Deixe um comentário

Dilma lança programa em clima de campanha eleitoral

Foto: Agência Brasil

Da Agência Estado

O clima de campanha eleitoral dominou a cerimônia de lançamento do programa “Mulher: Viver Sem Violência”, nesta quarta-feira, no Palácio do Planalto. Em meio a gritos de “Olê, Olê, olá, Dilma, Dilma”, que se repetiram em três momentos da cerimônia, a presidente Dilma Rousseff não teve pressa em posar, por mais de 30 minutos, com todas as pessoas que se postaram em enormes filas, após o final da cerimônia. Pacientemente, a própria presidente puxava quem a chamasse para o seu lado. Dilma tirou mais de 300 fotos e os presentes saíram felizes ao receberem cartões de visita para pedirem, posteriormente, por e-mail, as fotografias.

Em sua fala, a presidente pediu “tolerância zero” na violência contra as mulheres e aproveitou para alfinetar a oposição, ironizando que estava “muito alegre” por não estar sendo questionada pela quantidade de medidas tomadas em defesa das mulheres. Esta é uma bandeira que ela pretende defender em sua campanha à reeleição. “Me alegro muito hoje porque nós não temos sido questionados por uma verdade que afirmamos. Numa democracia sempre se questiona. Que nós somos um governo com maior volume de políticas públicas para mulheres em nossa história”, comentou.

Mais uma vez a presidente aproveitou para afagar o vice-presidente Michel Temer, por ele ter criado a primeira delegacia da mulher, em São Paulo, quando era secretário da Justiça do Estado. Além de Temer, Dilma fez questão de convidar para a cerimônia os presidentes da Câmara, Henrique Alves, e do Senado, Renan Calheiros, além do presidente do Supremo, Joaquim Barbosa e do Procurador Geral da República, Roberto Gurgel. Queria o apoio e o engajamento de todos os poderes no combate à violência contra a mulher.

Tolerância zero

No discurso desta quarta, Dilma anunciou a criação, até 2014, das 27 primeiras casas em todas as capitais dos estados para receber as mulheres vítimas e ameaçadas de violência, Dilma pediu união entre Estado e sociedade para enfrentar o problema. R$ 250 milhões serão destinados ao atendimento especial às mulheres. Apesar de pedir “tolerância menor que zero” para quem pratica violência contra a mulher, Dilma, nesta quarta, não foi tão enfática como no pronunciamento oficial da sexta-feira passada, em cadeia de rádio e TV, quando ameaçou os homens que “insistem em agredir suas mulheres” alertando que “não se esquecessem jamais que a maior autoridade deste País é uma mulher, uma mulher que não tem medo de enfrentar os injustos nem a injustiça, estejam onde estiverem”.

Nesta quarta, na cerimônia, Dilma explicou que “ter tolerância zero significa combater e erradicar todas as formas de violência todas, desde aquelas que são as mais abjetas como a violência doméstica, o estupro, o assassinato ou tráfico sexual, a exploração sexual sob todas as formas”. Dilma emendou citando que é preciso combater até outras formas de violência com “conteúdos mais disfarçados, porém igualmente dolorosos e igualmente inadmissíveis, como a discriminação no trabalho, no salário, a educação discriminatória, a falta de oportunidades, e sobretudo, a baixa estima decorrente da violência”. A presidente lembrou que “é contra todos estes tipos de violência que temos lutado e vamos continuar lutando”. Para Dilma, o combate à violência “tem de estar casado com medidas fortes de coerção, de repressão, de cumprimento da lei, e com reforço da autonomia das mulheres”.

fonte: Agência Estado

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: