Por que Dubai quer se tornar uma cidade impressa em 3D?

Dubai pretende ter um quarto de todos os novos edifícios impressos em 3D até 2030

Por que Dubai quer se tornar uma cidade impressa em 3D?
Dubai já abriga o primeiro escritório impresso em 3D do mundo (Foto: Emaar Properties/Divulgação)
Começou como uma nova maneira de criar objetos de plástico, mas a impressão 3D está se transformando rapidamente em uma tecnologia que pode criar desde partes do corpo até pão.

No entanto, alguns estão pensando ainda mais alto – como imprimir edifícios de tamanho real a partir do concreto. Na semana passada, a incorporadora imobiliária Emaar anunciou a impressão 3D de uma casa como parte de seu complexo Arabian Ranches III, em Dubai.

Com o objetivo de ter um quarto de todos os novos edifícios impressos em 3D até 2030, Dubai parece destinado a se tornar um centro para essa construção de alta tecnologia. Apenas cerca de 20 edifícios foram criados desta forma em todo o mundo, e Dubai parece determinada a liderar a tendência em ascensão. O país já abriga o primeiro escritório impresso em 3D do mundo, além de um laboratório de pesquisas em drones com impressão em 3D.

A impressão 3D de um edifício usa os mesmos princípios que a impressão 3D de um brinquedo – apenas em uma escala muito maior e usando concreto em vez de plástico. O concreto é bombeado para um bocal preso a um braço robótico, trilho ou correia transportadora, que o espreme em tiras para construir a estrutura uma camada de cada vez – ou para fazer componentes.

Os defensores dizem que a técnica pode ser mais rápida, mais barata e mais sustentável do que os métodos tradicionais. A SmarTech Publishing prevê que a indústria de construção impressa em 3D valerá US$ 40 bilhões até 2027.

“Dubai é provavelmente o mercado mais empolgante”, diz Henrik Lund-Nielsen, CEO da empresa dinamarquesa de impressão 3D COBOD International, que produziu o primeiro prédio impresso em 3D da Europa em 2017. Ele diz que há uma demanda clara por edifícios impressos em 3D em Dubai, o que garante às empresas de construção que vale a pena investir na tecnologia.

Sergio Cavalaro, especialista em infraestrutura da Universidade de Loughborough, na Inglaterra, concorda. “Não é rentável no momento, mas estamos chegando lá”. Cavalaro diz ainda que as maiores oportunidades estão em projetos menos adequados à construção tradicional. Ele sugere que podemos imprimir em 3D abrigos ou partições em áreas que os seres humanos não podem alcançar por causa de perigo ou toxicidade, ou construir no subsolo.

CNN-Why Dubai wants to become a 3D printed city

Deixe uma resposta