Líder do governo no Senado quer Bolsonaro mais para o centro e longe do Twitter

Resultado de imagem para bolsonaro no twitter charges

Charge do Aroeira (O Dia/RJ)

Daniel Carvalho e Mariana Carneiro
Folha

Líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) afirma que o governo de Jair Bolsonaro terá que se deslocar para o centro, a exemplo do que ocorreu no passado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o PT, para conseguir governar. Bezerra rejeita o bordão da “nova política” e afirma que Bolsonaro, ao contrário do que dizem seus críticos, têm dado atenção a parlamentares, seguindo a tradição de dividir espaço com aliados.

Sua leitura é que a semana se encerra melhor do que começou para o governo. Embora reconheça que o presidente tenha a sua personalidade “e ninguém vai mudar”, ele diz que Bolsonaro está começando a compreender que é dele a responsabilidade de formar maioria no Congresso.

Falta articulação ao governo?
O ministro Onyx [Lorenzoni, Casa Civil], em conversa com os líderes na quarta-feira, disse que o governo tinha humildade de reconhecer que perdeu a oportunidade de fazer na Câmara um encaminhamento mais harmônico e aproximado dos partidos e das lideranças. E que seu desejo, no Senado, era expressar que precisa do apoio do Legislativo para tocar as reformas.

Parlamentares reclamam que conversas anteriores não resultaram em nada.
A eleição de Bolsonaro representa uma ruptura do ciclo político, pois atropelou os partidos do centro democrático. Todas as candidaturas que se colocaram pelo centro foram engolidas pela polarização entre o PT de Lula e, de outro lado, o antipetismo. Bolsonaro teve a perspicácia de empunhar outras bandeiras, da segurança pública, da Lava Jato, do combate à corrupção e dos costumes. Também fez campanha negando a institucionalidade dos partidos, fazendo a ligação direta com o eleitor usando as redes sociais. Depois de eleito, ele procura materializar a concretização de seus compromissos. É o primeiro presidente desde 1947 que compõe uma equipe de governo sem consultar os partidos. É um novo ciclo, de desempoderamento dos partidos. Em fevereiro, o Congresso se instala renovado, mas são os partidos do centro democrático que têm as condições de dar a sustentação política para aprovar as reformas.

Ainda são? 
É só fazer a conta. Soma MDB, PSDB, PR, PSD, DEM, PP… Rodrigo Maia recebeu o apoio desses partidos porque significava recolocar o centro democrático, então varrido eleitoralmente, na cena política nacional. Temos um Congresso renovado mas que precisa mudar a cultura política. Antes, com os partidos empoderados, a cultura era a divisão ministerial, a entrega dos cargos e a divisão do poder, o tal do presidencialismo congressual. Bolsonaro rompeu com isso. A leitura agora é que todo mundo aqui é da política, vai enfrentar uma eleição em um ano. As pessoas identificaram que a agenda de Bolsonaro, com a exceção dos costumes, está correta.

E por que ainda não há base?
Porque as pessoas querem saber se o Bolsonaro quer ser parceiro político. O presidente que aprova uma agenda de reformas viabiliza um projeto de poder político pelos próximos 8, 12 anos. Ou não foi assim com o PT?

Mas ele parece dar sinais de que não quer ser parceiro dos políticos.
Calma, ele está numa transição que começou em 1º de fevereiro. Está há 40 dias na ativa e querendo formar a base. Na cabeça dele, o toma lá, dá cá são as confusões que ocorreram pelos desvios no passado. Ele generaliza e provoca irritação dentro do Congresso.

Ficou refém do discurso eleitoral?
Ele está evoluindo no sentido de, sem abandonar os compromissos de campanha, criar e definir critérios que permitam a convivência com o Congresso e a construção da base.

Isso é a nova política?
Nova e velha política eram definições para a campanha. Agora é governar e não se trata de nova ou velha política, mas da boa política. O que a classe política quer, independente do que se fala em emenda e cargo, é saber se ele vai se associar aos partidos. Por exemplo, um deputado, uma liderança política que tenha a aspiração de ser prefeito da capital do seu estado, ele terá apoio do Bolsonaro? É isso que ele precisa compreender para definir as alianças que serão formadas daqui para frente. Não são os cargos que vão fazer a mágica. A mágica será feita quando as pessoas confiarem que ele quer ser parceiro e que vai compartilhar o sucesso de seu governo.

?O presidente não dá um passo e acaba voltando 10 quando dá uma declaração inapropriada?
Seria muito melhor que ele desse um tempo ao Twitter dele. Mas é a forma que ele tem para se comunicar.

Acha que bastaram os acenos que Bolsonaro fez no fim da semana?
Encerramos a semana superando os desencontros. Tanto o presidente quanto Maia está virando a página. As feridas estão cicatrizadas? Claro que não.

O que tem que fazer mais? 
Quando voltar de Israel, Bolsonaro vai receber os presidentes dos partidos. Vai criar uma relação institucional e começar a mostrar que quer ser parceiro, compartilhar o sucesso do governo com os partidos que o derem apoio.

Não demorou?
Demorou. Mas se enganam aqueles que pensam que o presidente não está fazendo política. Levou deputados no avião com ele, chamou gente no gabinete, ligou. Ou você acha que Roberto Rocha, líder do PSDB, não ficou muito lisonjeado por ter ido com o presidente para os EUA para viabilizar o acordo que vai operar a base de Alcântara? O que é isso? Política. Vocês às vezes exageram ao subestimar a capacidade do presidente de fazer política. Subestimaram na campanha e ele ganhou.

Ao se reunir com líderes dos partidos, não vai ser cobrado por seu eleitor?
O eleitor dele sabe que ele precisa construir a maioria no Congresso. É muito mais amplo que a militância das redes sociais. Depois da eleição, ele tem que se aproximar do centro. Como ele é da direita, ele tem que vir mais para o centro. Quando você tem um da esquerda, que foi o caso de Lula, ele teve que vir mais para o centro.

Na reforma da Previdência ele parece transferir a responsabilidade para o Congresso. 
Mas disse também, no outro dia, que a reforma é importante para o Brasil, para a agenda dele. O presidente tem a personalidade dele e ninguém vai mudar. Pode, aqui ou acolá, avançar, se equivocar, dar uma canelada. Mas, ao mesmo tempo, ele tem humildade de dizer ‘exagerei aí, vamos virar a página, passar para outra’. Você pode não gostar das ideias dele, da forma como ele fala, mas ele é uma pessoa simples. Está começando a compreender que a responsabilidade de formar maioria no Congresso é dele, do governo, nossa.

Como o sr. vê a atuação do PSL?
De fato o partido precisa se alinhar. É natural que o presidente tenha responsabilidade em relação à orientação do partido. Luciano Bivar [presidente da sigla] e os líderes do partido também. Quando os senadores do PSL levantam críticas ou alternativas a proposta do governo, permitem que os questionamentos se espraiem por todas as outras bancadas. Você cria mais dificuldade para negociação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *