Silêncio de seis ministros do Supremo mostra que a Justiça pode vencer no round final

Resultado de imagem para celso de mello

Voto do ministro Celso de Mello vai definir se ainda existe Justiça no Brasil

Carlos Newton

Todos sabem que o Supremo Tribunal Federal se divide em duas bancadas – a “garantista”, que pretende cumprimento de pena de prisão somente após condenação no Superior Tribunal de Justiça; e a “punitivista”, que defende a prisão criminal logo após segunda instância, como é adotado universalmente e está até determinado pela jurisprudência vigente hoje no Brasil.

Sabe-se também que a doutrina “garantista” está ultrapassada e praticamente já foi varrida do Direito Internacional, pois não é mais praticada em nenhum país minimamente civilizado. Aliás, muitos deles estabelecem prisão logo após condenação em primeira instância (juiz singular), como ocorre nos Estados Unidos.

IDADE MÉDIA – Mesmo assim, há no Supremo cinco ministros dispostos a aprovar esse retrocesso e levar o Brasil de volta à Idade Média em termos de Direito Penal, retornando a uma época em que as elites gozavam de ampla impunidade garantida em lei. Defendem essa tese retardada, digamos assim, os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Alexandre de Moraes.

Para conseguir colocar o país na contramão do Direito Moderno, esses cinco magistrados esperar ter o apoio de Celso de Mello, o decano do Supremo, que demonstra simpatia pela tese, com base num artigo da Constituição que foi pessimamente redigido e deu margem à dúvida, por se referir ao réu ser tido como culpado somente após “trânsito em julgado”.

SEM DÚVIDA – Celso de Mello jamais demonstrou dúvida a esse respeito e até já libertou réus que aguardavam recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que seria a terceira instância, para concluir o trânsito em julgado. Mas sua posição pode estar mudando, por dois motivos.

O primeiro é que soltar réus ainda não condenados no STJ significaria colocar em liberdade criminosos de alto coturno e reincidentes específicos, como Sérgio Cabral,   Lula da Silva, José Dirceu, Eduardo Cunha e tutti quanti, inclusive facínoras de altíssima periculosidade, integrantes dessas facções brasileiras que decapitam as pessoas sem motivos religiosos.

O segundo motivo é que os outros ministros “garantistas” já atuam claramente no sentido de destruir a Lava Jato e libertar os réus já cumprindo pena, além de evitar que sejam presos os que ainda aguardam julgamento, como Aécio Neves e a irmã Andréa, Michel Temer e o quadrilhão do MDB, todos enriquecidos ilegalmente por corrupção, que significa usurpar recursos públicos.

QUESTÃO DE CARÁTER – As posições das duas alas do Supremo são mais do que conhecidas. Sabe-se com precisão quem pretende inviabilizar a Lava Jato, a pretexto de “descriminalizar a política” (expressão criada por Gilmar Mendes), e sabe-se também quem tenciona passar este país a limpo, acabando com a impunidade das elites com essa jogada do “trânsito em julgado”.

A indecisão de Celso de Mello aumentou devido ao comportamento de três ministros (Toffoli, Gilmar e Moraes), que abriram um inquérito interno ao arrepio da Constituição e imobilizaram o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), único órgão do país que combate lavagem de dinheiro, corrupção e movimentação bancária de criminosos de elite, digamos assim, incluindo nessa condição os chefes das riquíssimas facções criminosas, tipo PCC e CV.

Celso de Mello está informado de que a imobilização do Coaf na verdade visa a blindar Toffoli, Gilmar e as respectivas esposas, por terem sido apanhados na malha fina da Receita. E sabe também que não há perseguição aos ministros nem a nenhum outro contribuinte, porque a seleção dos investigados é feita no Coaf pelo computador, com base somente nas inconsistências das declarações de renda.

###
P.S. – Celso de Mello é um dos ministros mais acessíveis aos jornalistas, mas não tem falado nada. A meu ver, o silêncio dele é revelador. Também negam declarações os ministros Edson Fachin, Cármen Lúcia, Luiz Fux, Rosa Weber e Luís Roberto Barroso. Esse comportamento dos seis ministros pode indicar que as coisas vão mudar no Supremo. E para melhor. (C.N.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *