“O general Geisel não foi eleito. Eu fui”, disse o vice-presidente Mourão nos EUA

Resultado de imagem para mourao nos estados unidos

Mourão disse que, se fosse presidente. escolheria outros ministros

Questionado em uma conferência em Boston, o vice-presidente da República, general Antônio Hamilton Mourão (PRTB), comentou a atuação do general Ernesto Geisel como presidente na época da ditadura. Ele apontou que teve como diferença o apoio da população. “Vamos olhar o seguinte: o general Geisel não foi eleito. Eu fui”, recordou. Imediatamente, Mourão foi aplaudido de pé pelos presentes. O vice-presidente também foi ovacionado ao final do debate.

Mourão disse ainda que ‘caso o governo federal erre demais, as Forças Armadas serão diretamente atingidas e sofrerão as consequências’ e caso fosse presidente, escolheria ‘outras pessoas’ para trabalhar com ele.

PROTESTO – Depois de fazer a declaração sobre Geisel, Mourão foi ovacionado pela plateia. Alguns participantes chegaram a aplaudi-lo de pé. Em meio aos aplausos, um manifestante entrou no auditório e gritou “ditadura nunca mais!”. Ele foi retirado da sala pelos seguranças. Segundo os organizadores do evento, depois disso, a organização conversou com o manifestante, que se retirou.

“As Forças Armadas não estão no poder. As Forças Armadas continuam com a sua missão constitucional, cada uma com seu comandante. – e concluiu – O que ocorre é que dois militares foram eleitos. O presidente Bolsonaro, 30 anos fora das Forças Armadas, ele é um político. Mais político do que militar.

PESQUISA – Sobre a pesquisa Datafolha que mostrou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) registra a pior avaliação de governo em um primeiro mandato após três meses de gestão desde a redemocratização de 1985, Mourão minimizou o resultado e disse enxergá-lo com naturalidade, dizendo que é preciso dar tempo ao Executivo. “Tem gente que quer que a gente acelere as coisas, mas todos têm que entender uma coisa: o Executivo não tem varinha de condão. Seria ótimo”, afirmou Mourão.

O vice-presidente disse que há uma “ansiedade” muito grande por parte da sociedade e que sabe que as pessoas clamam por mudanças. Ainda sobre educação, Mourão apontou que o MEC está com problemas e que o governo terá que “investir pesado na educação básica”. “Investimos muito no ensino superior e pouco na educação básica”.

Correio Braziliense

Deixe uma resposta