Torcedor é removido pela polícia após xingar Bolsonaro

Caso aconteceu em jogo entre Corinthians e Palmeiras

Torcedor é retirado pela polícia após xingar Bolsonaro em clássico Foto: Ag. Corinthians/Rodrigo Coca

O torcedor do Corinthians Rogério Lemes, de 44 anos, foi retirado pela Polícia Militar da arquibancada do estádio do clube, em Itaquera, no domingo (4), durante o clássico contra o Palmeiras. Durante a execução do hino nacional, antes de o jogo começar, ele gritou por mais de uma vez “ei, Bolsonaro, vai tomar no **” e foi abordado pelos policiais na arquibancada da arena.

A assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública (SSP) do estado de São Paulo disse, em nota enviada à imprensa, que “não houve prisão, mas a condução dele ao posto do Juizado Especial Criminal (Jecrim), onde foi registrado boletim de ocorrência não criminal e depois liberado para voltar a assistir à partida de futebol”. Lemes disse à reportagem que pôde voltar a arquibancada 10 minutos antes do final do partida -o empate de 1 a 1 entre Corinthians e Palmeiras- terminar.

– A conduta adotada para preservar a integridade física do torcedor, que proferia palavras contra o presidente da República, o que causou animosidade com outros torcedores, com potencial de gerar tumulto e violência generalizada – disse a nota da SSP.

O órgão também afirmou, na nota, que não pauta suas ações por orientações políticas.

– Entre as atribuições da Polícia Militar estão: proteger pessoas, fazer cumprir as leis, combater o crime e preservar a ordem pública – explicou.

No boletim de ocorrência, a delegada Monia Olga Neubern Pescarmona não citou agressão e disse “que o declarante Rogério estava no setor das cadeiras quando, em dado momento, expressou opinião política gritando palavras contra o atual Presidente Jair Messias Bolsonaro. Informa que foi abordado por policiais militares, os quais para evitar um tumulto o conduziram para esta delegacia.”

O corintiano contou também que teve o celular apreendido e vasculhado pelos policiais. O aparelho, segundo ele, foi devolvido.

*Folhapress

Deixe uma resposta