Deixe um comentário

Dois mortos e oito detidos em ataque a base militar na Venezuela

Presidente diz que dos 10 atacantes que ficaram nas instalações de Paramacay, nove são civis e um é um tenente desertor há meses

Ativista contra o governo mostra cápsulas de bala após protesto em Valencia
Ativista contra o governo mostra cápsulas de bala após protesto em ValenciaFoto: Ronaldo Schemidt/AFP

AFP

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que o ataque lançado por cerca de vinte homens contra a base militar de Valencia (norte) deixou, neste domingo (6), dois mortos e oito detidos, um dos quais está ferido.

“Dois foram abatidos pelo fogo leal à pátria, um está ferido. Destes 10 atacantes que ficaram nas instalações de Paramacay, nove são civis e um é um tenente desertor há meses, que tinha dado baixa (foi reformado)”, assegurou o presidente em seu programa dominical de TV.

Leia também:
Assembleia Constituinte da Venezuela suspende sessão 

Sobrevoo de helicópteros, barricadas, blindados, detonações. A tensão tomou conta da cidade venezuelana de Valencia (norte). Em meio a boatos de um motim, o governo de Nicolás Maduro assegurou ter frustrado na madrugada uma incursão “terrorista” de um grupo de civis e um oficial desertor, vestindo trajes camuflados, no forte Paramacay.

“Há uma semana os vencemos com votos e hoje tivemos que vencer o terrorismo com balas”, disse Maduro, em alusão às eleições de sua toda-poderosa Assembleia Constituinte.

“Dois [invasores] foram abatidos pelo fogo leal à pátria, um está ferido. Destes 10 atacantes que ficaram nas instalações de Paramacay, nove são civis e um é um tenente desertor há meses, que tinha dado baixa (foi reformado)”, assegurou o presidente em seu programa dominical de TV.

A cifra revisou para cima um balanço divulgado anteriormente pelo comandante do Exército Jesus Suárez Chourio, que havia reportado um morto e um ferido grave no ataque à base, que os militares afirmam ter sido rapidamente contido.

Outros oficiais haviam mencionado a detenção de “vários” atacantes. No destacamento atacado, o general Suárez assegurou que os atacantes “foram derrotados”.

“Estamos aqui festejando o triunfo da pátria em paz”, afirmou, diante de um pelotão. No entanto, em Valencia (180 km a oeste de Caracas), a situação era tensa. Helicópteros sobrevoavam os arredores da base, sede da 41ª brigada do Exército, e militares em blindados e com armas longas patrulhavam o local, comprovou uma equipe da AFP.

Após o incidente, dezenas de pessoas ergueram barricadas nas proximidades de Valencia, onde puseram troncos de árvores e queimaram lixo, desatando confrontos com militares da Guarda Nacional que os dispersaram com bombas de gás lacrimogêneo e projéteis de chumbo.

Pequenos distúrbios também foram registrados em um setor do leste de Caracas, onde manifestantes tentaram bloquear uma rodovia e foram reprimidos pela Guarda Nacional.

Oposição exige “verdade”
O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, assegurou que a incursão à base se tratou de “um ataque terrorista do tipo paramilitar”, segundo um comunicado que assinou diante de uma câmera, junto com outros comandantes militares, finalizando com seu lema habitual: “Chávez vive, a luta continua!”

Para ele, o ataque foi executado por “um grupo de delinquentes civis vestindo uniformes militares e por um primeiro-tenente em situação de deserção”.

Padrino não deu grande importância ao acontecimento e afirmou que “não é mais que um show de propaganda, uma quimera, um passo desesperado da extrema direita”, como Maduro chama a oposição.

“Faz parte dos planos de desestabilização e conspiração contínua” para “evitar que se consolide o renascimento da nossa república”, completou Padrino, em referência à Assembleia Constituinte, alvo de um forte repúdio internacional e de denúncias de fraude.

O ministro reiterou o “apoio incondicional” da Força Armada a Maduro, confrontado há quatro meses a protestos que já deixaram 125 mortos.

Os atacantes “foram repelidos imediatamente”, destacou o ministro e general Remigio Ceballos, comandante Estratégico Operacional, que ainda informou que sete invasores foram capturados e “estão fornecendo dados”.

Padrino apontou que essas pessoas confessaram ter sido contratadas por “ativistas da extrema-direita venezuelana em conexão com governos estrangeiros” e que “parte do grupo conseguiu furtar algumas armas”.

O presidente do Parlamento venezuelano, Julio Borges, exigiu do governo a verdade sobre este fato e que se abstenha de uma “caça às bruxas” contra a oposição.

Maduro denuncia frequentemente planos de golpe de Estado de seus adversários políticos, os quais teriam o apoio dos Estados Unidos.

Suposto motim
O incidente foi revelado após a divulgação nas redes sociais e em vários meios de comunicação de um vídeo supostamente gravado na 41ª Brigada Blindada de Valencia, no qual um homem se apresenta como capitão e declara “rebelião” contra Maduro e exige um “governo de transição”.

“Nós nos declaramos em rebelião legítima (…) para desconhecer a tirania assassina de Nicolás Maduro. Esclarecemos que isto não é um golpe, esta é uma ação cívica e militar para restaurar a ordem constitucional”, afirma o homem que se identificou como o capitão Juan Caguaripano.

O homem aparecia com outros 15 vestidos com roupas camufladas, alguns armados.

“Exigimos a formação imediata de um governo de transição e eleições gerais livres”, declarou.

Sem fazer referência a Caguaripano, Padrino garantiu que o suposto desertor é um “oficial subalterno que há três anos foi retirado da instituição por traição à pátria e rebelião”, e que fugiu para os Estados Unidos.

Caguaripano seria ligado a uma brigada anti-sequestro e extorsão. Ele é fugitivo desde 2014, segundo o jornal El Nacional.

A Força Armada é o principal apoio de Maduro, que lhe confere grande poder político e militar.

O incidente ocorreu horas depois de Leopoldo López, o mais emblemático entre os cerca de 500 opositores presos, retornar à prisão domiciliar após passar quatro dias em uma cadeia militar por suspeita de fuga.

López foi condenado a quase 14 anos de prisão por “incitar a violência” nos protestos de 2014 que deixaram 43 mortos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: