Deixe um comentário

Pesquisadores europeus podem confirmar a “Partícula de Deus” este ano

O diretor-geral do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN), Rolf Heuer, anunciou nesta quarta-feira (27) que, no final desse ano, pode ser possível confirmar ou descartar a existência do “Bóson de Higgs”, a chamada “partícula de Deus”. O anúncio foi feito por Heuer em entrevista coletiva na cidade de Oviedo, na Espanha, antes de ele dar uma palestra sobre o funcionamento do “Grande Colisor de Hádrons” (LHC), o maior acelerador de partículas do mundo, que fica no CERN, em Genebra.

Segundo as previsões do especialista, no final desse ano talvez seja possível afirmar se existe o “Bóson de Higgs” ou se é apenas um bóson, e admitiu ainda que as pesquisas continuam para que “em 2015 possam ser obtidos resultados mais definitivos, que ajudem a identificar a partícula com maior exatidão”.

Ele também explicou que agora os pesquisadores dispõem de três vezes mais dados sobre esta partícula do que quando ela foi descoberta, em julho de 2012, e que estas novas informações serão muito importantes para poder classificá-la.

A pesquisa sobre a existência “partícula de Deus” tem como objetivo final descobrir se ela é o responsável pela união dos átomos, princípio no qual a teoria da existência do universo está baseada.

O cientista ressaltou a complexidade da pesquisa para descobrir estas partículas, já que elas “sabem bem como se disfarçar e se esconder”.Por isso, para poder avançar nas pesquisas são necessárias tecnologias que, em alguns casos, nem existem, o que faz com que se tenha de desenvolver novos instrumentos que sejam adequados para realizar os testes, e é “aí que a sociedade se beneficia do trabalho do CERN”, afirmou Heuer.

Segundo ele, é por estes motivos que se deve evitar os cortes de gastos que envolvem a pesquisa, apesar de reconhecer que a atual situação econômica faz com que isso seja “inevitável”. Mesmo assim, Heuer garantiu que a União Europeia escutou com clareza sua mensagem e, em vez de cortar custos, aumentou a contribuição para a pesquisa até 2020.

“Acho que é uma boa notícia”, disse o cientista, que também lamentou que vários países europeus não tenham contribuído satisfatoriamente com o CERN.

Fonte: Folha PE

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: