Fórum de Mídia Global 2018: o evento da DW lida com a desigualdade global

A desigualdade em todo o mundo é o tema do 11º Fórum Global de Mídia em Bonn. Os participantes discutirão como os meios de comunicação podem abordar o problema e mostrar o que pode ser feito para aliviar tal problema em primeiro lugar.    

Logo para o Fórum Global de Mídia GMF 2018

Quando os tomadores de decisão do mundo da política e dos negócios, além de jornalistas, cientistas e representantes de organizações não governamentais, folhearem seus calendários para consultas em junho, três dias já são reservados para o Fórum Global de Mídia (GMF) da DW. em Bonn .A conferência deste ano, dia 11, acontecerá de 11 a 13 de junho e abordará o tema das desigualdades globais.

Na última década, o Global Media Forum estabeleceu firmemente sua posição como a maior conferência de mídia internacional da Alemanha. Este ano, espera-se que cerca de 2.000 convidados de 120 nações participem. Peter Limbourg, diretor-geral da DW, diz que isso torna o GMF “uma plataforma única para intercâmbio entre jornalistas internacionais e gerentes de mídia de nossos parceiros em todo o mundo – e com pessoas que estão empenhadas em defender a liberdade de imprensa e mídia”.

“Todos os anos, o Fórum de Mídia Global mostra como a Deutsche Welle está bem conectada”, acrescenta Limbourg. “Podemos aprender muito através de troca e diálogo.”

Peter LimbourgNo Freedom of Speech Awards, Limbourg vai liderar uma discussão sobre o futuro da Europa com o autor Navid Kermani

‘Telefones celulares como agentes de mudança’

Verica Spasovska, que, pela primeira vez, é responsável pelo programa do GMF deste ano, diz que um grande número de registros deste ano veio do Paquistão, Bangladesh e nações africanas.

“Graças à maravilhosa cooperação do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha”, de acordo com Guido Schmitz, diretor-geral do GMF, cerca de 100 jornalistas de nações em desenvolvimento e emergentes poderão participar da conferência deste ano. Schmitz também elogiou a parceria da GMF com o estado da Renânia do Norte-Vestfália, chamando-a de “importante para o sucesso da conferência”.         

Este ano, o GMF abordará o tema da desigualdade global em cerca de 60 eventos diferentes. Na frente política, a Comissária da UE para Economia Digital e Sociedade Mariya Gabriel participará, assim como o ex-presidente do Afeganistão, Hamid Karzai – que causou um rebuliço antes do início da conferência, culpando o Paquistão e os EUA pela situação desoladora de seu país em um DW entrevista.

View image on Twitter

Global Media Forum

?@DW_GMF

Don’t miss his keynote on threats and opportunities of increasing isolationism to international power relations.http://p.dw.com/p/2oLbh 

Em um nível mais prático, um dos jornalistas mais esperados que aparecem na conferência será Yusuf Omar. Conhecido como o pioneiro dos “relatórios móveis”, ele explicará como os smartphones podem ser usados ??na luta contra a desigualdade. “Se a caneta é mais poderosa do que a espada, então o celular é o nosso mais poderoso instrumento de mudança”, disse Omar à DW em uma entrevista pré-conferência.

Para o Limbourg da DW, outro aspecto importante do GMF é “que lidamos com ideias sobre onde a desigualdade surge – na verdade, é quase vista como normal – e o que podemos fazer para enfrentá-la. Mesmo que saibamos que nunca haverá igualdade absoluta em todo o mundo, devemos, no entanto, nos esforçar para estabelecer os mesmos direitos fundamentais para todos. Em termos concretos, isso também nos força a refletir sobre como isso afeta nossas reportagens. “

Limbourg não irá apenas participar da abertura do GMF. “Um evento muito importante para mim é a apresentação do Freedom of Speech Awards, onde terei o prazer de conduzir uma discussão sobre o futuro da Europa com o autor alemão Navid Kermani”, explicou.

‘Mais interativo e participativo’

Planejador de programas Spasovska deu grande ênfase à expansão da natureza interativa, participativa e discursiva do evento deste ano. “Reduzimos o número de painéis compostos de três ou quatro especialistas discutindo entre si no palco. Em vez disso, aumentamos o número de eventos em que os palestrantes se encontram entre o público”, diz ela.

GMF 2018 Palestrantes Sumaiya e Yusuf Omar (Sumaiya Omar)Omar (à direita) é conhecido como o pioneiro dos ‘relatórios móveis’

Uma equipe de mídia social garantirá que as perguntas e idéias levantadas nos eventos sejam rapidamente enviadas para o Twitter, e a conferência também será transmitida ao vivo, garantindo que aqueles que não podem fisicamente chegar a Bonn ainda possam ser participantes virtuais. “No ano passado, cerca de 40 mil pessoas assistiram aos livestreams da conferência”, diz Spasovska.

Outra novidade deste ano é que o último dia da conferência não tratará do principal tema de desigualdades globais do GMF, mas será inteiramente dedicado aos “desafios e oportunidades que a digitalização representa para os produtores de mídia”. O terceiro dia da GMF traz o título “Media Innovation Lab Day”  e terá seu próprio perfil.

“As pessoas estarão dando palestras no auditório, apresentando e discutindo várias idéias em vagas de 30 minutos. Além disso, haverá uma série de workshops onde as pessoas podem aprender coisas novas e onde novas idéias serão apresentadas. Haverá também um número de ‘melhores práticas’ sessões – estas são todas as coisas que estão muito no coração da produção de mídia “, diz Spasovska.

Usando drones para mapear a desigualdade

Uma exposição de imagens do fotógrafo Johnny Miller, da África do Sul, também abordará diretamente o tema das desigualdades globais. “As imagens são muito impressionantes, mostrando a proximidade direta de favelas e vilas em várias das principais cidades do mundo”, diz Spasovska. A conferência será acompanhada de música também, com apresentações de artistas como a cantora de reggae alemã Patrice Bart-Williams e a cantora e poeta britânica Anne Clark.

As ofertas da conferência fazem Limbourg otimista sobre o futuro do Global Media Forum. No entanto, ele acrescenta, “é importante que continuemos a desenvolver e expandir o Fórum Global de Mídia, a fim de viver de acordo com nossas próprias expectativas – ou seja, fazer do GMF a conferência de mídia internacional mais importante do mundo”.

DW

Deixe uma resposta