Projeto para liberação de armas divide a base aliada de Jair Bolsonaro

Resultado de imagem para liberação de armas charges

Charge do Cazo (blogdoafr.com)

Deu na Coluna do Estadão

Uma das bandeiras do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) rachou sua base de apoio. A frente evangélica pediu ajuda ao ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, para intermediar acordo com os apoiadores do projeto que flexibiliza o estatuto do desarmamento facilitando a posse de armas. Cientes de que não é possível evitar o tema, os evangélicos preferem votar o texto este ano. Na próxima legislatura a bancada da bala no Congresso estará reforçada. Suas condições: reduzir as munições mensais de 600 para 300 e de seis para três as armas que um cidadão pode ter em casa.

O deputado Alberto Fraga, líder da bancada da bala, diz que está disposto a conversar nesses termos, mas não abre mão do porte na zona rural nem da anistia para quem tiver arma e se dispuser a recadastrar no governo.

NO CONGRESSO – Para idade mínima, um entrave nas conversas. Fraga sugere reduzir para 21 pelo menos para os policiais. Hoje, o policial com menos de 25 não pode ter arma fora do horário de serviço.

Como revelou a Coluna, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), vai pautar as mudanças no estatuto do desarmamento após as eleições. Seu colega no Senado, porém, não tem o mesmo plano. Eunício Oliveira (MDB-CE) disse a interlocutores que “tem juízo” e não colocará o tema em votação. O primeiro busca o apoio de Bolsonaro para se reeleger ao comando da Câmara; o segundo não se reelegeu para o Senado.

VÍDEO DO DORIA –  O grupo de generais que participam da campanha de Bolsonaro passou ao largo do “vídeo do Doria”. O que deu audiência mesmo no QG dos militares foi a fala do rapper Mano Brown, que disse diante de Fernando Haddad e Manuela d’Ávila que o PT vai perder a eleição.

Escalado para ministro da Defesa num eventual governo Bolsonaro, o general Augusto Heleno virou o queridinho de um grupo de empresários que apoia a candidatura do capitão reformado. Ele é considerado “preparado e ponderado”.

E o  presidente Michel Temer tem se recusado a tomar qualquer medida que possa interferir no governo do seu sucessor, incluindo a nomeação para cargos com mandato. A regra é: tudo o que não for urgente ou imprescindível vai deixar para o sucessor.

DE SAÍDA – O presidente do BB, Paulo Caffarelli, não fica no cargo no próximo governo independentemente do vencedor. A pessoas próximas, tem dito que, se a vitória for de Bolsonaro – e Paulo Guedes anunciar o substituto já na transição –, deixa a vaga antes do fim do governo.

Nesse caso, o mais provável é Temer recorrer a solução caseira e nomear um vice-presidente para mandato-tampão até janeiro. A informação no mercado é de que Caffarelli já foi sondado para vagas na iniciativa privada.

Deixe uma resposta