Mais vexame! The Intercept e Folha são flagrados requentando falsa denúncia de 2017

Resultado de imagem para the intercept

Aqui no Brasil The Intercept deveria se chamar The Incompetent

Mário Assis Causanilhas

Cada vez fica mais evidente a manipulação de informações contra o procurador-chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol. Desta vez, foi flagrado o reaproveitamento de uma falsa denúncia feita contra o procurador em 2017, que já tinha sido respondida por ele naquela época, quando a empresa responsável inclusive teve de pedir desculpas a Dallagnol. Para comprovar as manipulações da campanha movida contra ele por The Intercept, Folha, Veja e Band, basta conferir a nota de esclarecimento distribuída pelo procurador em 2017.

###
PROCURADOR DEMONSTRA LEGALIDADE DE SUAS PALESTRAS

Em virtude de informações equivocadas publicadas em alguns veículos de imprensa e que foram utilizadas por terceiros para promover ataques pessoais ao procurador da Lava Jato, faz-se o seguinte esclarecimento:

  1. As resoluções 34/2007 do CNJ e 73/2011 do CNMP, nos termos da Constituição Federal, reconhecem que membros do PJ e do MP podem realizar atividade docente, gratuita ou remunerada. A resolução 34/2007 expressamente reconhece que a realização de palestras é atividade docente. É perfeitamente legal a realização de palestras remuneradas segundo o valor de mercado, o que é uma prática comum no meio jurídico.
  2. A maioria das palestras prestadas para grandes públicos pelo procurador é gratuita e em 2016 os valores foram destinados para entidade filantrópica. O hospital informou que recebeu em 12 palestras o valor total de R$ 219 mil. O pagamento foi feito diretamente pelos contratantes para o hospital, sem intermediação do procurador. Os valores das palestras feitas ao longo de 2017 serão informados regularmente à Receita Federal e destinados para atividades já esclarecidas em momento anterior.
  3. O procurador não autorizou a empresa MotiveAção a divulgar suas palestras e não tem contrato com ela. Ela divulgou as palestras sem autorização, o que já foi reconhecido pela própria agência, que apresentou pedido público de desculpas. O procurador analisa, caso a caso, a aceitação de palestras, independentemente de quem o procure ou intermedeie.
  4. A Corregedoria do CNMP foi demandada pelos deputados do PT Wadih Damous e Paulo Pimenta a investigar e punir a realização de palestras, o que é claramente descabido. Conforme padrão, o CNMP abriu procedimento para apurar o conteúdo da representação, o que não significa que os argumentos utilizados pelos deputados serão acatados. Trata-se apenas de um procedimento prévio para colher informações e não de um procedimento administrativo disciplinar.

Fonte: https://mpf.jusbrasil.com.br/noticias/471223036/nota-de-esclarecimento-sobre-realizacao-de-palestra-por-procurador-da-lava-jato

Deixe uma resposta