para encher seus próprios bolsos com a utilização sistemática do sistema democrático.

FUNDÃO ELEITORAL – Que exagero pode haver, quando se trata de destruição da democracia, ou da destruição de democracias rigorosamente um quarto-de-boca como a nossa, em chamar de calamidade um “Fundão Eleitoral” como esse que inventaram aí?

Da última eleição geral de 2018 – presidente, governadores senadores e deputados – para esta agora de 2022, o dinheiro extorquido dos pagadores de impostos para financiar as campanhas eleitorais foi aumentado em quase três vezes, ou perto de 6 bilhões de reais. É duro acreditar num roubo deste tamanho; mas aí é que está, esse roubo acaba de ser feito. Se isso não é jogar uma banana de dinamite em cima da democracia, o que é, então?

Além do crime, há as agravantes e os detalhes sórdidos; para ficar em apenas um deles, a Câmara dos Deputados, que figura como um dos Doze Apóstolos das sagradas “instituições” nacionais, impediu, com trapaças de regimento, que os deputados pudessem votar individualmente pelo “sim” ou pelo “não”. Não deu para saber, assim, quem votou em quê; foi como fornecer máscaras para os bandidos esconderem os seus rostos durante o assalto.

AGRESSÕES À DEMOCRACIA – O Supremo Tribunal Federal, os meios de comunicação e o consórcio OAB-MST-CNBB-LGBTQIA+ conduz neste momento uma guerra termonuclear contra “atos antidemocráticos” e outros crimes de lesa-pátria. Não lhe ocorre, nunca, que as agressões mais viciosas contra o Estado de direito e as liberdades estão sendo feitas, com a bênção de todos, em safadezas cheias de desculpas virtuosas como esta do Fundão Eleitoral de 6 bi.

Uma das maneiras mais eficazes para se destruir uma democracia é tirar dela o apoio da população – uma população que se tornou hostil ou, pior ainda, indiferente. É o que acontece hoje no Brasil, com a corrupção deslavada, o perdão aos ladrões de porte máximo, a impunidade permanente oferecida pelo STF e demais tribunais superiores, a vadiagem dos políticos e tudo o mais.

O respeito do povão por Congresso, Supremo, “instituições”, etc. está em zero – com viés de baixa.

CPI pode pedir a prisão de dono da Precisa e bloqueio de bens das empresas, diz Randolfe

Senador Randolfe está de olha nas artimanhas de Maximiano

Daniel Gullino
O Globo

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou nesta quinta-feira que a comissão pode pedir a prisão preventiva do empresário Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos. Randolfe criticou o fato de Maximiano ter viajado para a Índia, apesar de ter depoimento marcado na CPI para a próxima semana.

— Nós recebemos a notícia, nesta semana, que o senhor Francisco Maximiano se evadiu para a Índia e pretende não ser ouvido pela CPI na quarta-feira. Eu quero recomendar ao senhor Francisco Maximiano: volte e compareça à CPI de imediato no dia que seu depoimento está marcado. Evadir-se do país quando tem uma investigação em curso é crime. E nós não titubearemos em pedir a sua prisão preventiva — disse Randolfe, em vídeo divulgado por sua assessoria.

NEGÓCIO SUJO – A Precisa era a parceira do laboratório indiano Bharat Biotech, que desenvolveu a Covaxin, a vacina contra a Covid-19 mais cara a ter negócio fechado com o Ministério da Saúde. O negócio entrou na mira da CPI e, após suspeitas de irregularidade, acabou suspenso.

A defesa de Maximiano pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que ele possa escolher ir ou não à sessão da CPI marcada para a próxima quarta-feira. O argumento é que, por ser investigado, tem esse direito. Os advogados também informaram a Corte sobre a viagem à Índia.

FICAR EM SILÊNCIO – Em 30 de junho, a relatora, ministra Rosa Weber, permitiu que ele ficasse em silêncio na CPI, mas não o desobrigou de prestar depoimento. A defesa diz que Rosa já deu uma outra decisão desobrigando um investigado pela CPI a comparecer, mas ela disse que, no caso de Maximiano, não ficou demonstrado sua condição de investigado. No novo recurso, a defesa insiste no mesmo argumento.

Randolfe também afirmou que a CPI irá analisar requerimentos que pedem o bloqueio de bens. “Por outro lado, a CPI também vai apreciar requerimentos para bloquear os bens da Precisa Medicamentos e da Global, exatamente no valor do contrato que ia ser celebrado. É uma medida judicial básica que necessita ser tomada”, disse.

Dívida pública tem alta de 3,07% em junho e atinge R$ 5,33 trilhões, diz Tesouro

Resultado de imagem para DIVIDA PUBLICA CHARGES

Charge do Baldinger (Arquivo Google)

Jéssica Sant’Ana
G1 — Brasília

A dívida pública federal em títulos – que inclui os débitos do governo no Brasil e no exterior – registrou alta de 3,07% em junho, na comparação com o mês anterior, e atingiu R$ 5,33 trilhões, informou a Secretaria do Tesouro Nacional nesta quarta-feira (28).

A dívida pública é emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal. Ou seja, são empréstimos feitos para pagar despesas que ficam acima da arrecadação com impostos e tributos.

EMITINDO TÍTULOS – Segundo o Tesouro Nacional, o crescimento em junho é explicado pela emissões de títulos da dívida que somaram R$ 138,13 bilhões, além da contabilização de R$ 20,60 bilhões em juros.

Em junho, ainda segundo dados oficiais, a dívida pública interna (que considera só os títulos vendidos dentro do Brasil) cresceu 3,29%, chegando a R$ 5,103 trilhões. Já o estoque da dívida pública externa caiu 1,77%, indo para R$ 226,67 bilhões.

A expectativa do Tesouro Nacional é de que a dívida pública continue a crescer nos próximos meses, e que termine o ano entre R$ 5,5 trilhões e R$ 5,8 trilhões. O valor, porém, é menor do que o previsto no início do ano, quando o Tesouro projetava que a dívida pública poderia chegar a R$ 5,9 trilhões.

DESPESAS EXTRAS – Ao fim de 2020, a dívida pública federal atingiu R$ 5 trilhões, impulsionada pelas despesas extras para combate à pandemia de Covid.

O coordenador de operações da Dívida Pública, Roberto Lobarinhas, destacou ainda o alongamento do prazo médio da dívida pública federal. O prazo médio dos títulos públicos emitidos em junho foi de 4,6 anos. Segundo o Tesouro, é o maior desde março de 2020.

O alongamento do prazo da dívida é importante para não pressionar o Tesouro no curto prazo. No ano passado, por exemplo, o mercado exigiu títulos mais curtos e com prêmios maiores devido à pandemia de Covid.

RETOMADA – Segundo Lobarinhas, o alongamento do prazo é influenciado por uma melhora dos mercados.

“Nós temos observado ao longo dos meses de 2021 uma melhora dos mercados, uma recuperação ao que observamos em 2020. Isso tem ocorrido de forma gradual e consistente. Não temos nenhuma evidência que esse movimento seja temporário ou vinculado a um movimento específico que tenha ocorrido nesses meses”, explicou.

Sobre temores com o avanço das infecções pela variante Delta, o coordenador explicou que, se a variante se espalhar, trará volatilidade (incertezas no mercado), mas não há uma projeção do impacto na emissão dos títulos.

Prefeitura do Rio planeja um ano de festas para celebrar reabertura

Eduardo Paes quer estabelecer 2 de setembro como Dia do Reencontro.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), anunciou nesta quinta-feira (29) que a cidade fará um ano de eventos para marcar a reabertura que está prevista com o avanço da vacinação contra a Covid-19.

Na programação, o mandatário antecipou que realizará o “maior Reveillon da história da cidade” e também vai apoiar as escolas de samba para o desfile na Marquês de Sapucaí.

Caso as projeções se confirmem, tanto a festa de Ano Novo quanto o Carnaval devem ocorrer quando o uso de máscaras já tiver deixado de ser obrigatório na maior parte da cidade, o que está previsto para ocorrer em 15 de novembro.

Paes destacou que, apesar do horizonte de reabertura, a pandemia não acabou e ainda requer que a população mantenha as medidas de prevenção, como o uso de máscara, o distanciamento social e a higiene de mãos e respiratória.

Além disso, a retomada depende de que os cariocas continuem a se vacinar, já que o plano anunciado recentemente prevê percentuais vacinais mínimos para avançar em cada uma das três etapas.

Segundo a estratégia municipal, se 80% dos cariocas tiverem tomado a primeira dose em 15 de novembro e 75% tiverem recebido a segunda dose, será possível liberar a população do distanciamento social e do uso de máscaras, que passarão a ser obrigatórias somente no transporte público e em unidades de saúde.

O calendário de eventos que marcará a reabertura vai começar já em 2 de setembro, com um festival que terá atividades culturais, artísticas e gastronômicas em espaços abertos. O evento contará com um ponto facultativo em 3 de setembro e vai se estender até o dia 5 de setembro.

Estão previstos também a apresentação de DJs na orla, campeonatos de futebol e atividades esportivas ao ar livre. Outros eventos serão anunciados futuramente, compondo um calendário anual que será concluído em 2 de setembro de 2022, quando Paes vai propor que seja criado um novo feriado municipal, o Dia do Reencontro.

O prefeito ainda aproveitou o anúncio para fazer um pedido público aos organizadores do Rock in Rio para que tentem realizar o festival, programado para o ano que vem, incluindo essa data.

“Não tem presente maior para essa cidade do que comemorar o aniversário de um ano de reencontro, com o feriado do reencontro e a abertura do Rock in Rio”, declarou.

Dólar cai para R$ 5,07 e fecha no menor valor em quase um mês

Bolsa tem queda em meio à divulgação de lucros de empresas.

Ainda influenciado pelo cenário internacional, o dólar caiu por mais um dia e fechou no menor valor em quase um mês. A bolsa de valores, no entanto, descolou-se do mercado externo e encerrou em baixa, influenciada pela divulgação do lucro de algumas empresas abaixo do previsto.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (29) vendido a R$ 5,079, com recuo de R$ 0,031 (-0,6%). A cotação chegou a subir levemente durante a manhã, mas caiu e chegou a R$ 5,04 na mínima do dia, por volta das 13h30.

A moeda norte-americana está no menor nível desde 2 de julho, quando tinha fechado a R$ 5,053. A divisa acumula alta de 2,13% em julho e queda de 2,12% em 2021.

No mercado de ações, o dia foi marcado por perdas. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 125.675 pontos, com recuo de 0,48%. O indicador chegou a subir no início das negociações, mas passou a cair ainda na primeira hora de sessão. Por volta das 11h30, a queda chegou a 1,06%, mas o índice recuperou-se parcialmente durante a tarde.

O dólar caiu pelo segundo dia seguido, ainda sob efeito da reunião de ontem do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). O órgão indicou que não pretende retirar tão cedo os estímulos concedidos durante a pandemia de covid-19.

Apesar de a inflação nos Estados Unidos estar subindo, o Fed informou que alguns dados mais fracos que o esperado indicam que a recuperação da economia norte-americana ocorre de forma desigual.

O otimismo externo não chegou à bolsa brasileira. Após a apresentação do lucro de algumas empresas, o Ibovespa caiu. Custos maiores que o previsto estão reduzindo os ganhos de algumas companhias, o que se reflete em queda no preço das ações, segundo informações da Agência Brasil.

Magnata opositor do governo chinês é condenado a 18 anos

Sun Dawu é forte defensor de reformas rurais na China e pede liberdade para agricultores do país

Bilionário chinês foi condenado a 18 anos de prisão Foto: Reprodução

O magnata do setor agrícola da China, Sun Dawu, de 67 anos, foi condenado pela Justiça do país asiático a 18 anos de prisão por uma série de crimes, entre eles o de “causar problemas”, expressão genérica utilizada pelo governo comunista contra seus opositores.

A polícia prendeu Sun e outras 19 pessoas de seu entorno, incluindo sócios, em novembro do ano passado, depois que sua empresa se viu envolvida em uma disputa de terras com um concorrente de propriedade estatal.

No julgamento, o tribunal de Gaobeidian, localidade próxima a Pequim, também considerou o bilionário culpado de “exploração mineira ilegal”, de “ocupação ilegal de terras agrícolas”, de “reunir uma multidão para atacar órgãos do Estado” e de “obstruir a administração do governo”. Sun terá de pagar uma multa de 3,11 milhões de iuanes (R$ 2,44 milhões).

Junto com a esposa, Dawu construiu uma das maiores empresas agrícolas do país a partir da década de 80. Firme defensor das reformas rurais, ele denunciou o devastador surto de gripe suína em 2019, publicando fotos de animais mortos diante da lenta resposta das autoridades locais. Dawu também defendia que os agricultores fossem mais livres para se organizar.

Em um comunicado emitido pela defesa do empresário, os advogados denunciaram que a realização do julgamento de Dawu em segredo “viola as diretrizes gerais e não garante os direitos de defesa do acusado”. O magnata já havia sido condenado à prisão por “financiamento ilegal” em 2003, mas a sentença foi anulada depois de uma forte onda de apoio a ele.

A sentença, que foi proferida na quarta-feira (28) é uma das mais severas impostas nos últimos anos contra um crítico do poder e semelhante à determinada no ano passado a Ren Zhiqiang, um rico empresário condenado por corrupção. Na ocasião, Ren comparou o presidente chinês Xi Jinping a um “palhaço”.

Pedidos de seguro-desemprego caem 21% no primeiro semestre

Números de junho apontaram para um retorno ao patamar registrado antes da pandemia

Número de pedidos de seguro-desemprego caiu Foto: Valdecir Galor/SMCS

Um dos itens que mais teve alta durante a pandemia do coronavírus, os pedidos de seguro-desemprego registraram queda de 21% no primeiro semestre deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a junho de 2020, foram registrados 3,9 milhões de pedidos contra 3,1 milhões neste ano, 2021.

O recorde foi em maio do ano passado, quando 960.308 pessoas solicitaram o benefício, a maior marca da série histórica. Em junho deste ano, foram 483.233, retomando um patamar anterior à pandemia. Os números são divulgados do Painel de Informações do Seguro-Desemprego, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia.

Para a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho, a queda pode ser resultado de uma recuperação econômica que gerou empregos nos últimos meses. Entretanto, a queda também pode ser motivada por diversos fatores, que vão desde a elegibilidade para o benefício até a decisão da própria pessoa em dar entrada.

– É importante observar, no entanto, que em 2021 o país vive uma recuperação econômica e gerou empregos em todos os meses até o momento, o que explica, em parte, o menor número de pedidos em relação ao ano passado, em que, nos primeiros meses, houve perda expressiva de emprego em decorrência do lockdown imposto pela pandemia naquele momento – diz a secretaria.

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, aponta abertura de 1.233.372 vagas de empregos formais nos primeiros cinco meses deste ano, número decorrente de 7.971.258 admissões e 6.737.886 desligamentos. O volume corresponde a 38,2% mais contratações e 2,5% menos demissões em relação aos mesmos cinco meses iniciais de 2020.

Tarcísio: “Maior leilão rodoviário do Brasil foi aprovado pelo TCU”

Segundo o ministro, certame ocorrerá ainda em 2021

Minfra_aeroportos - tarcísio de freitas leilão
Leilão da BR-381 com a BR-262 também foi avalizado Foto: Ricardo Botelho/MInfra

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, anunciou nesta quinta-feira (28) que o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou a realização do “maior leilão rodoviário da história do Brasil”. De acordo com o ministro, o certame ocorrerá ainda este ano.

– Atenção à grande notícia do dia. O maior leilão rodoviário da história do Brasil acaba de ser aprovado pelo TCU: R$ 14,8 bilhões em obras na ligação Rio-SP (Dutra/BR-116), incluindo nova subida da Serra das Araras (+4 faixas) e Rio-Santos (BR-101), com duplicação até Angra; ainda em 2021 – escreveu em sua conta oficial no Twitter.

Tarcísio anunciou ainda que o leilão da BR-381 (Gov. Valadares-BH) com a BR-262 (MG-Viana) também foi aprovado pelo TCU, com R$ 7,3 bi em duplicações e melhorias, e está previsto para ocorrer em 2021.

– Enfim, daremos uma solução definitiva para a duplicação integral da “rodovia da morte” – comemorou.

SP: Incêndio atinge galpão da Cinemateca Brasileira

Bombeiros foram acionados no início da noite desta quinta-feira

Incêndio em galpão da Cinemateca Foto: Reprodução/ TV Globo

Nesta quinta-feira (29), um incêndio atingiu um galpão da Cinemateca Brasileira na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo. O edifício principal da Cinemateca Brasileira, na Vila Mariana, não foi afetado.

Segundo informações preliminares, não há vítimas no local.

O Corpo de Bombeiros disse ter sido acionado por volta das 18h. Onze viaturas foram enviadas para o local.

Segundo informações do portal G1, o galpão de cerca de 6.356 m², que guarda parte do acervo da Cinemateca Brasileira. O major Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros, revelou que no galpão há materiais altamente inflamáveis.

– Nós temos o registro de ser um local onde temos diversos materiais combustíveis diferentes. Arquivos de filmes, que têm acetato altamente inflamável, e todos os materiais que compõem a edificação – contou o militar ao G1.

China e Rússia unem tropas para exercício conjunto em agosto

Especialista afirma que evento terá armas e equipamentos mais avançados do mundo

russia china
Putin ao lado do presidente da China Xi Jinping Foto: Divulgação/Xinhua

A agência russa de notícias Interfax publicou nesta quinta-feira (29) que um exercício militar envolvendo cerca de 10 mil soldados será realizado de forma conjunta entre a Rússia e a China. O treinamento ocorrerá no noroeste da China.

Desde que o surto de Covid-19 teve início, este será o primeiro treinamento militar conjunto na China, revelando uma confiança mútua entre os dois países.

De acordo com o jornal Global Times, o exercício será realizado em meados de agosto com o tema de salvaguarda conjunta da segurança e estabilidade regional.

Os dois países estabelecerão quartéis-generais conjuntos durante o evento, que contará com vários tipos de aeronaves, peças de artilharia e equipamentos blindados para testar o reconhecimento conjunto, alerta precoce, ataque de informações eletrônicas e capacidades de ataque.

Segundo um especialista que não quis se identificar disse ao Global Times, considerando as tropas participantes, equipamentos e temática do exercício, trata-se de um treinamento estratégico em grande escala com algumas das armas e equipamentos mais avançados do mundo.

Moscou tem buscado se aproximar da China desde 2014, quando sua relação política com o Ocidente chegou ao ponto mais baixo desde a Guerra Fria devido à anexação da Crimeia.