Piada do Ano! Coronel Lima propôs devolver uma propina por medo da Lava Jato

Imagem relacionada

Desta vez, Maria Rita, mulher do coronel foi presa junto com ele

Camila Mattoso
Folha

O executivo da Engevix José Antunes Sobrinho afirmou em delação premiada que o coronel João Baptista Lima Filho, amigo de Michel Temer, chegou a propor a devolução do valor pago de R$ 1 milhão de propina usando como justificativa o andamento da operação Lava Jato. O dinheiro, segundo a colaboração do empresário, foi a pedido do ex-presidente Temer e do ex-ministro Moreira Franco, ambos presos preventivamente nesta quinta-feira, para o MDB na eleição de 2014.

Segundo Sobrinho, o valor foi pago por meio de uma empresa que não tinha ligação com os políticos, utilizando um contrato fictício com uma empresa do coronel Lima.

TOCA O TELEFONE – Meses depois do pagamento, o executivo disse que recebeu uma ligação do amigo de Temer, em 2015, e combinaram de se encontrar no meio da rua.

“Eu recebo a ligação do coronel, querendo falar urgente, ele disse que caminhava comigo na rua. Ele foi ao Rio, encontrou comigo, nós caminhamos a rua Rio Branco, da altura da Assembleia Legislativa, até a Eletrobrás, na Presidente Vargas. E no caminho, para minha surpresa, ele fala que houve uma decisão, se referindo ao ex-presidente, de devolver o dinheiro recebido. Devolução do R$ 1 milhão”, afirmou Sobrinho.

“Eu não estava entendendo bem o que estava se passando. E eu disse: se você tiver interesse, vai à tesouraria da Engevix e entrega. Ele deu a entender que por causa da Lava Jato, que a gente estaria contaminando situações com o vice-presidente ou com ele”. O delator afirmou à PF, no entanto, que o dinheiro não foi devolvido e que ele nunca entendeu muito bem a conversa.

Sobrinho também contou à polícia que Lima cobrou impostos para conseguir ficar com R$ 1 milhão livre. “O Lima acresceu os impostos, isso eu sei, para que ele recebesse líquido o valor de R$ 1 milhão”, disse.

Deixe uma resposta