Bannon sorriu. Por Luis Fernando Verissimo

– O Estado de S. Paulo / O Globo
Por absoluto obsoletismo, a palavra ‘escrúpulo’ deve ser imediatamente cortada dos dicionários sérios do mundo
Certas palavras perdem o sentido, mas mantêm seu poder evocativo. Pense na palavra “entreguismo” e você estará evocando toda uma época, quase outra civilização. Estará lembrando os anos do petróleo é nosso e dos maiôs Catalina, do teatro de revista com suas vedetes coxudas, das manifestações estudantis e das primeiras lambretas. “Entreguista”, naquele tempo, era quem queria entregar tudo para os americanos, pois já tínhamos entregue nossas almas, ao som do roquenrol. A esquerda – lembra dela? – era contra os entreguistas.
Estes tinham a retórica poderosa do Roberto Campos defendendo a privatização do País inteiro, mas conseguiram manter o petróleo mais ou menos nosso. Pelo menos até anteontem. Não se sabe o que combinaram fazer com a Petrobrás na reunião de Washington.
Falando em palavras que caem em desuso, uma, a palavra “escrúpulo”, deve ser imediatamente cortada dos dicionários sérios do mundo, por absoluto obsoletismo. Há anos ninguém diz “escrúpulo” em público a não ser acompanhada por um sorriso irônico. A delegação brasileira que acompanhou o Eduardo Bolsonaro a Washington não levou escrúpulo.
A orientação era oferecerem o que os americanos quisessem, a começar pela base de Alcântara, sem medo de serem chamados de “entreguistas” como antigamente, pois ninguém mais é. As cenas de subserviência festiva e de exaltação à América de Trump se repetiram sem que nada parecido com escrúpulo interviesse.
Steve Bannon, um dos ideólogos da direita mundial, participou das festividades em Washington, sorrindo secretamente da avidez dos brasileiros em se tornarem americanos vendendo o Brasil. Ou, como já estão falando em Brasília, Brazil. Estranha a ausência dos irmãos Koch na festa. Eles são, com Bannon, os maiores exemplos do dinheiro infindável posto a campo para inviabilizar qualquer alternativa ao capital predador. Devem estar vindo por aí.

Deixe uma resposta