Alckmin e Ciro criticam improviso e ‘vassalagem’ do Brasil aos EUA sob Bolsonaro

Resultado de imagem para CIRO E ALCKMIN EM BOSTON

Em Boston, Ciro Gomes bateu pesado em Bolsonaro e nos filhos

Marina Dias e Patrícia Campos Mello

Durante a Brazil Conference, em Boston, nos Estados Unidos, os ex-candidatos à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) fizeram nesta sexta-feira (5) críticas duras ao governo de Jair Bolsonaro, classificado por eles como um conjunto de disparates, pautado pelo improviso e pela “vassalagem vergonhosa” em relação aos Estados Unidos.

Os dois políticos, derrotados pelo atual presidente na eleição de outubro, alinharam discursos quanto à falta de articulação política do Planalto — que não consegue angariar uma base aliada no Congresso — e à aproximação do Brasil com o governo de Donald Trump.

SANTOS CRUZ – Os ataques a Bolsonaro e a sua gestão aconteceram diante do ministro Santos Cruz (Secretaria de Governo), responsável justamente pela relação do Planalto com o Congresso.

O general estava na plateia da Brazil Conference, evento organizado por alunos da universidade de Harvard e do MIT (Massachusetts Institute of Technology), e passou grande parte do tempo —pouco mais de uma hora e meia— mexendo no celular e foi embora antes do fim do debate.

Enquanto Alckmin afirmou que Bolsonaro comanda um governo “improvisado e heterogêneo”, com “pauta equivocada”, Ciro chamou Bolsonaro de imbecil e disse que o alinhamento com a Casa Branca é uma “coisa nojenta”.

DISSE CIRO –  “É uma vassalagem vergonhosa ao Trump. É uma coisa nojenta colocar o filho mexendo em coisa séria”, disse o ex-governador do Ceará, referindo-se a Eduardo Bolsonaro, filho caçula do presidente, responsável pela chancela às principais decisões de política externa do governo. O deputado, atual chefe da Comissão de Relações Exteriores da Câmara, inclusive participou da reunião privada entre Bolsonaro e Trump na Casa Branca, em março.

DISSE ALCKMIN – O tucano, por sua vez, também criticou o alinhamento do Brasil aos EUA. Alckmin afirmou que o país é “caudatário do Trump, sem a menor necessidade” e disse que a relação está prejudicando as exportações brasileiras, principalmente em relação ao mundo árabe.

Apesar disso, ambos avaliam que a democracia não está ameaçada durante o governo Bolsonaro e, para Ciro, a gestão é “antecedência de grande confusão”, mas não há organização para um impeachment do presidente.

O ex-governador de São Paulo voltou a rechaçar a ideia de disputa entre nova e velha política —discurso ecoado insistentemente pelo presidente e seus principais auxiliares— e disse que o governo perde tempo ao discutir questões contaminadas por teses ideológicas.

NAZISMO E GOLPE – “Estão discutindo se o nazismo é de direita ou de esquerda, se 64 foi golpe ou não. Não tem nova ou velha política, tem boa e má política e a boa política não envelhece”, afirmou Alckmin.

O tucano se reuniu esta semana com Bolsonaro em Brasília, e repetiu que seu partido, o PSDB, não vai participar do governo, mas votará a favor de projetos que acredita serem bons para o país.

Ex-candidato do MDB ao Planalto, Henrique Meirelles (MDB) também participou do debate e disse acreditar que as instituições estão funcionando normalmente. “Não acho que a democracia esteja ameaçada”.

TESE DE HADDAD – Essa foi uma das teses do então candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad, que afirmou, durante a campanha, que a democracia estava sob ameaças caso Bolsonaro fosse eleito.

Haddad, derrotado no segundo turno, foi convidado para o evento mas cancelou sua participação. Ele viajou a Porto Alegre para a caravana Lula Livre, em defesa da liberdade do ex-presidente, preso em Curitiba há um ano por corrupção.

Guilherme Boulos (PSOL), que também concorreu à Presidência no ano passado, foi convidado de outro painel da conferência.

Deixe uma resposta