Datafolha indica que no segundo turno, Nunes tem 48% e Boulos, 38%

É a primeira vez que o instituto testa um cenário de segundo turno

Pedro do Coutto

Em São Paulo, na disputa pela Prefeitura, pesquisa do Datafolha publicada ontem pela Folha de S. Paulo, aponta uma vitória de Ricardo Nunes no segundo turno, quando alcançaria 48% dos votos contra 38% de Guilherme Boulos.

A margem é muito grande e causa surpresa, pois no primeiro turno, segundo as pesquisas, haveria um equilíbrio de 25% para Nunes e 24% para Boulos. Isso demonstra que, num eventual segundo turno, parte dos eleitores da candidata Tabata do Amaral tenderiam para Nunes.

SEGUNDO TURNO – É a primeira vez que o instituto testa um cenário de segundo turno para esta disputa. Votos brancos, nulos ou quem afirmou que não votaria somam 12%; 2% dos eleitores não souberam responder. Os dois pré-candidatos aparecem empatados tecnicamente na pesquisa divulgada nesta sexta: Nunes, com 24%, e Boulos, com 23%.

Num eventual segundo turno, Nunes herdaria 52% dos votos de Datena (PSDB), enquanto 33% disseram que votariam em Boulos. Entre os eleitores que dizem votar em Pablo Marçal (PRTB), 62% migrariam para Nunes ante 12% que iriam para o deputado psolista. Entre quem declarou voto em Tabata Amaral (PSB) no primeiro turno, 56% escolheriam Boulos no segundo, contra 33% que iriam com Nunes.

MARGEM DE ERRO – Entre os eleitores do ex-presidente Jair Bolsonaro, 72% declararam votar em Nunes na segunda rodada, ante 14% que escolheriam o adversário. No grupo dos eleitores do presidente Lula da Silva, 57% preferem Boulos e 37%, Nunes. A pesquisa tem margem de erro de três pontos para mais ou menos.

Os detalhes da pesquisa mostram uma tendência que realmente revela-se como uma surpresa bastante grande no segundo turno. É uma prévia entre tantas outras disputas que ocorrerão em diversas capitais nas quais a polarização entre Lula e Bolsonaro se refletirá sobre as campanhas.

A disputa na capital de São Paulo é de extraordinária importância como um indicador das eleições de 2026.  O presidente Lula terá que agir em São Paulo na tentativa de reverter o quadro em que o seu candidato declarado, segundo o Datafolha, poderá ser derrotado.