Ernesto Araújo, em 2011, exaltava Dilma e a luta dela contra a ditadura militar

Resultado de imagem para ernesto araujo charges

Charge do Nani (nanihumor.com)

Juliana Dal Piva
Época

O Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, é um dos chefes do Executivo com maior destaque em temas pitorescos. Recentemente, Araújo fez uma defesa do regime militar durante audiência pública na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara. Frente a frente com deputados do PSOL, Araújo disse que não considerava golpe o movimento dos militares ao derrubarem João Goulart em 1964. De quebra, afirmou também que o regime não era ditatorial. “Não considero um golpe. Foi um movimento necessário, para que o Brasil não se tornasse uma ditadura.”

Araújo, como todo diplomata que alcançou o cargo máximo do Itamaraty, não começou ontem na carreira. E é comum na diplomacia que os servidores adotem o tom do governo federal. Talvez isso explique porque, em 2011, ele defendeu a luta armada da ex-presidente Dilma Rousseff contra a mesma ditadura que agora é negada por ele.

NOS ESTADOS UNIDOS – Durante o governo Dilma Rousseff, o embaixador do Brasil nos Estados Unidos era Mauro Vieira, que havia sido chefe de gabinete do sogro Seixas Corrêa na secretaria-geral do Itamaraty. Vieira chamou Araújo para ser seu braço direito na embaixada em Washington — Araújo atuou como ministro-conselheiro.

Na capital americana, em abril de 2011, ao participar do programa Global Model of Democracy and Development , do Akron Council on World Affairs (ACWA), entidade que organiza eventos diplomáticos, o chanceler defendeu a atuação da ex-presidente Dilma Rousseff como guerrilheira no combate à ditadura militar.

SEM ESPERANÇA – “Especialmente entre os jovens não havia esperança de ver a democracia restabelecida por meios pacíficos. A impressão era que o governo militar ia ficar para sempre. Então muitas pessoas, a despeito das instituições, decidiram pegar em armas. Ela [Dilma] foi parte disso”, contou Araújo, em inglês.

Depois disse que não foi a guerrilha que deu fim à ditadura e que os militares saíram do poder por suas próprias contradições. “Então não foi a luta direta com armas que derrubou os militares. Mas é claro que essa luta [guerrilha] foi importante como parte de um movimento geral em direção a mais democracia, que era basicamente um movimento pacífico”, afirmou. Em seguida, Araújo completou que “todos que lutavam em paz ou não tão em paz se sentem parte desse processo de redemocratização” do Brasil.

Deixe uma resposta