Pintura roubada de 3 milhões de euros não era original

Obra-prima do artista do século XVII Brueghel, o Jovem, foi trocada por uma cópia

Pintura roubada de 3 milhões de euros não era original
Quadro estava na mira de ladrões (Foto: Wikimedia)
O assalto parecia ter ido inteiramente de acordo com o plano. Os ladrões invadiram a vitrine de uma igreja italiana e fugiram com uma pintura de 3 milhões de euros do pintor Pieter Brueghel, o Jovem, do século XVII.

Mas a polícia revelou naquela noite que houve um problema – a obra de arte arrebatada era uma cópia.

A versão fidedigna da Crucificação, doada há mais de um século à igreja de Santa Maria Maddalena, na pequena cidade da Ligúria de Castelnuovo Magra, na Itália, foi armazenada em segurança no mês passado como parte de um blefe cuidadosamente preparado.

A polícia estava ciente de que os ladrões haviam mirado na obra-prima, alvo de um roubo bem-sucedido em 1981, antes de serem recuperados alguns meses depois, e montaram um sistema de vigilância para vigiar até que os criminosos escolhessem seu momento para agir.

O prefeito da cidade, Daniele Montebello, estava entre as poucas pessoas a par dos subterfúgios e teve que manter o fingimento nas horas após o assalto, dizendo aos jornalistas que perder a pintura era “um duro golpe para a comunidade”.

“Circulavam rumores de que alguém poderia roubar o trabalho, e a polícia decidiu colocá-lo em um local seguro, substituindo-o por uma cópia e instalando algumas câmeras”, disse Montebello. “Agradeço à polícia, mas também a alguns frequentadores da igreja, que notaram que a pintura em exibição não era a original, mas mantinham o segredo”.

A pintura foi doada à igreja por uma família rica e ficou escondida durante a Segunda Guerra Mundial para evitar que ela fosse roubada pelos soldados alemães.

Pieter Brueghel, o Jovem, é o filho de Pieter Bruegel, o Velho, que foi considerado um dos maiores artistas da Renascença flamenga e holandesa. Brueghel, o Jovem, ganhava a vida copiando as obras de seu pai. A Crucificação é uma pintura a óleo sobre um painel de carvalho.

Enquanto o número de roubos de arte na Itália caiu de 906, em 2011, para 449, em 2016, o país ainda é o maior mercado de arte roubada devido à abundância de trabalhos.

Quase metade dos artefatos roubados em 2016 foram mantidos em igrejas. A polícia de arte italiana elaborou diretrizes sobre como proteger melhor as igrejas que permanecem abertas o dia todo ao público, inclusive instalando sistemas de alarme e vigilância e contratando voluntários para vigiar.

Fonte:
The Guardian-Italian police reveal ‘€3m painting’ stolen from church was a copy

Deixe uma resposta