Deixe um comentário

Tillerson chega ao Golfo para mediar crise do Catar com vizinhos

Kuwait, EUA e Grã-Bretanha pedem aos países do Golfo que resolvam a questão ‘o mais cedo possível’.

 Secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, é recepcionado no Kuwait pelo ministro de Relações Exteriores Sabah al-Khalid al-Sabah  (Foto: Kuwait News Agency (KUNA)/Handout via REUTERS)
Por France Presse

O secretário de Estado americano, Rex Tillerson, chegou nesta segunda-feira (10) ao Kuwait para uma visita de vários dias pela região do Golfo para tentar desatar a profunda crise entre o Catar e seus vizinhos, aliados estratégicos dos Estados Unidos.

De acordo com o Departamento de Estado, a agenda inclui Catar e Arábia Saudita.

Tillerson chegou ao Kuwait procedente da Turquia, onde também analisou a crise do Golfo, e foi recebido pelo emir, xeque Sabah Al-Ahmad Al-Sabah e também se reuniu com seu homólogo kuwaitiano, xeque Sabah Khaled Al-Hamad Al-Sabah.

Após a reunião, Kuwait, Estados Unidos e Grã-Bretanha emitiram um comunicado conjunto no qual pediram aos países do Golfo que “contenham de forma rápida a atual crise e que resolvam a questão o mais cedo possível mediante o diálogo”, segundo a agência de notícias KUNA.

Antes de Tillerson, os ministros das Relações Exteriores de Grã-Bretanha, Alemanha e Omã e um enviado especial da ONU também passaram pela região para oferecer seus bons ofícios nesse conflito sem precedentes. Nenhum deles teve sucesso.

Rompimento com o Catar

Em 5 de junho passado, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egito romperam suas relações diplomáticas com o Catar, acusando o vizinho de apoiar o “terrorismo” e de se aproximar do Irã, adversário regional de Riad.

Na sequência, em 22 de junho, esses países entregaram a Doha uma lista de 13 reivindicações. Exigiram, sobretudo, o fechamento da emissora de televisão Al-Jazeera e a redução de suas relações com Teerã para suspender as sanções que haviam sido impostas. Entre as reivindicações também está o fechamento da única fronteira terrestre do emirado.

Doha rejeita as acusações de seus adversários e se nega a cumprir as exigências que seriam “irrealistas” e iriam contra sua soberania.

‘Impasse’

“Estamos em um impasse”, declarou à imprensa RC Hammond, porta-voz de Tillerson, considerando que uma saída da crise poderia levar alguns meses.

Os Estados Unidos, que possuem uma base militar estratégica na luta contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI) no Catar, têm importantes interesses econômicos e políticos no Golfo, uma região que produz um quinto do petróleo mundial.

Até o momento, o governo de Donald Trump se mostrou contraditório em relação a essa crise. Enquanto o presidente pareceu apoiar o isolamento do Catar, acusando publicamente o emirado de “financiar o terrorismo”, seu secretário de Estado adotou desde o início uma estratégia de neutralidade.

Para o analista Abdallah al-Shayeji, a viagem de Tillerson comprova o compromisso dos Estados Unidos para resolver a crise. “É uma última tentativa para salvar a situação e tentar resolver a crise que pode atingir a estabilidade regional, a luta contra o terrorismo e a campanha contra o EI”, disse Al-Shayeji à AFP. Ele admite, no entanto, que uma solução será alcançada apenas se ambas as partes fizerem concessões.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: