Deixe um comentário

Avião famoso por sequestro deixará Fortaleza para voltar à Alemanha

*** FOTO ALTA*** The former Lufthansa machine "Landshut" is parked and unfunctioning at the the airport in Fortaleza, Brazil, 31 January 2017. She was last used as a transport machine for the Brazilian airline TAF. Photo: Paulo Wagner/ TMA Fortaleza/ DPA ORG XMIT: 99-284004 ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***

Há oito anos descansa no “cemitério” do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza, um avião que está na história da Alemanha. E que agora voltará para casa.

Um acordo judicial assinado em 24 de maio entre o governo alemão, a Infraero e a empresa brasileira TAF Linhas Aéreas deu posse aos alemães de um Boeing 737-200 que pertenceu à companhia Lufthansa.

Em 1977, essa aeronave foi alvo de um sequestro com 91 pessoas a bordo, que durou cinco dias e assustou a Alemanha no auge das ameaças do grupo de extrema esquerda conhecido como Baader-Meinhof –três sequestradores e o piloto morreram.

O avião, pelo acordo, deverá ser retirado do aeroporto cearense até novembro, mas o governo alemão pretende fazer isso antes de outubro, quando se completará 40 anos do sequestro. A intenção é que ele fique exposto em um museu no país –não há uma definição de qual cidade o abrigará.

A Folha teve acesso ao documento, homologado pela Justiça Federal do Ceará. A TAF, dona da aeronave desde 2002, aceitou entregá-la ao governo alemão, que topou pagar R$ 75.936 à Infraero, valores referentes ao que estatal cobrava da empresa pelo custo da permanência do avião no aeroporto.

Ele fica em um setor que é chamado de “cemitério”, porque ali ficam veículos não utilizados há muitos anos, boa parte deles apenas sucatas.

Sucata não é o caso do Boeing que será entregue aos alemães, ao menos é o que diz Ariston Pessoa Filho, proprietário da TAF. Segundo ele, o avião será devolvido com todos os assentos e equipamentos que pertenciam à aeronave quando ela parou de operar, em 2009 –apesar de intacto, não tem mais condições de voo e será desmontado para ir do Brasil à Alemanha.

Após o sequestro em 1977, o Boeing permaneceu com a Lufthansa até 1985, quando foi vendido à americana Presidential Airways. Passou depois pelas mãos de outras seis companhias, de Honduras à Indonésia, até ser vendido pela Transmile Air Services, da Malásia, para a TAF, em 2002.

“Compramos o avião em 2002, foi meu pai, que comandava na época a empresa, quem fez o negócio. Sabíamos que ele havia sido da Lufthansa, mas não tínhamos ideia do sequestro. Eu só soube uns três anos atrás, quando pela primeira vez alguém da Embaixada da Alemanha nos procurou”, contou Pessoa.

*** ALTA*** Some of the liberated hostages, partly covered with sheets, leave the Lufthansa aircraft "Cologne" in Frankfurt am Main on the 18th of October in 1977 in Frankfurt am Main. The Lufthansa aircraft "Landshut" with more than 80 travellers on board was hijacked by four terrorists five days ago during the flight from Mallorca to Frankfurt. After an odyssee via Rome, Cyprus, Dubai and Aden, the hostages were liberated by the German elite unit GSG-9 in Mogadishu/Somalia. PHOTO HEINZ WIESELER / DPA / AFP ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
Reféns deixam a aeronave, então pertencente à Lufthansa, após sequestro em 1977

O interesse da TAF na aeronave à época, contou Pessoa, foi porque ela permitia tanto o transporte de passageiros quanto de carga. “Você consegue tirar os assentos, se precisar, em 30 minutos, eles ficam sobre paletes. Inicialmente o usamos para passageiros, o primeiro voo foi para Parintins. Depois ele foi mais utilizado para cargas, trabalhamos por algum tempo com os Correios.”

Em 2009, a TAF já sofria problemas financeiros, e o avião foi encostado. Fundada em 1957, a empresa se especializou em transporte de cargas, mas hoje está em inatividade, segundo seu advogado no caso, Ademar Mendes Bezerra Júnior.

O acordo se arrastou por alguns anos desde o primeiro contato do governo alemão interessado na aeronave, em 2014, porque, mesmo parada, ela era usada pela TAF como garantia financeira a processos em que é ré. “Quando a Alemanha demonstrou o valor histórico, a empresa não se opôs em ceder”, disse Bezerra Júnior.

No acordo judicial, a TAF fez só uma solicitação aos alemães: onde quer que a aeronave seja exibida, terá que ter uma referência ao fundador da empresa brasileira, João Ariston Pessoa Filho, morto em 2011 e pai do atual dono.

O SEQUESTRO

Em 13 de outubro de 1977, o Boeing 737-200 da Lufthansa foi sequestrado em Palma de Mallorca, na Espanha, pouco depois de iniciar a rota planejada até Frankfurt (Alemanha) com 86 passageiros e cinco tripulantes a bordo.

O sequestro foi executado por quatro membros da Frente Popular para a Libertação da Palestina, em apoio às ações na Alemanha do grupo de extrema esquerda Baader-Meinhof –exigia-se a libertação de presos ligados aos palestinos e aos alemães e o pagamento de US$ 15 milhões.

Por cinco dias o avião passou por cinco países diferentes, sempre pousando para reabastecer, até descer em Mogadíscio, capital da Somália, onde um grupo da elite da polícia alemã conseguiu invadir a aeronave.

Três dos quatro terroristas morreram na ação–o piloto do avião, Jürgen Schumann, havia sido morto com um tiro horas antes. Os demais tripulantes e passageiros saíram ilesos.

FOLHA DE SÃO PAULO

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: