Deixe um comentário

Para favorecer Temer, PTB faz troca na CCJ da Câmara

Folha de S. Paulo 

Por Gustavo Uribe, Bruno Boghossian e Daniel Carvalho

 

O PTB, partido da base aliada do presidente Michel Temer, realizou nesta quarta-feira (5) troca na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) que deverá favorecer o peemedebista na tramitação de denúncia contra ele por corrupção passiva.

A sigla governista trocará Arnaldo Faria de Sá (SP) por Nelson Marquezelli (SP). Em enquete feita pelaFolha, o primeiro disse que não sabia como votaria. O segundo, no entanto, posicionou-se contra o prosseguimento da acusação.

A troca foi a segunda realizada nesta quarta-feira (5) para beneficiar o presidente. O Solidariedade também decidiu trocar Aureo Moreira (RJ) por Laércio Oliveira (SE). O primeiro também não havia revelado o voto, ao contrário do segundo, também favorável que a denúncia seja barrada.

O líder do PTB, Jovair Arantes (GO), alegou que a troca não tem relação com a votação da denúncia pela CCJ e que já havia uma previsão de “rodízio” da bancada do partido na comissão.

“Conversei com o deputado Arnaldo e expliquei que não tem nada a ver com isso. Ele sabe que já estava previsto”, explicou.

Além das substituições, o governo trabalha com a estratégia de convencer deputados indecisos a não comparecerem à votação, para que sejam substituídos por suplentes favoráveis a Temer.

Esse método deve ser utilizado pelo PRB. Os dois suplentes da legenda, Beto Mansur (SP) e Cleber Verde (MA), dizem que votarão contra a denúncia. Eles devem substituir dois dos três titulares do partido, que até agora não declararam como devem se posicionar.

Nos últimos dias, o presidente fez uma ofensiva sobre titulares indecisos da CCJ. Só nesta terça-feira (5), ele se reuniu com dois: Elizeu Dionizio (PSDB-MS) e Silvio Torres (PSDB-SP).

Em conversas com parlamentares, Temer chegou a cogitar um cenário de derrota na Câmara dos Deputados, em que a denúncia seria remetida à Suprema Corte e ele seria processado criminalmente por corrupção.

Nesse caso, o presidente disse ter certeza absoluta de que seria inocentado pela corte, por falta de provas.

Nos encontros reservados, o peemedebista disse que as acusações feitas pelos delatores da JBS já o prejudicaram como presidente e apelou aos deputados indecisos para barrarem seu eventual afastamento do Palácio do Planalto, sob pena de manchar também suas biografias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: