Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Entrada do Cine PE – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

O primeiro dia da 17ª edição do Cine PE mostrou que, sim, o Brasil é o país do futebol e do cinema, fazendo jus ao tema deste ano. Com entrada que simulava um gramado, o público chegou pontualmente, mas só desfilou pela passarela depois de algum tempo. Com atraso, três curtas e um longa-metragem abriram o festival, que começou ontem, no Teatro Guararapes, com um público que não lotou o lugar, mas se mostrou entusiasmado. Sob a direção de Alfredo e Sandra Bertini, o festival apresenta, até o dia 2 de maio, mais 35 filmes, entre longas e curtas.

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Alfredo Bertini – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

Do mesmo modo que uma das propagandas do festival, jogadores perfilados subiram ao palco do teatro com camisas estampando nomes de importantes personagens do cinema brasileiro, a exemplo do Capitão Nascimento. Foram apresentados, na noite de estreia, os curtas 12:40, do alagoano Dário Jr., Íris, do paulista Kiko Mollica, e Joana, animação dirigida pelo mineiro Daniel Pinheiro. O longa da noite foi “Giovanni Improtta”, protagonizado e dirigido por José Wilker, uma co-produção da Luz Mágica e Cacá Diegues. “Estreei como ator no Recife”, disse Wilker, que é cearense, em discurso no palco do festival.

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Atores e produção do filme “Giovanni Improtta” – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

Criado por Carlos Niemeyer em 1957, o Canal 100 foi o homenageado da noite. Alexandre Niemeyer, filho de Carlos, foi quem recebeu o troféu Calunga de Ouro das mãos do jornalista Claudemir Gomes. Em nome do Canal 100, ele preparou uma surpresa para os pernambucanos. Imagens inéditas de jogos dos três maiores clubes do estado foram mostradas, o que deixou o público ainda mais animado. Ouvia-se, por vezes, gritos e palmas da plateia.

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

Todos os diretores dos filmes exibidos estavam presentes. Outras presenças ilustres marcaram a noite. O prefeito do Recife, Geraldo Julio, prestigiou o evento ao lado da primeira-dama, Cristina Mello. “O cine PE mexe com a economia criativa, que é onde está o futuro da economia da nossa cidade”, enfatizou Geraldo. Quem estava por lá, também, foi o secretário Tadeu Alencar, lembrado na apresentação do evento, feita pela jornalista Graça Araújo. Alguns atores e membros do júri também prestigiaram a abertura. Othon Bastos, Milton Gonçalves, André Mattos, Paula Burlamaqui e Isabel Wilker estavam por lá. Um dos mais importantes críticos de cinema do país, Rubens Ewald Filho, não perdeu a estreia.

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

O prefeito do Recife, Geraldo Julio, e a primerira-dama, Cristina Mello – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

Além dos filmes, oficinas estão sendo oferecidas na programação e um jogo de futebol, para celebrar o tema do festival neste ano, deve acontecer no dia 1º de maio, ainda sem lugar definido. A partida reunirá alguns diretores de cinema, pessoas ligadas à organização do festival, e o prefeito Geraldo Julio, segundo Alfredo Bertini, já disse que quer jogar.

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Alfredo e Sandra Bertini – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Milton Gonçalves e Othon Bastos – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

José Wilker – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

 

Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

Rubens Ewald Filho – Crédito: Nando Chiappetta/DP/D.A Press

fo nte:blogjoãoalberto/DP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.