E o público do Festival da Canção não deixou Caetano, Gil e os Mutantes cantarem “É proibido proibir”…; VEJA O VÍDEO

CAETANO VELOSO E OS MUTANTES É PROIBIDO PROIBIR. (DISCURSO LEGENDADO) -  YouTube

Caetano fez um discurso histórico esculhambando o público

O cantor, músico, produtor, escritor, poeta e compositor baiano Caetano Emanuel Viana Teles Veloso, o genial Caetano Veloso, na letra da música “É Proibido Proibir” revela uma série de ‘sinais’ que nos ligam ao movimento Tropicalista. Como, por exemplo: na primeira parte da música, vemos que existe uma referência à televisão ligada, diretamente, com a crítica tropicalista feita à alienação dos jovens conservadores.

Posteriormente, a proibição da qual fala ser proibida, passa a aceitar novas influências e estéticas culturais, pelos jovens comprometidos com nacionalismo de esquerda (quer dizer anti-imperialistas). No trecho ‘Me dê um beijo meu amor’, percebemos a influência do movimento hippie, no qual o lema é a paz e o amor.

Um pouco mais adiante na letra, há momentos em que os sujeitos mostram-se revoltados, o que não foge do contexto em que o país se encontrava, era o período da ditadura, a política estava um caos, a população se rebelava contra a repressão.

A música “É Proibido Proibir”, em 1968, foi desclassificada e amplamente repudiada durante o III Festival Internacional da Canção, proporcionando a Caetano uma estrondosa vaia. Impossibilitado de cantar pela ruidosa irritação da plateia, o compositor acabou agredindo verbalmente o público e o júri.

O valor incontestável da anárquica “É Proibido Proibir” foi registrado num compacto simples, gravado pela Philips, em 1968, que, de um lado, apresentava a composição como foi idealizada pelo autor e, do outro, mostra-a com os imprevistos do festival: as vaias do público e os protestos de Caetano Veloso.

É PROIBIDO PROIBIR
Caetano Veloso

“A mãe da virgem diz que não
E o anúncio da televisão
E estava escrito no portão
E o maestro ergueu o dedo
E além da porta
Há o porteiro, sim…

E eu digo não
E eu digo não ao não
Eu digo: É!
Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir…

Me dê um beijo meu amor
Eles estão nos esperando
Os automóveis ardem em chamas
Derrubar as prateleiras
As estantes, as estátuas
As vidraças, louças
Livros, sim…
E eu digo sim
E eu digo não ao não

E eu digo: É!
Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir…

Me dê um beijo meu amor
Eles estão nos esperando
Os automóveis ardem em chamas
Derrubar as prateleiras
As estátuas, as estantes
As vidraças, louças
Livros, sim…
E eu digo sim
E eu digo não ao não
E eu digo: É!

Proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir
É proibido proibir…”