O problema por trás dos serviços de streaming de vídeo

Diferentes empresas estão para lançar serviços de streaming de vídeo, dividindo conteúdo em diversas assinaturas

Ascensão de diferentes serviços de streaming coloca em risco economia dos usuários (Foto: Pixabay)
O programa mais visto na Netflix dos EUA, por uma margem enorme, é a versão americana do seriado The Office. Mesmo que a plataforma forneça uma quantidade absurda de programação original – 1.500 horas no ano passado -, todo mundo quer assistir a uma comédia de uma década. Um relatório do ano passado disse que The Office é responsável por 7% de toda a visualização da Netflix no país.

Então, naturalmente, a NBC quer de volta. Esta semana, foi anunciado que a Netflix não conseguiu garantir os direitos de The Office depois de janeiro de 2021. A boa notícia é que ele ainda estará disponível para assistir em outro lugar. A má notícia é que “em outro lugar” significa “a nova plataforma de streaming da NBCUniversal”.

O sucesso da Netflix significa que todos querem uma fatia do bolo. No momento, as coisas são praticamente gerenciáveis – se você tem uma TV por assinatura, uma assinatura da Netflix, uma assinatura da Amazon e uma assinatura da Now, você está praticamente coberto – mas as coisas estão prestes a piorar.

Em novembro, a Disney lançará a Disney +, uma plataforma de streaming que não só terá uma enorme quantidade de conteúdo existente (filmes da Disney, programas da ABC, filmes da Marvel e da Pixar, Lucasfilm, Simpsons e tudo o mais feito pela 20th Century Fox), mas também oferecerá uma variedade de novos programas da Marvel que complementarão diretamente a narrativa do universo cinematográfico da Marvel. Essencialmente, se você quiser entender qualquer coisa que aconteça em qualquer filme da Marvel a partir de agora, precisará usar uma assinatura Disney +.

A Apple também entrará no mercado de streaming mais ou menos na mesma época, prometendo novos trabalhos de Sofia Coppola, Jennifer Aniston, Oprah Winfrey, Reese Witherspoon, Brie Larson, Damien Chazelle e Steven Spielberg. Nos próximos três anos, a Apple gastará US$ 4,2 bilhões em programação original, e você não conseguirá ver nada disso se não pagar uma assinatura mensal.

Existem muitos outros. A NBCUniversal está resgatando seus programas da Netflix para sua própria plataforma. Em pouco tempo, Friends provavelmente desaparecerá atrás de um novo serviço de streaming da WarnerMedia – junto com os filmes de Senhor dos AnéisHarry Potter, e qualquer coisa baseada em uma história em quadrinhos da DC e tudo na HBO.

No Reino Unido, a BBC e a ITV irão amalgamar seus arquivos por trás de um serviço chamado BritBox. O ex-presidente da Disney, Jeffrey Katzenberg, está prestes a lançar uma plataforma chamada Quibi, lançando conteúdo “snackable” de Steven Spielberg, e outros diretores, que é projetado para ser visto em seu telefone. O YouTube está produzindo mais conteúdo exclusivo para assinatura e o Facebook também.

Assistir televisão está prestes a ficar muito, muito caro. Haverá um ponto em que os espectadores atingirão sua tolerância para assinaturas mensais, o que significa que a TV se tornará mais elitista, hierárquica e fragmentada do que já está. Há uma enorme diferença entre não poder assistir a tudo porque há muita escolha e não conseguir assistir a tudo porque você não tem dinheiro suficiente.

Mais importante, todos devemos lembrar que essa guerra de conteúdo depende de um mal-entendido fundamental sobre os hábitos de visualização. A Netflix não se tornou um monstro porque as pessoas queriam assistir a um programa específico; tornou-se um monstro porque as pessoas queriam ver tudo. Quando sua plataforma de streaming foi lançada, as pessoas gastavam mais de US$ 15 só para assistir a uma única temporada de um programa em DVD. Então, para poder assistir a cada temporada de um show – e a cada temporada de centenas de shows – por um mês, foi revolucionário. O ponto principal da Netflix era que se tornou relativamente acessível, contendo uma enorme quantidade de programas. Foi disso que as pessoas gostaram.

O modelo Netflix foi ótimo para os espectadores, mas não durou muito. Os criadores de conteúdo ficaram gananciosos e assustados, e agora estão determinados a arrastar as coisas de volta para os velhos e maus modos. Eles forçarão todos a pagar por tudo separadamente, e a base de assinantes se dividirá, e os provedores terão que recuperar o dinheiro que estão gastando para comprar a Netflix – como os US$ 500 milhões que a NBCUniversal gastou para recuperar The Office, os US$ 250 que a Amazon está gastando em uma série de O Senhor dos Anéis e os US$ 500 milhões que a Warner gastou para ganhar os serviços de JJ Abrams – o que significa que as assinaturas aumentarão. Não se engane: somos os que provavelmente ficarão com problemas aqui. A era de ouro da televisão pode estar indo bem, mas a era de ouro do streaming está morta.

Fonte:
The Guardian-Streaming TV is about to get very expensive – here’s why

Deixe uma resposta