O Partido Renovador Trabalhista Brasileiro, do candidato à Presidência Levy Fidelix, tem uma “ala gay” no Rio Grande do Sul.

 

O próprio partido acolhe a comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros) há pelo menos três anos no RS, desde quando o partido se estruturou no Estado.

 

O PRTB gaúcho tem cerca de 4.000 filiados e a “ala gay”, chamada de PRTB Total, é organizada informalmente por cerca de 30 simpatizantes.

 

O PRTB ganhou visibilidade no último domingo (28), durante o debate presidencial na TV Record, quando o candidato Fidelix, presidente do partido, atacou a união homoafetiva.

 

O candidato disse, em resposta à pergunta de Luciana Genro (PSOL) sobre o tema, que “dois iguais não fazem filho” e “aparelho excretor não reproduz”.

 

Sobre o posicionamento de Fidelix durante o debate, Tomás Sá Pereira, jornalista e coordenador da campanha do PRTB no RS, afirma que não é o pensamento da maioria.

 

“Em nenhum momento ele falou no partido. Nenhum filiado é obrigado a pensar como ele. Ele sabe que os demais filiados não concordam com a posição dele”, diz o coordenador. Segundo Pereira, a discordância com o candidato à Presidência “faz parte do jogo democrático”.

 

“Eles [LGBT] procuraram o partido e o partido acolheu”, explica Edison Estivalete (PRTB), candidato a governador do RS.

 

“Tem espaço para todo mundo para todos os gêneros. Não temos discriminação. O gaúcho não tem problema com ninguém”, disse Estivalete (PRTB) ao blog.

 

DEBATE

 

A polêmica também veio à tona no debate dos candidatos ao governo do RS realizado na noite da última terça-feira (30).

 

O discurso de Fidelix, considerado homofóbico por ativistas da causa gay, foi usado contra Estivalete pelo adversário Roberto Robaina (PSOL), ex-marido de Luciana Genro.

 

“Nós nos horrorizamos com as declarações homofóbicas do seu candidato a presidente da República”, disse Robaina.

 

“Nós gaúchos não temos preconceito com ninguém. Fiquem bem tranquilos. Respeitamos todos os gêneros. A gauchada aqui é bem diferente, a política gaúcha é de respeito”, respondeu Estivalete.

 

Mesmo a favor da causa LGBT, Estivalete disse durante o debate que não concorda com o casamento gay dentro de um Centro de Tradições Gaúchas (CTG), por exemplo.

 

Ele repetiu sua opinião ao blog: “Somos a favor das regras de cada local. Sou a favor [do casamento gay], mas não dentro do CTG”.

 

No mês passado, o CTG Sentinelas do Planalto, em Santana do Livramento, que receberia um casamento gay, foi incendiado.

Deixe uma resposta