Haddad virou maior cabo eleitoral de Bolsonaro

Josias de Souza

Na nova pesquisa do Ibope, o único candidato que se mexeu fora da margem de erro foi Haddad. Cresceu três pontos, de 19% para 22% das intenções de voto. Consolidou-se na vice-liderança. E aproximou-se um pouco mais do líder Bolsonaro, que permenaceu estacionado na marca de 28%. A dinâmica da disputa transformou o poste de Lula no maior cabo eleitoral do capitão.

Mantendo-se a curva ascendente de Haddad, eleitores que não desejam a volta do PT ao Planalto —hoje abrigados sob os guarda-chuvas sem pano de Alckmin (8%), Amoêdo (3%), Dias (2%) e Meirelles (2%)— podem ser acometidos da febre dos eleitores picados pelo mosquito do voto útil. Isso os levaria a reforçar as fileiras de Bolsonaro, para tentar evitar o que consideram ser um mal maior.

Não seria absurdo se, na outra ponta, pedaços do eleitorado de Ciro (11%) e mesmo de Marina (5%) caíssem no colo de Haddad. Seriam picados pelo mesmo tipo de mosquito. Com a diferenca de que dariam utilidade ao voto entregando-o àquele que polariza a disputa com o capitão.

No momento, metade do eleitorado está fora da polarização. As próximas pesquisas sinalizarão o caminho que essa massa de votos vai seguir. Por enquanto, 44% dos eleitores afirmam que jamais votariam em Bolsonaro. Outros 30% declaram que não optariam por Haddad de jeito nenhum. Esse percentual pode crescer, pois a rejeição a Lula superava os 40%. A exclusão elegerá o futuro presidente, não a preferência.

Deixe uma resposta