O vazio poético de 10 igrejas abandonadas pelo mundo

O fotógrafo Francis Meslet retrata locais de culto em ruínas em cidades da França, Bélgica, Alemanha, Itália e Portugal. Lugares que encontra com a ajuda da Internet e cuja localização exata não revela para protegê-los de saques e vandalismo

ELENA SEVILLANO – EL PAÍS
    • O fotógrafo e designer gráfico francês Francis Meslet, cristão não praticante, começou a retratar locais de culto abandonados. “O declínio da religião e a perda da fé são um fato em nossa sociedade”, argumenta. Desse interesse surgiu o livro 'Igrejas abandonadas - Locais de culto em ruínas' (sem edição no Brasil), que recebeu a menção honrosa no International Photography Awards. São 287 fotos de 37 lugares, na França, Bélgica, Alemanha, Itália e Portugal. Publicamos 10 desses retratos com a única condição de não oferecer suas localizações exatas, para proteger o que resta desses lugares de saques e pilhagens. Só na França, e só em 2019, o Observatório do Patrimônio Religioso contabilizou nada menos que 103 igrejas fechadas ou ameaçadas de fechamento, 65 vítimas de atos de vandalismo e 20 destruídas pelo fogo. E cerca de 20 foram demolidas desde 2000. "Elas têm um toque poético", enfatiza Meslet. Como essa imagem que ele chamou de 'Mãe de todas as sabedorias' e que encontrou, cercada por escombros, em uma abadia na França.
      1“Mãe de todas as sabedorias”

      Abadia dos séculos XI-XVII. Região de Nova Aquitânia (França) O fotógrafo e designer gráfico francês Francis Meslet, cristão não praticante, começou a retratar locais de culto abandonados. “O declínio da religião e a perda da fé são um fato em nossa sociedade”, argumenta. Desse interesse surgiu o livro ‘Igrejas abandonadas – Locais de culto em ruínas’ (sem edição no Brasil), que recebeu a menção honrosa no International Photography Awards. São 287 fotos de 37 lugares, na França, Bélgica, Alemanha, Itália e Portugal. Publicamos 10 desses retratos com a única condição de não oferecer suas localizações exatas, para proteger o que resta desses lugares de saques e pilhagens. Só na França, e só em 2019, o Observatório do Patrimônio Religioso contabilizou nada menos que 103 igrejas fechadas ou ameaçadas de fechamento, 65 vítimas de atos de vandalismo e 20 destruídas pelo fogo. E cerca de 20 foram demolidas desde 2000. “Elas têm um toque poético”, enfatiza Meslet. Como essa imagem que ele chamou de ‘Mãe de todas as sabedorias’ e que encontrou, cercada por escombros, em uma abadia na França. ©COUVERTURE_MESLET_JONGLEZ_01 / COVER DIE PORZELLANHEILIGEN / KIRCHE 13., 14., 16. UND 19. JAHRHUNDERT, FRANKREICH, NOUVELLE-AQUITAINE. © FRANCIS MESLET

    • Há muitas pesquisas por trás de cada viagem fotográfica que Meslet faz, lendo artigos sobre o patrimônio religioso em perigo e sobre as associações que o defendem. A Internet é uma ótima ferramenta. Outro é o Google Earth. Depois de fotografar as imagens para seu livro, ele pediu a um grupo de profissionais, seus "espectadores", que as descrevessem. “Dei três para cada um, de três lugares diferentes, sem informações adicionais. Sua missão era escrever cerca de 20 linhas sobre cada fotografia”. Como esta, intitulada 'Fascinação' e tirada em uma escola e capela católica do século XIX, na região do Centro-Vale do Loire (França).
      2“Fascinação”

      Colégio católico e capela do século XIX. Região Centro-Vale do Loire (França) Há muitas pesquisas por trás de cada viagem fotográfica que Meslet faz, lendo artigos sobre o patrimônio religioso em perigo e sobre as associações que o defendem. A Internet é uma ótima ferramenta. Outro é o Google Earth. Depois de fotografar as imagens para seu livro, ele pediu a um grupo de profissionais, seus “espectadores”, que as descrevessem. “Dei três para cada um, de três lugares diferentes, sem informações adicionais. Sua missão era escrever cerca de 20 linhas sobre cada fotografia”. Como esta, intitulada ‘Fascinação’ e tirada em uma escola e capela católica do século XIX, na região do Centro-Vale do Loire (França). ©MESLET_JONGLEZ_02 / SEITE 25 REICHE MIR DEN HIMMEL / KIRCHE 13. JAHRHUNDERT, FRANKREICH, BOURGOGNE-FRANCHE-COMTÉ. © FRANCIS MESLET

    • “Os fiéis partiram depois do culto e nunca mais voltaram. Eles sabiam que era a última missa?” Meslet se pergunta diante desta imagem tirada na igreja francesa. “Tudo parece estar em perfeita ordem. As cadeiras de madeira e palha gastas mantêm-se o melhor que podem, mal abaladas pela memória dos traseiros que delas se ergueram [...]”. O fotógrafo observa um órgão "com pedais soltos" à direita e "o púlpito de madeira cinza leitoso" à esquerda. “O coro é comprido e alto, acentuando a sensação de pesado vazio. Grandes vidraças com vitrais simples deixam entrar muita luz [...] No alto, quatro santos em faiança, empoleirados em seu pedestal, se desafiam com o olhar. Sem dúvida, as pombas parecem ter paixão por Cristo. De todos os poleiros que o coro possui, preferem meditar sobre a divina cabeça. Muitos deles encontraram nela calma e alívio ”, escreve.
      3Os santos da faiança

      Igreja dos séculos XIII, XIV, XVI e XIX. Região de Nova Aquitânia (França) “Os fiéis partiram depois do culto e nunca mais voltaram. Eles sabiam que era a última missa?” Meslet se pergunta diante desta imagem tirada na igreja francesa. “Tudo parece estar em perfeita ordem. As cadeiras de madeira e palha gastas mantêm-se o melhor que podem, mal abaladas pela memória dos traseiros que delas se ergueram […]”. O fotógrafo observa um órgão “com pedais soltos” à direita e “o púlpito de madeira cinza leitoso” à esquerda. “O coro é comprido e alto, acentuando a sensação de pesado vazio. Grandes vidraças com vitrais simples deixam entrar muita luz […] No alto, quatro santos em faiança, empoleirados em seu pedestal, se desafiam com o olhar. Sem dúvida, as pombas parecem ter paixão por Cristo. De todos os poleiros que o coro possui, preferem meditar sobre a divina cabeça. Muitos deles encontraram nela calma e alívio ”, escreve. ©MESLET_JONGLEZ_03 / SEITE 13 DIE KIRCHEN ZIEHEN SICH ZURÜCK, UM ZU STERBEN / KAPELLE 13. JAHRHUNDERT, ITALIEN, PIEMONT. © FRANCIS MESLET

    • A professora e romancista Sylvie Robic contemplou a imagem desta igreja do século 13, localizada na Borgonha (França), e escreveu estas palavras: “Minha solidão está no centro da minha igreja. Embora, por sua parte, a pequena Joana já faz muito tempo esforços fúteis. Nós duas, ainda de pé, enquanto tudo desaba. Joana protesta veementemente, mas a arquidiocese atrasa e a equipe municipal faz perguntas. Sobre a necessidade de um escoramento tão complicado e caro. Sobre uma possível reforma. Sobre o provável fechamento. Minha solidão no centro de minha igreja, terrivelmente obstruída, escurecida, oprimida por sua materialidade, no entanto se arma de paciência. Espero calmamente o advento de uma fé nua e crua. E com ela, a luz".
      4“Passa-me o céu”

      Igreja do século XIII. Borgonha (França) A professora e romancista Sylvie Robic contemplou a imagem desta igreja do século 13, localizada na Borgonha (França), e escreveu estas palavras: “Minha solidão está no centro da minha igreja. Embora, por sua parte, a pequena Joana já faz muito tempo esforços fúteis. Nós duas, ainda de pé, enquanto tudo desaba. Joana protesta veementemente, mas a arquidiocese atrasa e a equipe municipal faz perguntas. Sobre a necessidade de um escoramento tão complicado e caro. Sobre uma possível reforma. Sobre o provável fechamento. Minha solidão no centro de minha igreja, terrivelmente obstruída, escurecida, oprimida por sua materialidade, no entanto se arma de paciência. Espero calmamente o advento de uma fé nua e crua. E com ela, a luz”. ©MESLET_JONGLEZ_04 / SEITE 79 GEGENSÄTZE / KAPELLE 18. UND 19. JAHRHUNDERT, FRANKREICH, OKZITANIEN. © FRANCIS MESLET

    • “Logo pela manhã, numa estrada rural da Itália, fui para o primeiro lugar do dia”, Meslet começa na descrição desta capela do século XIII, que intitulou 'Igrejas se escondem para morrer'. “Acordei muito cedo porque tive que aproveitar os últimos momentos da noite para entrar em um antigo hospital psiquiátrico abandonado. O acesso estava bastante exposto e complicado. De repente apareceu na beira da estrada. Solitária. Completamente esquecida. Apenas a torre e sua cruz vacilante se projetava do enorme arbusto que a engoliu. Estacionei meu carro do outro lado da estrada, próximo a um campo, e me aproximei lentamente. Não conseguia acreditar no que estava vendo. Que foto. Orgulhosa, ainda de pé apesar das provações a que o tempo e os homens a submeteram. Lembrei-me da Capela de St. Paul, em Manhattan. O mesmo sentimento se misturou entre orgulho e desolação ", diz ele.
      5“As igrejas se escondem para morrer”

      Capela do século XIII. Piemonte (Itália) “Logo pela manhã, numa estrada rural da Itália, fui para o primeiro lugar do dia”, Meslet começa na descrição desta capela do século XIII, que intitulou ‘Igrejas se escondem para morrer’. “Acordei muito cedo porque tive que aproveitar os últimos momentos da noite para entrar em um antigo hospital psiquiátrico abandonado. O acesso estava bastante exposto e complicado. De repente apareceu na beira da estrada. Solitária. Completamente esquecida. Apenas a torre e sua cruz vacilante se projetava do enorme arbusto que a engoliu. Estacionei meu carro do outro lado da estrada, próximo a um campo, e me aproximei lentamente. Não conseguia acreditar no que estava vendo. Que foto. Orgulhosa, ainda de pé apesar das provações a que o tempo e os homens a submeteram. Lembrei-me da Capela de St. Paul, em Manhattan. O mesmo sentimento se misturou entre orgulho e desolação “, diz ele. ©MESLET_JONGLEZ_05 / SEITE 135 DAS FUNDAMENT DES GLAUBENS / KAPELLE 18. UND 19. JAHRHUNDERT, FRANKREICH, GRAND EST. © FRANCIS MESLET

    • O pintor, decorador e escritor Nicolas Hamm, outro dos “espectadores” recrutados por Francis Meslet, descreve os seus sentimentos ao ver a imagem desta capela dos séculos XVIII e XIX: “Ali... Estamos rodeados, embutidos em frescos, ou melhor, entre molduras suaves, recortes barrocos, mas com um toque 'kitsch'... A atmosfera geral é amarela... O altar também 'emoldurado'. Os bancos tão bem colocados e tão terrivelmente silenciosos. O chão pontilhado de manchas de sujeira contrasta com as manchas de vitral, 'rococoescas'. Jesus Cristo, azul, na frente, nos acolhe com um maneirismo espontâneo e fervoroso, embora um pouco simples. O chão definha enquanto o teto está coberto de estrelas… ".
      6“A paixão dos tristes”

      Capela dos séculos XVIII-XIX. Lombardia (Itália) O pintor, decorador e escritor Nicolas Hamm, outro dos “espectadores” recrutados por Francis Meslet, descreve os seus sentimentos ao ver a imagem desta capela dos séculos XVIII e XIX: “Ali… Estamos rodeados, embutidos em frescos, ou melhor, entre molduras suaves, recortes barrocos, mas com um toque ‘kitsch’… A atmosfera geral é amarela… O altar também ’emoldurado’. Os bancos tão bem colocados e tão terrivelmente silenciosos. O chão pontilhado de manchas de sujeira contrasta com as manchas de vitral, ‘rococoescas’. Jesus Cristo, azul, na frente, nos acolhe com um maneirismo espontâneo e fervoroso, embora um pouco simples. O chão definha enquanto o teto está coberto de estrelas… “. ©MESLET_JONGLEZ_06 / 155 WIE LANGE SCHON? / KLOSTER 17. UND 19. JAHRHUNDERT, ITALIEN, UMBRIEN. © FRANCIS MESLET

    • "O antigo hospital parece deserto. Depois de passar por um pequeno portal que dá para a rua, imediatamente localizo a capela, graças à forma característica de sua torre. Um portal parece estar aberto. Entrei." Assim começa a descrever o Meslet sobre esta capela na região do Grande Leste da França. O arco triunfal marca a entrada para a capela-mor semicircular. Um Cristo "envolto em luz divina parece querer se libertar da gravidade zero". Diante do altar, uma pilha de bancos empilhados que impedem qualquer desvio. "Parece que foram colocados em quarentena." Ao descer os três degraus que separam o coro da igreja, um piso de terra batida “destripado por uma grande ferida coberta de entulhos e partículas de madeira em decomposição”. A carpintaria foi arrancada e uma parte jogada fora. “É assim que as capelas dos hospitais agonizam? Elas, por sua vez, são afetadas pela maldade dos residentes que vêm rezar para serem curados? Não. Vários cateteres fluorescentes pontilham as paredes e sugerem a injeção de uma vacina no coração do pedra. Visitarei este paciente novamente para perguntar sobre sua saúde ", escreve ele.
      7“Os fundamentos da fé”

      Capela dos séculos XVIII e XIX. Região de Grande Leste (França) “O antigo hospital parece deserto. Depois de passar por um pequeno portal que dá para a rua, imediatamente localizo a capela, graças à forma característica de sua torre. Um portal parece estar aberto. Entrei.” Assim começa a descrever o Meslet sobre esta capela na região do Grande Leste da França. O arco triunfal marca a entrada para a capela-mor semicircular. Um Cristo “envolto em luz divina parece querer se libertar da gravidade zero”. Diante do altar, uma pilha de bancos empilhados que impedem qualquer desvio. “Parece que foram colocados em quarentena.” Ao descer os três degraus que separam o coro da igreja, um piso de terra batida “destripado por uma grande ferida coberta de entulhos e partículas de madeira em decomposição”. A carpintaria foi arrancada e uma parte jogada fora. “É assim que as capelas dos hospitais agonizam? Elas, por sua vez, são afetadas pela maldade dos residentes que vêm rezar para serem curados? Não. Vários cateteres fluorescentes pontilham as paredes e sugerem a injeção de uma vacina no coração do pedra. Visitarei este paciente novamente para perguntar sobre sua saúde “, escreve ele. ©MESLET_JONGLEZ_07 / SEITE164 MUTTER ALLER ERKENNTNIS / ABTEI 11., 12., 13. UND 17. JAHRHUNDERT, FRANKREICH, NOUVELLE-AQUITAINE. © FRANCIS MESLET

    • Para Frédérique Villemur, escritora e historiadora da arte, a contemplação desta imagem correspondente a um mosteiro dos séculos XVII a XIX, na região italiana da Úmbria, inspirou estas palavras: “[...] O murmúrio da folhagem abalou o ar sem que o vento tivesse nada a ver com isso. Uma coluna de formigas quebrou a linha. Nada parecia estar mais no lugar. [...] A terra começou a tremer suavemente, regularmente, na mesma direção, diagonalmente, depois de cima para baixo com maior firmeza, com maior força. Ela falava uma linguagem imemorável, audível e indiscernível. Quando seus sinais se tornaram visíveis e compreensíveis, sem que soubéssemos quem falava com ela, exceto por ondas sucessivas, nós a ouvíamos sem ver em que o espaço estava prestes a se desdobrar. Uma imensa teia de linhas correndo no chão começou a rastejar pelas paredes dos edifícios como uma seiva secreta se infiltra sob uma segunda pele, girando mais rápido que uma aranha. Cada palácio, cada igreja de repente falava sua própria língua, nunca ouvida, nunca ouvida, que mostrava em que corpo haviam sido construídos. Todos, em seu esqueleto, vibraram com uma pele diferente. Um poderoso São Cristóvão, carregando o Salvador nos ombros, permaneceu preso em um nicho na parede. Do alto, a luz penetrava pela fenda no telhado rebaixado. As telhas quebradas racharam sob os degraus, as vigas se misturaram com os joelhos. Ao lado de uma lâmpada pendurada no teto da igreja, uma saia de madeira desafiava verticalmente a gravidade [...] "
      8“Há quanto tempo?”

      Mosteiro dos séculos XVII e XIX. Úmbria (Itália) Para Frédérique Villemur, escritora e historiadora da arte, a contemplação desta imagem correspondente a um mosteiro dos séculos XVII a XIX, na região italiana da Úmbria, inspirou estas palavras: “[…] O murmúrio da folhagem abalou o ar sem que o vento tivesse nada a ver com isso. Uma coluna de formigas quebrou a linha. Nada parecia estar mais no lugar. […] A terra começou a tremer suavemente, regularmente, na mesma direção, diagonalmente, depois de cima para baixo com maior firmeza, com maior força. Ela falava uma linguagem imemorável, audível e indiscernível. Quando seus sinais se tornaram visíveis e compreensíveis, sem que soubéssemos quem falava com ela, exceto por ondas sucessivas, nós a ouvíamos sem ver em que o espaço estava prestes a se desdobrar. Uma imensa teia de linhas correndo no chão começou a rastejar pelas paredes dos edifícios como uma seiva secreta se infiltra sob uma segunda pele, girando mais rápido que uma aranha. Cada palácio, cada igreja de repente falava sua própria língua, nunca ouvida, nunca ouvida, que mostrava em que corpo haviam sido construídos. Todos, em seu esqueleto, vibraram com uma pele diferente. Um poderoso São Cristóvão, carregando o Salvador nos ombros, permaneceu preso em um nicho na parede. Do alto, a luz penetrava pela fenda no telhado rebaixado. As telhas quebradas racharam sob os degraus, as vigas se misturaram com os joelhos. Ao lado de uma lâmpada pendurada no teto da igreja, uma saia de madeira desafiava verticalmente a gravidade […] “ ©MESLET_JONGLEZ_08 / SEITE 170 FASZINATION / KATHOLISCHES KOLLEG UND KAPELLE 19. JAHRHUNDERT, FRANKREICH, CENTRE-VAL DE LOIRE. © FRANCIS MESLET

    • “A ferida de uma longa fenda abre um fundo cinza claro. Sobre isso, e para o olhar dos fiéis, um altar instalado sobre um pedestal destaca uma silhueta ferida de morte, a metade esquerda de sua base estava afundada. Irônico porque, como a cruz de um visor que bem poderia ser de uma câmera ou de um canhão, um pequeno quadrado de orlas douradas emoldura uma cruz de braços iguais. Acima, um crucifixo comenta a cena [...] ”. O filósofo Jean-Pierre Marchand descreve meticulosamente essa imagem do século 20, um espaço "sem milagres ou mistérios". Na saída, "somos acompanhados por duas grandes cruzes brancas ortodoxas que formam um corredor. Cada uma delas se destaca na cor amarela de dois grandes vitrais que, ambos igualmente, apresentam duas seções quebradas em forma de raio de luz que mostram bem o mundo profano. Ao nível do solo, à direita, um friso amarelo permanece intacto enquanto o seu irmão, no vitral esquerdo, perdeu o vidro e a cor ”.
      9“O castigo”

      Cripta do século XX. Ligúria (Itália) “A ferida de uma longa fenda abre um fundo cinza claro. Sobre isso, e para o olhar dos fiéis, um altar instalado sobre um pedestal destaca uma silhueta ferida de morte, a metade esquerda de sua base estava afundada. Irônico porque, como a cruz de um visor que bem poderia ser de uma câmera ou de um canhão, um pequeno quadrado de orlas douradas emoldura uma cruz de braços iguais. Acima, um crucifixo comenta a cena […] ”. O filósofo Jean-Pierre Marchand descreve meticulosamente essa imagem do século 20, um espaço “sem milagres ou mistérios”. Na saída, “somos acompanhados por duas grandes cruzes brancas ortodoxas que formam um corredor. Cada uma delas se destaca na cor amarela de dois grandes vitrais que, ambos igualmente, apresentam duas seções quebradas em forma de raio de luz que mostram bem o mundo profano. Ao nível do solo, à direita, um friso amarelo permanece intacto enquanto o seu irmão, no vitral esquerdo, perdeu o vidro e a cor ”. ©MESLET_JONGLEZ_09 / SEITE 187 DIE STRAFE / KRYPTA 20. JAHRHUNDERT, ITALIEN, LIGURIEN. © FRANCIS MESLET

  • “Já vi essa imagem em meus sonhos, não exatamente esta, mas uma imagem semelhante”, inicia o texto o músico Michel Cloup. E continua: “Eu estava com uma câmera Go-Pro nas mãos, fazia uma espécie de documentário que colocaria no meu canal no YouTube, num futuro que parecia distante. Ensinava a crianças e adolescentes lugares que eles não conheciam, vestígios de uma civilização passada, de uma época anterior: restaurantes de fast food, fábricas gigantescas, matadouros, estúdios de televisão, centros comerciais, locais de culto. Todos foram danificados, parcialmente destruídos e abandonados. Este tinha sido vítima de uma inundação. Depois, filmava as suas reações e discutíamos. Naquele dia, nenhum daqueles jovens quis acreditar em mim quando lhes contei sobre as diferentes religiões, seus rituais e os crimes cometidos em seu nome. Eles ficaram com medo e me pediram para ir embora o mais rápido possível. "
    10“Renda-se ao mundo do esquecimento e da ausência generalizada”

    Convento e cripta do século XIV. Região de Lisboa (Portugal) “Já vi essa imagem em meus sonhos, não exatamente esta, mas uma imagem semelhante”, inicia o texto o músico Michel Cloup. E continua: “Eu estava com uma câmera Go-Pro nas mãos, fazia uma espécie de documentário que colocaria no meu canal no YouTube, num futuro que parecia distante. Ensinava a crianças e adolescentes lugares que eles não conheciam, vestígios de uma civilização passada, de uma época anterior: restaurantes de fast food, fábricas gigantescas, matadouros, estúdios de televisão, centros comerciais, locais de culto. Todos foram danificados, parcialmente destruídos e abandonados. Este tinha sido vítima de uma inundação. Depois, filmava as suas reações e discutíamos. Naquele dia, nenhum daqueles jovens quis acreditar em mim quando lhes contei sobre as diferentes religiões, seus rituais e os crimes cometidos em seu nome. Eles ficaram com medo e me pediram para ir embora o mais rápido possível. “ ©MESLET_JONGLEZ_10 BEI OFFENEM GRABE / KLOSTER UND KRYPTA 14. JAHRHUNDERT, PORTUGAL, LISSABON. © FRANCIS MESLET