Há algo de errado, e o governo Lula está passando a impressão de um vazio inútil. Por Janio de Freitas

Incapaz de se defender, Lula foge do tema corrupção como o diabo foge da cruz

Lula não conseguiu dar uma sintonia a seu terceiro mandato

Por Janio de Freitas
Poder360

A memória dos dois primeiros governos Lula da Silva é, paradoxalmente, um peso sobre o terceiro. Eufórico e inovador na política social e nas relações externas, mas conservador na política econômica, o primeiro governo criou, em pouco tempo, um ambiente otimista que envolveu as velhas hostilidades a Lula e ao PT.

Era natural que a expectativa para o terceiro mandato, explícita ou não, fosse moldada pela memória dos dois primeiros. O ambiente não corresponde ao esperado. Com evidência até mais forte do que as indicações de várias pesquisas.

POUCA HOSTILIDADE – Excetuados os extremistas evangélicos/bolsonaristas, não há hostilidades que ajudem a explicar o cenário. Nem mesmo por parte da mídia, onde a oportunidade de oposição vantajosa ainda não é agressiva, ensaia nos limites da animosidade. Não é por aí.


O governo decepciona. O fato de não ter sido formulada não implica em negar à decepção a força de principal ingrediente no desgaste do governo e do próprio presidente. Tanto na conceituação pública como no Congresso. O reflexo desse enfraquecimento recai, antes de tudo, no governo mesmo.

A recusa do Congresso a dois vetos parciais do presidente a aprovações do Legislativo está tratada pela mídia com escândalo: derrota arrasadora de Lula e do governo.

LISURA NAS ELEIÇÕES – Com isso, não foi dito que grande maioria derrubou o veto que restabeleceria uma providência importantíssima para a lisura das disputas eleitorais.

Bolsonaro, em confissão indireta, vetara a penalização judicial da prática de fake news, as falsidades contra candidatos, nas campanhas eleitorais. Senadores e deputados, por motivo óbvio, preferiram proteger a calúnia criminosa com finalidade eleitoral. Lula e o governo foram derrotados, sim. Tal como se dá nas costumeiras apreciações de vetos, e de outras vezes com aprovação. “O problema é na pauta de costumes”, dizem, por contrariarem os evangélicos e o conservador Centrão.

A realidade, porém, é que as aprovações têm custo muito alto para o governo. Duas vezes. Na primeira, pela exigência extorsiva para a aprovação. Na outra, pela concessão, em cargo ou ato, negativa para o governo.

DENTRO DO GOVERNO -As dificuldades não são menores nem dentro do governo. Fina ou grossa, não há sintonia. Nem poderia haver, com a disparidade no alto nível composto, em grande parte, sem critério sequer razoável, por indicações originárias do Congresso com fins impróprios.

O governo inspira a impressão de um vazio inútil, em cujo entorno uns poucos se movem. Destes até vêm resultados, no entanto, distantes da percepção pública. Neste ano, não considerado maio, foram criados quase um milhão de empregos legalizados, a inflação está desarmada, a educação infantil avançou, e nem isso se salva da decepção.

Remodelar o governo e dar-lhe vida é necessidade elementar de Lula. O ambiente amorfo começa a atingir os êxitos e perspectivas da política econômica, um sinal claro. Mas remodelação ao gosto dos arthurliras os decepcionados dispensam.