CUT divulga nota de solidariedade em favor de Áureo Cisneiros

Veja a nota oficial de “apoio e solidariedade” da CUT de Pernambuco

A plenária sindical da CUT Pernambuco realizada, nesta terça-feira (13/11), aprovou mais uma vez nota de apoio e solidariedade ao companheiro Áureo Cisneiros, presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol), que foi notificado pela Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social de que será demitido de suas atividades como servidor público.

A decisão tomada por uma comissão formada por um delegado e dois comissários é descabida e imprudente. Áureo, ao longo dos quatro anos em que está à frente do Sinpol, vem lutando por melhores condições de trabalho, valorização profissional e salarial dos Policiais Civis de Pernambuco.

As práticas antissemíticas são usadas para pressionar servidores, utiliza-se de demissão, transferência de local de trabalho ou qualquer outra forma que dificulte ou impeça o dirigente ao exercício de sua função sindical, configurando-se assim numa ação velada de perseguição.

Solicitamos ao governador de Pernambuco, Paulo Câmara, que use o bom senso político e não assine a demissão de Áureo Cisneiros. Na atual conjuntura política esta demissão pode ser uma antecipação de graves medidas que, estão sendo discutidas em nível federal, com intuito de alterar a legislação trabalhista e retirar todos os direitos da classe trabalhadora.

Basta de práticas antissemíticas contra servidores e sindicalistas!

Recife, 14 de novembro de 2018
Direção da CUT-PE

Veja os esclarecimentos da Corregedoria Geral da SDS

“A Corregedoria Geral da SDS esclarece que o Comissário Especial de Polícia Áureo Cisneiros Luna Filho não foi excluído da Polícia Civil de Pernambuco. Ele responde atualmente a quatro Procedimentos Administrativos Disciplinares (PADs), sendo um deles por contumácia, ou seja, quando o servidor transgride as normas disciplinares de forma repetida. O servidor em questão já foi penalizado em 6 PADs no âmbito da corregedoria. Na fase atual do PAD questionado, o policial foi citado para apresentar, em um prazo de dez dias, sua defesa”.

“A Corregedoria da SDS respeita o livre exercício de manifestação, e reafirma que o amplo direito de defesa é garantido em todos os processos disciplinares. É importante esclarecer que esses processos, conduzidos de forma técnica, investigam a atuação de servidores enquanto policiais, sem qualquer relação com atividade sindical. Não há, no trabalho da Corregedoria, qualquer juízo de valor, apenas o cumprimento da legislação e regimentos das corporações”, informou a SDS, por meio de nota oficial.

Com o comunicado, buscou rebater as falas do policial pelas redes sociais.

Nesta quarta-feira, o presidente do Sinpol, Auréo Cisneiros, candidato a deputado estadual pelo PSOL nas últimas eleições, anunciou que foi notificado pela Corregedoria da SDS para apresentação de defesa no prazo de dez dias em um processo disciplinar que pode culminar em sua demissão, sob a alegação de recorrentes transgressões disciplinares0.

“Essa perseguição é uma vergonha. Um verdadeiro absurdo. O que mais me revolta é que todos os membros da Comissão indicaram pela demissão”, reclamou.

“Todos os processos administrativos são em decorrência da atividade sindical. Nenhum dos PAD’s instaurados foi por cometer crimes ou infrações administrativas. Pelo contrário, todos foram para melhorar as condições de trabalho e salários dos policiais Civis, inclusive dos membros desta Comissão”, afirmou.

NE10

Deixe uma resposta