Entre becos e vielas da Rocinha, conheça a trajetória de Nem, um cidadão comum que dominou o tráfico

Resultado de imagem para dono do morro

Júlia de Aquino
Instagram Literário @juentreestantes

“Os moradores estavam contentes com a estabilidade quem Nem trouxera (…), e a favela inteira prosperava dia após dia” – relata “Dono do Morro”, um dos meus livros favoritos de 2019, escrito por Misha Glenny e que prende muito nossa atenção.

Entre becos e vielas, a história de Nem da Rocinha se mistura com a da proliferação da cocaína no Brasil e com o crescimento da própria comunidade retratada, a maior favela do Rio de Janeiro.

EM PLENA ROCINHA – O livro conta a história de um dos líderes do tráfico da Rocinha. Ou melhor, conta como Antônio Francisco Bonfim Lopes, um cidadão comum, se tornou o Nem da Rocinha sem nunca ter tido relação com o tráfico até então.

É extremamente difícil pensar em um único “trecho favorito”, porque diversos parágrafos e capítulos são bem marcantes. O texto é bem amarrado e traça uma linha do tempo narrada de forma excepcional e muito fluida (parágrafos pequenos, frases curtas, diálogos que surgem no momento certo).

HISTÓRIAS INTERLIGADAS – O mais bacana do livro é que ele narra a história do Nem junto com a do Rio de Janeiro e até do país. Desde os anos 1980, com a inundação da cidade pela cocaína até nossa situação política atual.

É incrível como fica ainda mais claro como os políticos, o tráfico de armas, as polícias, os traficantes e a venda/compra de drogas estão completamente relacionados. Isso tudo a gente já sabia, mas com o livro acabamos descobrindo coisas que jamais imaginaríamos.

Quem mora no Rio ou conhece a cidade, sua geografia e seus “personagens” vai apreciar ainda mais a leitura, exatamente por ter maior noção dos lugares e pessoas citadas (bairros, políticos, shoppings etc). E vale a pena!

Resultado de imagem para dono do morroSEM ROMANTIZAR O TEMA – Em nenhum momento o livro tenta romantizar a questão do tráfico, muito menos tornar heróis o personagem Nem ou outros traficantes, assim como se procura minimizar qualquer atitude deles, boa ou ruim. O autor conta o que descobriu com suas pesquisas e entrevistas a moradores e traficantes – mas a personalidade apaziguadora de Nem marca muito a narrativa.

Livro: O dono do Morro – Um homem e a batalha pelo Rio
Autor: Misha Glenny
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.