Abaporu, de Tarsila do Amaral em São Paulo uma obra central da arte brasileira

É uma obra marcada pela modernização da arte daquele país. Pertence a Eduardo Costantini, que diz que sempre quer comprá-lo, mas não o vende. Uma obra central da arte brasileira

Mercedes Pérez Bergliaffa

Por MERCEDES PÉREZ BERGLIAFFA

 

Com emoção, na quinta-feira inaugurou-se a exposição da fundamental moderna artista brasileira Tarsila do Amaral (1886-1973) no Museu de Arte de San Pablo. O fato é importante porque para a ocasião retorna ao Brasil  uma obra emblemática de Tarsila possuído pelo Museu Malba, em Buenos Aires: o famoso quadro Abaporu  (que em tupi-guarani significa “homem que come o pão”), pintado pela artista em 1928 como presente para seu então marido, o poeta, escritor e dramaturgo Oswaldo de Andrade.

Uma peça icônica da arte brasileira , seu retorno temporário a este país e sua exposição no MASP foram notícia na primeira página dos jornais brasileiros. Acontece que os brasileiros querem que o Abaporu esteja aqui , eles querem que ele volte ao seu país. Encantados com a transferência emprestado -lo quantas vezes for necessário, mas o coletor e empresário Eduardo Costantini (que comprou Abaporu , em 1995, na casa de leilões de Nova York, em seguida, no valor de 1,3 milhões de dólares da Christie), disse exclusivo para ClarínEm meio a abertura privado da exposição de Tarsila e de pé na frente do trabalho, observando: “Estou animado cada vez que pode compartilhar Tarsila pintar em suas terras e toda a comunidade brasileira. Nos atinge enormemente “, diz Costantini.

Mas há alguma chance de que a pintura fundamental retorne ao Brasil , que Costantini a venda, seja para o Estado brasileiro ou para algum colecionador particular daqui? “Não, não há chance disso”, responde Costantini. “Sempre que colecionadores brasileiros privados me oferecem para comprar, mas não, não existe essa possibilidade”, diz o empresário. Em seguida, ele acrescenta: “El Malba tem um grupo único de obras da América Latina do período moderno. São obras que a instituição não consegue se livrar, isso está fora de questão “.

O colecionista detalha que o significado e a identidade de Malba residem em sua coleção permanente – uma das melhores coleções de arte latino-americanas no mundo a que o público tem acesso – e que esta é a razão pela qual não podia vender nem que nem outros trabalhos . Não é o objetivo do museu argentino, explica Costantini. Além disso, o empresário e colecionador detalha que o Abaporu está exposto em um lugar público (o Malba) “e é isso que eu mereço público e trabalho”.

Antropofagia Mais uma obra icónica de Tarsila do Amaral.Antropofagia Mais uma obra icónica de Tarsila do Amaral.

Enquanto Costantini comenta sobre isso, o renomado artista brasileiro Ernesto Neto – em Buenos Aires, um gigantesco trabalho seu foi visto no Faena Arts Center em 2011 – o abraça em frente ao Abaporu . Costantini anuncia: ” Em novembro vamos mostrar uma exposição de Neto no Malba” . É a mesma amostra que agora está montada na Pinacoteca de São Paulo, no Brasil? O coletor responde: “Sim, isso é basicamente o mesmo, a menos que mudar uma ou duas obras, porque seria não funcionam da mesma maneira no espaço da Pinacoteca no Malba”.

Além disso, Costantini fez a viagem para fazer compras em torno de San Pablo Arte (a Feira de Arte de São Paulo), a mais importante da América Latina que este ano marca 15 anos. Durante sua visita à feira (que não passou despercebida, embora houvesse noventa e tantos colecionadores de arte latino-americanos de todo o mundo), Costantini passou pela seção “Solo show” de San Pablo Arte e comprou a série trabalha em Tupac Amaru  pelo artista peruano Fernando Bryce (que em 2012 fez uma exposição em Malba). Ele os comprou na galeria Espaivisor na Espanha. O custo da impressionante e muito boa série de obras? Cerca de US $ 75.000. É um preço médio-alto para esta feira: a maioria das obras gira em torno de 40, 50 mil dólares, e são esses que a maioria dos colecionadores adquire.

Enquanto isso, no momento, a noite paulista passa convidados calmas e mornas, e especiais que frequentam trabalho vista como  Abaporu , Antropofagia (1929) e as magníficas Trabalhadores (1955), três importantes obras do grande Tarsila do Amaral mostrados em uma grande exposição sua. Vestidos-se no Brasil: Tarsila reaparece toda a raiva em seu país natal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *