Deixe um comentário

Afinal, por que o BNDES financiou obras em países mais corruptos que o Brasil?

Perdão da Dívida de Países Africanos

(Fotomontagem do site Política Brasileira)

Entre 1998 e 2016, do total de 91 obras financiadas pelo BNDES para serem construídas no exterior, maioria (59=65%) ultrapassou o valor de US$ 100 milhões (R$ 325 milhões, na média). Os dados estão sendo coletados desde 2015 e foram obtidos por meio: a) da Planilha “Contratações referentes a desembolsos no apoio à exportação pelo BNDES Pós Embarque (Contratações entre 1998 e 2014)”; b) do Relatório de Auditoria do TCU, realizada no BNDES e apresentado em 2016 (Doc. AC-1413-19/16-P, contratações entre 2005 e 2014); c) do Relatório do IPEA publicado em 2017 (Financiamento do BNDES para Obras e Serviços de Empresas, período de 2002 a 2016); d) Ministério Público Federal; e) Estadão, Globo, Folha, Valor Econômico, Época, Congresso em Foco; f) Site Sputniks.

A partir desses empreendimentos, buscamos saber quais empresas receberam recursos, os países beneficiados, qual a posição desses países no ranking global de corrupção, qual o valor total das obras e qual o valor total estimado em propinas, adotando três cenários: o Otimista, usando 1% de propina sobre o valor do contrato (assumindo que apenas o PT tenha praticado o ato); o Realista, com 5% (PT+PMDB+outros); e o Pessimista, com 10%, assumindo que agentes corruptos dos países que sediaram as obras também subtraíram recursos.

US$ 19 BILHÕES – Os valores foram fixados a partir dos relatos de delatores da Lava a Jato, especialmente os executivos da Andrade Gutierrez (AG), Odebrecht (Od) e JBS. Ao todo, cerca de US$ 19 bilhões foram destinados para 59 obras sob responsabilidade de apenas cinco empreiteiras:

1º) Odebrecht, líder do cartel, ficou com maioria (61%) das Obras, 36 empreendimentos que representam um total de financiamento na ordem de US$ 14,46 bilhões; 2º) Andrade Gutierrez ficou com cinco obras (8,5%) que totalizam US$ 2,26 bilhões; 3º) Queiroz Galvão, com cinco obras (8,5%), no total de US$ 1.1 bilhão; 4º) OAS com três obras (5%), que totalizam perto de US$ 745 milhões; e 5º) Camargo Correa, com duas obras (3,4%) que somam US$ 487 milhões.

RANKING DA CORRUPÇÃO – Em relação aos países, identificamos não somente o destino dos recursos como também a classificação deles no ranking global de corrupção, com base no Índice de Percepção da Corrupção (IPC, 2016) da ONG International Transparency.

Quanto mais alto no ranking, maior é a percepção da população sobre a corrupção naquela localidade. Apenas para efeito comparativo, em 2016, o Brasil ficou na posição número 79 dentre 176 países analisados. E ao todo, 15 países foram os destinos desses financiamentos, sendo que na maioria deles (12 países=80%) sua população tem percepção da corrupção bem pior do que a do Brasil. Seriam ainda mais corruptos do que nós.

Bem, aplicando os cenários sugeridos, há a possibilidade de ter sido desviado em valores totais dessas 59 obras, para pagamento de propinas: no CenárioOtimista = R$ 619 milhões; no Cenário Realista = desvio de R$ 3,1 bilhões; e no Cenário Pessimista = propinas de R$ 6.2 bilhões.

CONCLUSÃO – Finalmente, convido o(a) nobre leitor(a) a também checar os números e a questionar o PT, o PMDB, o ex-ministro Guido Mantega e o ex-presidente do BNDES, economista Luciano Coutinho: a) a sigilosidade desses contratos; b) o favorecimento de empreiteiras que subtraíram a Petrobras; c) e os motivos pelos quais priorizaram países com alto nível de corrupção.

 

Jonas Gomes da Silva
Estadão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: