Sem debater crise fiscal, candidatos apostam apenas em propostas populistas

Resultado de imagem para DEFICIT PUBLICO CHARGES

Charge do Kayser (Arquivo Google)

Valdo Cruz
G1 Brasília

A campanha presidencial deste ano começou com a promessa dos candidatos de discutirem uma solução para a grave crise fiscal. Ficou na promessa. O tema não só foi deixado em segundo plano, como os candidatos partiram para propostas populistas nesta reta final da eleição.

Em busca de avançar no eleitorado nordestino, Jair Bolsonaro (PSL) propôs um 13º para os beneficiários do Bolsa Família. Já Fernando Haddad (PT) prometeu, para reconquistar eleitores perdidos para seu adversário, reajustar em 20% o valor pago pelo mesmo programa. Foi além: disse que, se eleito, o gás de cozinha não custará mais do que R$ 49.

DESEQUILÍBRIO – Enquanto isso, as equipes dos candidatos do PSL e do PT não tratam das medidas que terão de adotar para reduzir o desequilíbrio das contas públicas, que irão registrar no ano que vem o quinto déficit consecutivo. O rombo em 2019 está projetado em R$ 139 bilhões.

Se não for enfrentado, o país não irá retomar o crescimento sustentável, essencial para reduzir o desemprego que atinge mais de 12 milhões de brasileiros.

O Orçamento da União só prevê um total de cerca de R$ 30 bilhões para bancar o pagamento dos benefícios do Bolsa Família.

MAIS GASTOS – A promessa de Jair Bolsonaro vai elevar o orçamento do Bolsa Família em R$ 2,5 bilhões. Ideia lançada em busca de conquistar mais eleitores num território petista, a região Nordeste, única em que o candidato petista bate o do PSL. E a proposta de Fernando Haddad, lançada neste fim de semana na busca de uma reação nesta reta final da campanha, pode custar R$ 6 bilhões.

Enquanto isso, o mercado prefere fingir que não está vendo a onda populista nesta reta final de campanha e vai aguardar o dia depois da eleição para testar as propostas dos candidatos na área econômica. Aposta que vai prevalecer a liberal de Jair Bolsonaro e se dá por satisfeito. A conferir.

Deixe uma resposta