André Ferreira diz que não pode mais esperar

André Ferreira (PSC)

André Ferreira (PSC)Foto: Roberto Soares/Alepe

Aliado do governador Paulo Câmara (PSB), o deputado e pré-candidato ao Senado André Ferreira (PSC) conversa nesta quinta-feira (7) com o presidente nacional do PSC, Pastor Everaldo, para alinhar em que campo político o seu partido estará nas eleições deste ano. Decidido a integrar a chapa majoritária e tendo feito a proposta ao governador, André está cotado para a disputa no palanque da oposição. A chance de mudança de lado fica cada vez mais próxima diante dos acenos que Paulo faz ao PT, do senador Humberto Costa, e ao MDB, do ex-governador Jarbas Vasconcelos.

A reunião da executiva nacional do PSC será na sede do partido, em Brasília, às 9h30, momento no qual os projetos de todos os estados estarão sobre a mesa do pastor Everaldo. “Vamos mostrar ao presidente do PSC os caminhos que nós temos, o alinhamento da gente, mostrar as nossas pesquisas internas. Vou falar meu ponto de vista, do que eu estou vendo. Estou alinhando com o partido, com os pré-candidatos da base da gente, pra tomar uma decisão sujeito a todo mundo”, explicou André.

Jarbas e Humberto são os favoritos para disputar na chapa ao Senado da Frente Popular. Contudo, o adiamento – para 27 de julho – da definição sobre a aliança entre PT e PSB em Pernambuco tornou nebulosa essa previsão. O bom desempenho da vereadora Marília Arraes (PT) nas sondagens internas ao Governo do Estado, por sua vez, tem dificultado que socialistas e petistas formalizem essa aliança.

Mesmo assim, se Humberto não for escolhido para acompanhar Jarbas (dado como certo) na chapa ao Senado, outros nomes pleiteiam o espaço. É o caso do PP de Eduardo da Fonte, do PDT do ex-prefeito José Queiroz e do PCdoB de Luciana Santos. Tanto PDT quanto PP têm reforçado a importância do Senado para seus respectivos projetos eleitorais, o que acentua a pressão sobre os ombros de Paulo.

Em sua demanda ao Palácio das Princesas, André pede apenas a vaga de senador na Frente Popular, abrindo mão de qualquer secretaria. “A minha decisão não é vinculada à decisão do PT. Só faltam 20 semanas para a eleição. Nosso caminho não depende do PT”, diz. Há informações de que, nas sondagens internas, Ferreira é visto como segundo voto do governista Jarbas Vasconcelos e do oposicionista Mendonça Filho.

Indagado sobre sua interlocução com o Palácio , reitera que não tem conversado com Paulo Câmara desde o final de abril. “Ninguém tem se encontrado com Paulo Câmara. Temos ouvido muita queixa do pessoal do governo, tá todo mundo se queixando. Agora não sei até onde a queixa leva a tomar uma decisão”, pondera. Por outro lado, as conversas com integrantes da oposição, como o pré-candidato ao governo, Armando Monteiro (PTB), ocorreram mais recentemente.

fonte:BLOGDAFOLHA

Deixe uma resposta