“Corruptos são verdadeiros genocidas”, diz delegada Patrícia Domingos

Delegada se disse honrada por ter sido convidada para integrar a equipe do ministro Sergio Moro e atuar na Secretaria Nacional de Segurança Pública, em BrasíliaResultado de imagem para delegada Patrícia Domingos

Para a delegada Patrícia Domingos, o grande mal que assola o Brasil é a corrupção. Recentemente chamada para integrar a equipe do ministro Sergio Moro e atuar na Secretaria Nacional de Segurança Pública, em Brasília, Patrícia falou sobre o convite em entrevista ao programa Balanço Geral, da TV Clube. A expectativa agora é pela liberação por parte do governo de Pernambuco.

Depois da polêmica extinção da Delegacia de Polícia de Crimes contra a Administração Pública da Capital (Decasp), aprovada pela Assembleia Legislativa de Pernambuco em outubro do ano passado, Patrícia foi transferida para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde está até hoje. A delegada se disse honrada por ter sido lembrada. “O convite foi uma honra. Fui convidada para participar trabalhando dentro da Diretoria de Políticas Públicas de Segurança. Acredito que tenho uma bagagem para contribuir nas políticas de combate à corrupção”, afirma.

Patrícia contou que foi contatada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública. Ela também falou sobre a importância do trabalho desempenhado pelo órgão. “Em relação à questão das políticas públicas, elas abordam também outros crimes, como o tráfico de entorpecentes, que hoje é a causa da maioria dos homicídios”, analisa.

A delegada finalizou destacando sua atuação à frente da Decasp. “É importante lembrar que nossas operações em Pernambuco foram pioneiras e espero que essa cultura se perpetue. O combate à corrupção é nossa bandeira e esse é o grande mal que assola nossa nação. O tráfico e o homicídio matam pessoas, mas o combate à corrupção vai atuar evitando outro tipo de mortes, que ocorrem quando o poder público está ausente. Os corruptos são verdadeiros genocidas. A corrupção mata sim, ela destrói uma nação”.

Deixe uma resposta