Cármen Lúcia ignora pedido de Lula e adia julgamento de habeas corpus no STF

Recurso no qual ex-presidente pede suspeição do ex-juiz Sergio Moro e a anulação de seus atos estava na pauta da Segunda Turma para essa terça (25)

Lula
Paulo Pinto/Agência PT – 13.7.17

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva cumpre pena na Superintendência da PF em Curitiba

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia, presidente da Segunda Turma,  confirmou a retirada da pauta desta terça-feira (25) do habeas corpus no qual a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pede a suspeição do ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro, no caso tríplex.

A decisão da ministra despreza pedido feito, ainda nesta segunda-feira (24), pelos advogados de Lula , segundo os quais o pedido de habeas corpus deveria ter “prioridade no julgamento com relação a outros processos” em razão de o ex-presidente estar preso e ser pessoa idosa (o petista tem 73 anos de idade).

O julgamento do recurso que pede a anulação de todos os atos determinados por Moro no caso tríplex – incluindo a condenação e a consequente prisão do petista –  foi colocado na pauta de julgamentos da Segunda Turma após o ministro Gilmar Mendes liberar o processo, na semana passada.

Gilmar havia pedido vistas no julgamento iniciado em dezembro, quando o relator do recurso, ministro Edson Fachin, votou pela rejeição do habeas corpus. Fachin foi acompanhado por Cármen Lúcia, mas faltam ainda os votos de Gilmar, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

Na última sexta-feira (21), a Procuradoria-Geral da República (PGR) afirmou ao Supremo ser  contra o pedido de anulação da sentença proferida pelo juiz Sergio Moro contra Lula. A procuradora-geral, Raquel Dodge, mencionou em sua manifestação que as mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil e que endossam a argumentação da defesa do petista não tiveram sua autenticidade verificada, o que impossibilita seu uso no processo.

Lula , em carta direcionada ao ex-chanceler Celso Amorim e divulgada pelo PT  nesta segunda, disse esperar “ter direito a um julgamento justo , por um juiz imparcial”, e reclamou que “muita gente poderosa” quer impedir que seu habeas corpus seja acolhido pelo Supremo.

Fonte: Último Segundo 

Deixe uma resposta