É preciso entender que publicidade comercial não muda imagem de nenhum governo

Resultado de imagem para publicidade oficial charges

Charge do Ivan Cabral (ivancabral.com)

Pedro do Coutto

No café da manhã com jornalistas, nesta sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro anunciou que vai nomear Fábio Wajngarten para chefiar a Secretaria de Comunicação do governo. Na minha opinião, um publicitário tornar-se responsável pelo setor vital da comunicação de um governo não resolve a questão envolvendo a imagem pública do presidente. Só funciona para destacar campanhas de interesse coletivo no campo da saúde, educação e transportes. Mas não alcança o campo político sobre o qual repousa a imagem do governo, ou de qualquer governo.

Um publicitário, que é o caso de Fábio Wajngarten, como é natural de sua profissão, provavelmente irá optar por esse caminho. Isso porque seu pensamento está voltado para aquisição de espaços nos jornais e emissoras de televisão. E não estará focalizando o desafio da questão jornalística.

SEM EFEITO – Pelo seguinte: quando qualquer governo adquire espaço nos jornais, rádio ou emissoras de televisão só pode ocupá-los em casos de interesse da própria administração.

Portanto, não surte efeito pessoal para o governo ou para o presidente. Pois a opinião pública sabe muito bem que ninguém vai adquirir peças publicitárias para ser isento consigo mesmo. Tal percepção volta-se para neutralizar o caráter político das mensagens. Publicidade comercial só funciona no campo de ação de empresas. Sei muito bem – como todos sabem – que a inserção de textos ou imagens pagas proporcionam uma comissão de 20% para os corretores que as agenciam, além do custo dos anúncios, enquanto a comunicação jornalística flui sem pagamento algum.

Vamos citar como exemplo a matéria de Sérgio Dávila, Folha de São Paulo, edição de sábado, que destacou os pontos principais abordados por Bolsonaro no café da manhã de sexta-feira.

EM TODA A MÍDIA – A publicação dessa matéria como divulgação do presidente da República, ganhou destaque não só na Folha, como também em O Globo, no Estadão e em toda a imprensa, incluindo rádio, TV e internet. E o governo não pagou nada por isso.

Agora, para que a divulgação política seja efetiva, é imprescindível a exibição de fatos concretos, de interesse coletivo.

A diferença entre os setores jornalísticos e a publicidade comercial é a mesma que separa o teorema do axioma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *